O processo de mercantilização da Educação superior no Brasil e a negação da formação humana

uma análise crítica a partir de István Mészáros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v9i00.8663773

Palavras-chave:

Trabalho, Educação superior, Mercantilização

Resumo

A mercantilização da Educação Superior constitui-se na apropriação da educação como mercadoria manipulada de acordo com seu valor de troca e a consequente acumulação de capital. Desse modo, se é possível concebê-la como um desdobramento de fatores que se originam na interface da ordem produtiva e social vigente. Esse fenômeno expressa uma concepção reducionista e precária de educação, que distorce e compromete a função social que o complexo educacional desempenha na formação humana. À luz do materialismo histórico dialético, esta pesquisa tem caráter bibliográfico e documental, com enfoque na abordagem qualitativa dos dados, a partir de livros, artigos e documentos oficiais. Os resultados mostram que o processo de mercantilização da Educação Superior no Brasil está historicamente vinculado à expansão desse nível de ensino, a partir das reformas do Estado brasileiro no campo educacional, mostrando sua posição subalterna em relação às demandas impostas pelo capital; e que o papel dos grupos empresariais do setor educacional e as políticas educacionais de financiamento e concessão de bolsas de estudo, com o objetivo de ampliar o acesso a esse nível de ensino, são dois importantes fatores que atestam a forma como vem ocorrendo hoje a mercantilização da Educação Superior. Diante disso, é urgente construir estratégias que visem a superação desse modelo de educação, de forma que o combate à educação mercantilizada pressuponha a superação do capital e de todas as demais instâncias a que ele subordina, em especial as determinações legais, as convenções políticas e o estado burguês.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Oliveira, Universidade Federal do Piauí

Mestrando em Educação pela Universidade Federal do Piauí.

Pedro Pereira dos Santos, Universidade Federal do Piauí

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Ceará. Professor Adjunto no Departamento de Fundamentos da Educação pela Universidade Federal do Piauí (Teresina, PI – Brasil).  

Referências

AMORIM, Maria Gorete Rodrigues de. Educação para o trabalho no capitalismo: o ProJovem como negação da formação humana. São Paulo: Instituto Lukács, 2018. 224 p.

BARBALHO, Maria Goretti Cabral. Educação superior: tendências e estratégias de expansão na América Latina e no Brasil. In: CABRAL NETO, Antônio et al. (Org.). Pontos e contrapontos da política educacional: uma leitura contextualizada de iniciativas governamentais. Brasília: Liber livro, 2007. p. 51-84.

BERTOLDO, Maria Edna de Lima. Trabalho e educação no Brasil: da centralidade do trabalho à centralidade da política. 2. ed. São Paulo: Instituto Lukács, 2015. 192 p.

BRASIL. Decreto nº 2.306, de 19 de agosto de 1997. Regulamenta, para o Sistema Federal de Ensino, as disposições contidas no art. 10 da Medida Provisória nº 1.477-39, de 8 de agosto de 1997, e nos arts. 16, 19, 20, 45, 46 e § 1º, 52, parágrafo único, 54 e 88 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 ago. 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2306.htm. Acesso em: 11 set. 2020.

BRASIL. Decreto nº 2.207, de 15 de abril de 1997. Regulamenta, para o Sistema Federal de Ensino, as disposições contidas nos arts. 19, 20, 45, 46 e § 1º, 52, parágrafo único, 54 e 88 da Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 abr. 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2207.htm. Acesso em: 11 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 11 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 nov. 1968. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-5540-28-novembro-1968-359201-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 11 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1961. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4024.htm. Acesso em: 11 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Superior 2018: notas estatísticas. Brasília, 2019. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2019/censo_da_educacao_superior_2018-notas_estatisticas.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.

CHAVES, Vera Lúcia Jacob. O ensino superior privado-mercantil em tempos de economia financeirizada. In: Cássio Fernando (Org.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019. p. 67-72.

COSTA, Adriana Mendonça. A mercantilização da educação superior no Brasil: crítica marxista ao PROUNI. 2011. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2003. Disponível em: http://www.repositorio.ufal.br/bitstream/riufal/2933/1/A%20mercantiliza%C3%A7%C3%A3o%20da%20educa%C3%A7%C3%A3o%20superior%20no%20Brasil%20-%20cr%C3%ADtica%20marxista%20ao%20PROUNI.pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

FREIRE, Leiliana Rebouças. O ensino superior brasileiro mercantilizando: PROUNI e FIES no contexto da crise estrutural do capital. 2015. 180 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) – Universidade Estadual do Ceará, Limoeiro do Norte, 2015. Disponível em: http://www.uece.br/maie/dmdocuments/dissertacao_leiliana_reboucas_freire.pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011. 256 p.

FREITAS, Luiz Carlos de. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018. 160 p.

LEONTIEV, A. O homem e a cultura. In: LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte, 1978. p. 261-284.

LUKÁCS, Georg. Para uma ontologia do ser social. Tradução de Sergio Lessa e revisão de Mariana Andrade. Maceió: Coletivo Veredas, 2018. 1457 p. 14 v.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013. 894 p.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução de Paulo Cesar Castanheira e Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2011. 1104 p.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. Tradução de Isa Tavares. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008. 126 p.

MINTO, Lalo Watanabe. As reformas do ensino superior no Brasil: o público e o privado em questão. Campinas: Autores Associados, 2006. 336 p.

ROSSI, Rafael. Lukács e a Educação. Maceió: Coletivo Veredas, 2018. 100 p.

SANTOS, Escolástica. Trabalho, educação e pobreza. Maceió: Coletivo Veredas, 2019. 119 p.

SAVIANI, D. Como avançar? Desafios teóricos e políticos da Pedagogia Histórico-Crítica hoje. In: PASQUALINI, J. C.; TEIXEIRA L. J.; AGUDO, M. de M. (Orgs.). Pedagogia Histórico-crítica: legado e perspectivas. Uberlândia-MG: Navegando publicações, 2018. pág-235-256.

SGUISSARDI, Valdemar. Educação superior no Brasil: democratização ou massificação mercantil? Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, n. 133, p. 867-889, out./dez., 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302015000400867&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 9 set. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015155688

SGUISSARDI, Valdemar. Modelo de expansão da educação superior. Predomínio privado/mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 105, p. 991-1022, set./dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302008000400004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 9 set. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302008000400004

SGUISSARDI, Valdemar. O impacto da mercantilização da Educação Superior no Brasil. Revista da ADUSP, São Paulo, v. 19, n. 19, p. 46-54, 2000. Disponível em: https://www.adusp.org.br/files/revistas/19/r19a09.pdf. Acesso em: 9 set. 2020.

SGUISSARDI, Valdemar. Privatização da Educação Superior no Brasil: 1995-2001. Revista de la educación superior, México, v. 31, n. 123, p. 41-66, 2002. Disponível em: http://publicaciones.anuies.mx/pdfs/revista/Revista123_S1A3ES.pdf. Acesso em: 9 set. 2020.

Publicado

2022-09-28

Como Citar

OLIVEIRA, R.; SANTOS, P. P. dos . O processo de mercantilização da Educação superior no Brasil e a negação da formação humana: uma análise crítica a partir de István Mészáros. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023046, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v9i00.8663773. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8663773. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos