Banner Portal
Diálogos possíveis entre o pluralismo epistemológico de Paul Feyerabend e a educação científica
O Número temático intitulado “A Epistemologia da Educação na América Latina e no Caribe: desafios e perspectivas” pretende documentar, compartilhar reflexões, resultados de pesquisas e experiências pedagógicas, que contribuam justamente para dinamizar o tema proposto, e identificar problemática em que poderíamos cooperar para colocar a Epistemologia da Educação a serviço das discussões das agendas curriculares e das reformas educacionais nos países da região que visem impacto social e educacional de forma inclusiva.
PDF

Palavras-chave

Epistemologia
Ensino
Alfabetização
Educação
Letramento

Como Citar

PINTO, André Luiz; SAAVEDRA FILHO, Nestor Cortez. Diálogos possíveis entre o pluralismo epistemológico de Paul Feyerabend e a educação científica. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 14, n. 3, p. 91–118, 2024. DOI: 10.20396/rfe.v14i3.8673735. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8673735. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

A questão dos letramentos e da inovação demonstram-se fundamentais em períodos históricos como o atual, onde as práticas de ensino-aprendizagem tornam-se cada vez mais complexas, que requerem novas abordagens teóricas para compreendermos possibilidades alternativas de ensino. Tendo estas questões em mente, este artigo visa indicar relações possíveis entre o antifundacionismo, o pensamento de Paul Feyerabend e os letramentos científicos. Em um primeiro momento indicaremos questões relativas ao antifundacionismo, e em seguida verificaremos como tal questão se efetiva no pensamento de Feyerabend. Finalizaremos avaliando como esta abordagem pode fundamentar novas práticas educacionais.

https://doi.org/10.20396/rfe.v14i3.8673735
PDF

Referências

ABRAHÃO, Luiz Henrique de Lacerda. Paul Feyerabend – um “Nietzsche de nossa época”? Trabalho apresentado no I Congresso Internacional Nietzsche e a Tradição Filosófica: Nietzsche e a tradição kantiana. 2012.

AYALA, Francisco José. Introductory essay: the case for scientific literacy. World Science Report, Paris: UNESCO, 1996. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0010/ 001028/102819eo.pdf>. Acesso em: 23.05.2022.

BACHELARD, Gaston. A filosofia do não: filosofia do novo espírito científico. Tradução de Joaquim José Moura Ramos. Os Pensadores, XXVIII. São Paulo: Abril, 1974.

BACICH, Lilian e MORAN, José. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso. 2018.

BARTON, Angela Calabrese e ROTH, Wolff-Michael. Rethinking Scientific Literacy. New York: Taylor and Francis Books, Inc. 2004.

BENJAMIN, Herman; SADLER, Troy e ZEIDLER, Dana. New directions in socioscientific issues research. Disciplinary and Interdisciplinary Science Education Research. 2019. Disponível em <https://diser.springeropen.com/articles/10.1186/s43031-019-0008-7>, Acesso em 10.05.2022.

BLACKBURN, Simon. Dicionário Oxford de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em: <568 http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2018.

CACHAPUZ, Antonio. JORGE, Manuela e PRAIA, João. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: Um repensar epistemológico. Em Ciência & Educação, v. 10, n. 3, p. 363-381, 2004.

CACHAPUZ, Antônio et al. A Necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CAZETTA, Valeria e GURUDI, Veronica. Alfabetização científica e cartográfica no ensino de ciências e geografia: Polissemia do termo, processos de enculturação e suas implicações para o ensino. 2014. Revista de estudos culturais. Disponível em <http://each.uspnet.usp.br/revistaec/?q=revista/1/ci%C3%AAncias-e-geografia-polissemia-do-termo-processos-de-encultura%C3%A7%C3%A3o-e-suas-implica%C3%A7%C3%B5es-para> Acesso em 23.05.22.

CHILDERS, Joseph e HENTZI, Gary. The Columbia Dictionary of Modern Literary and Cultural Criticism. New York: Columbia University Press. 1995.

CUNHA, Rodrigo Bastos. Alfabetização científica ou letramento científico? Interesses envolvidos nas interpretações da noção de scientific literacy. Revista Brasileira de Educação. v. 22 n. 68 jan.-mar. 2017.

DAMASIO, Felipe e PEDUZZI, LUIZ Luiz Orlando de Quadro. Considerações sobre a alcunha atribuída a Paul Feyerabend de “pior inimigo da ciência” e suas implicações para o ensino de ciências. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências. v.10. 2017.

DAMASIO, Felipe. PEDUZZI, Luiz Orlando de Quadro. Pra que ensinar ciência no século XXI? Reflexões a partir da filosofia de Feyerabend e do ensino subversivo para uma aprendizagem significativa crítica. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências. v.20. 2018.

DELIZEICOV, Demetério e HALMENSCHLAGER, Karine Raquiel. Abordagem Temática no Ensino de Ciências: Algumas Possibilidades. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, v. 7, n. 13, p.10-21, 2011.

