Banner Portal
Hegemonia global estadunidense e os acordos MEC/USAID (1965-1968)
Imagem: Universidade de Nápoles Federico II, fundada em 1224. - Google / Licença Creative Commons.
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
ÁUDIO
VÍDEO

Palavras-chave

Acordos MEC/USAID
Hegemonia
Discurso de modernização
Educação superior

Como Citar

SILVA, Darllen Almeida da; FERREIRA, Norma Iracema de Barros. Hegemonia global estadunidense e os acordos MEC/USAID (1965-1968). Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 10, n. 00, p. 024034, 2023. DOI: 10.20396/riesup.v10i00.8657974. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8657974. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Introdução: O presente artigo se insere no tema da História da Educação e tem como objeto de estudo o intercâmbio entre Brasil, por meio do então Ministério da Educação e Cultura (MEC), e Estados Unidos da América (EUA), representado pela United States Agency for International Development (USAID) – os famosos acordos MEC/USAID, estabelecidos no período da ditadura militar, num recorte temporal de 1965 a 1968. Nesse viés, o estudo se debruça sobre os seguintes eixos norteadores: o problema de pesquisa indaga de que forma os acordos MEC/USAID serviram para instrumentalizar a hegemonia estadunidense sobre o Brasil no campo educacional. Objetivo: O objetivo incide em compreender a constituição da hegemonia estadunidense sobre o Brasil, no contexto dos Acordos MEC/USAID (1965-1968). Metodologia: Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de abordagem qualitativa e que busca traçar as discussões, partindo da Análise Crítica do Discurso, na vertente de Fairclough (2001). Resultados/Conclusão: Como resultados do estudo, verificou-se que o interesse norte-americano pelos rumos da Educação Superior no Brasil no período militar, foi além do discurso de modernização, pois ao incentivar uma reorganização das universidades, impunha a partir do aparelho ideológico escolar, sua hegemonia como potência capitalista.

 

 

https://doi.org/10.20396/riesup.v10i00.8657974
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
ÁUDIO
VÍDEO

Referências

AMORIM, Célia Regina; SILVA, Lanna Paula. Ditadura Militar (1964-1985): o movimento estudantil e a comunicação alternativa na Amazônia paraense. Revista Observatório, Palmas, v. 2, n. 5, p. 177-199, set./dez. 2016. Disponível em:

https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/2954.

BORDIGNON, Talita Francieli. A Aliança para o Progresso e a educação como pretexto para a consolidação do capitalismo. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 21., 2011, São Paulo. Anais...São Paulo, ANPUH-SP. Disponível em: https://bit.ly/3DF1zgB .

BURKE, Peter. Testemunha Ocular: História e imagem. Tradução Vera Maria X. dos Santos. Bauru: EDUSC, 2004. p. 153-174.

COSTA, Priscila Borba. O Destino Manifesto do povo estadunidense: uma análise dos elementos delineadores do sentimento religioso voltado à expansão territorial. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA, 5., 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: Universidade Estadual de Maringá (UEM), 2011. p. 2267-2276.

CUNHA, Luiz Antônio. A universidade reformanda: o Golpe de 1964 e a modernização do Ensino Superior. 2. ed. São Paulo: UNESP: 2007.

DELGADO, Lucília. O Governo João Goulart e o Golpe de 1964: memória, história e historiografia. Revista Tempo, Rio de Janeiro: UFF, v.14, n. 28, p.125-145, 2009. Disponível em: http://www.historia.uff.br/tempo/site/?p=390.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Trad. Izabel Magalhães. Brasília: UnB, 2001.

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do cárcere. 2. ed. Tradução Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva; Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOONAERT, Eduardo. A Amazônia e a cobiça dos Europeus. In: ______. (Coord). História da Igreja na Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1992. p. 46-92.

KARNAL, Leandro et al. A história dos Estados Unidos: das origens ao século XXI. São Paulo: Contexto, 2007.

KARNAL, Leandro. Estados Unidos: a formação da Nação. São Paulo: Contexto, 2017.

MONIZ BANDEIRA, Luiz Alberto. A CIA e a técnica do Golpe de Estado. In: Maria Ribeiro Valle (Org.) 1964 – 2014: Golpe militar, História, Memória e Direitos Humanos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 11-26.

PEREIRA, Gabriel Terra. A diplomacia da americanização em Salvador Mendonça. São Paulo: UNESP, 2009.

PINA, Fabiana. O acordo MEC-USAID: ações e reações (1966-1968). In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA: poder, violência e exclusão, 19., 2008, São Paulo. Anais... São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.

PINA, Fabiana. O acordo MEC-USAID: ações e reações (1966-1968). 2011. 187 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, 2011. Disponível em: http://www.hdl.handle.net/11449/93369.

RIBEIRO, Ricardo Allagio. A teoria da modernização, a Aliança para o Progresso e as relações Brasil/Estados Unidos. Perspectivas, São Paulo, v. 30, p.151-175, 2006. Dossiê Cidadania cosmopolita, Democracia e Sociedade Civil global.

REZENDE, Tadeu V. de. A conquista e a ocupação da Amazônia brasileira no período colonial: definição das fronteiras. 2006. 356f. Tese (Doutorado em História) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

ROSAS, Paulo. Para compreender a educação brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TOTA, Antônio. Pedro de. O imperialismo sedutor: americanização do Brasil na época da Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Cia. das Letras, 2000.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Darllen Almeida da Silva, Norma Iracema de Barros Ferreira

Downloads

Não há dados estatísticos.