FERRARO, José Luiz. Deleuze e Guattari para pensar a educação em cièncias. Filosofia E Educação, 14(2), 145–174. 2022.

FEYERABEND, Paul. Against Method. London / New York: Verso, 1993.

________. Adiós a la razón. Madrid : Tecnos, 1987.

________. Conquest of Abundance: A Tale of Abstract versus the Richness of Being. Chicago: University of Chicago Press. 1999.

________. Contra o método. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora, 1977.

________. Science in a Free Society. London: NLB, 1978.

________. ‘Science’: The myth and its role in society. Inquiry, 18, p.167-181. 1975.

FILHO, Lincoln de Almeida Motta. Contribuições de Feyerabend ao ensino de ciências: seu anarquismo epistemológico, pluralismo cultural e uma proposta didática sobre a discussão entre Galileu e os aristotélicos. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Educação, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ. 2016.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

________. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.

________. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

________. Educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1995.

________. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

________. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

________. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GANHOR, João Paulo Ganhor. JESUS, Atair José Bernardino de. MEGLHORATTI, Fernanda Aparecida. Mobilizações de perspectivas de Paul Feyerabend na pesquisa em educação em ciências. em Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemática. v.16, n. 37. p. 54-72. 2020.

GUERRA, Andreia; MOURA, Cristiano B. ; GURGEL, Ivã. Sobre Educação em Ciências, Rupturas e Futuros (Im)possíveis. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. v. 37, p. 1010-1019. 2020.

KLEIMAN, Angela Del Carmen Bustos Romero de. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In KLEIMAN, Angela. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, p. 15-61. 1995.

LAVE, Jean e WENGER, Etienne. Situated Learning: Legitimate Peripheral Participation. London: Cambridge University Press. 1991.

LOPES, Alice Ribeiro Casimiro. Bachelard: O filósofo da desilusão. Caderno Catarinense de Ensino de Física. v.13,n3: p.248-273, dez.1996.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio. 2000.

MELO, Leonardo Wilezelek Soares de. BROIETTI, Fabiele Cristiane Dias e SALVI, Rosana Figueiredo. Análise do discurso de uma publicação ‘antivacina’ no youtube e algumas reflexões para a educação em ciências em Alexandria: Revista de educação em ciência e tecnologia. Florianópolis, v,14 nº2 p111-131. 2021.

MCINTYRE, Lee. Post-truth. New York: MIT Press, 2018.

NASCIMENTO, Lucy Mirian Campos Tavares e GARCIA, Lenise Aparecida Martins. Letramento em tempos de novas tecnologias de informação, comunicação e expressão. em Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Tecnologia. Vol. 8, núm. 3, mai-ago. 2015.

NEW LONDON GROUP. Multiliteracies: Designing social futures em Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. New York: Routledge. 2000.

PIOVESAN, Vitor Hugo Balest e SANTOS Luana Rodrigues Dos. Reflexões acerca do ensino das ciências à luz de Feyerabend. Artigo apresentado no XXII Jornada de Pesquisa UNIJUÍ. 2017.

REGNER, Ana Carolina Krebs Pereira. Feyerabend e o pluralismo metodológico. Em Caderno Brasileiro do ensino de física. v. 13 n. 3. 1996.

_________. “Adeus à razão” ou construção de uma "nova racionalidade"? O conhecimento científico entre Feyerabend e Lakatos. Trabalho apresentado no XXI Encontro anula da ANPOCS. 1998.

ROCHA, César Antonio Alves da. Skinner e Feyerabend sobre o Método e o Papel da Ciência em uma Sociedade Livre. Temas em Psicologia. Setembro, Vol. 25, nº 3, p. 913-926. 2017.

ROJO, Roxane. Pedagogia dos multiletramentos em MOURA, Eduardo e ROJO, Roxane. Multiletramentos na escola. São Paulo: Editora Parábola, 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa; ARAÚJO, Sara e BAUMGARTEN, Maíra. As Epistemologias do Sul num mundo fora do mapa. Em Sociologias. Porto Alegre, ano 18, no 43, set/dez p. 14-23. 2016.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do sul. 2.ed. Coimbra/Portugal: Edições Almedina. 2010.

SANTOS, Boaventura de Souza. O Fim do império cognitivo: A afirmação das epistemologias do sul. Belo Horizonte. Editora Autêntica. 2019.

SIBILIA, Paula. Redes o Paredes? La escuela en tiempos de dispersión. Buenos Aires: Tinta fresca, 2012.

SILVA, Ari Simplício Soares. A (in)visibilidade de Paul Feyerabend nas publicações sobre ensino de ciências no Brasil. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Goiás (UFG), Programa de pós-graduação em educação em ciências e matemática. Goiânia. 2016.

UNESCO. A ciência para o século XXI: uma nova visão e uma base de ação. Brasília: UNESCO; ABIPTI, 2003.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Filosofia e Educação

Downloads

Não há dados estatísticos.