Banner Portal
Modelagem computacional na perspectiva ciência, tecnologia e sociedade
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
ÁUDIO
VÍDEO

Palavras-chave

Aprendizagem por modelagem
Abordagem multidisciplinar
Conteúdo curriculares
Curso superior de tecnologia

Como Citar

BATISTA, Rodrigo Costa; GOMES, Mateus das Neves; PELISSARI, Lucas Barbosa. Modelagem computacional na perspectiva ciência, tecnologia e sociedade: cenário dos currículos dos cursos de engenharia mecânica em instituições federais. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023047, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v9i00.8665040. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8665040. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Novas tecnologias têm incentivado o debate sobre a necessidade de suas integrações no processo de ensino e aprendizagem, permitindo a formação de profissionais aptos para atender as demandas da sociedade e as exigências de um mercado de trabalho cada vez mais dinâmico. Somando-se a isto tem-se o surgimento de um novo perfil de estudantes, com a necessidade de uma educação voltada para a realidade em que estão inseridos. O presente artigo tem como objetivo analisar a presença da modelagem computacional (MC) como metodologia de aprendizagem nos currículos das graduações em engenharia mecânica em Instituições de Ensino Superior públicas federais, buscando verificar a existência de conexões e articulações com a área da Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS). Para tanto foi realizado um estudo descritivo, por meio de uma abordagem qualitativa a partir de uma pesquisa documental. Os resultados permitiram identificar que os conceitos relacionados à MC e à abordagem CTS nos currículos dos cursos de engenharia mecânica não trabalham de maneira integralizada e contínua ao longo do curso. Constatou-se que não houve relação direta entre os conceitos analisados com os desempenhos das instituições em exames de avaliação de curso. Concluiu-se que juntamente com a necessidade de reformulação e adequação dos currículos dos cursos de engenharia mecânica, existe a necessidade de implementação de novas metodologias de avaliações. Buscando uma formação onde se trabalhe de forma articulada os conceitos de MC e o enfoque CTS de forma a atender os anseios dos estudantes e as demandas do mercado atual por profissionais capacitados.

https://doi.org/10.20396/riesup.v9i00.8665040
PORTUGUÊS
ENGLISH (English)
ÁUDIO
VÍDEO

Referências

AIKENHEAD, Glein. What is STS Science Teaching? In: SOLOMON, Joan; AIKENHEAD, Glein. STS Education: International Perspectives on Reform. New York, NY: Teachers College Press, 1994. 260 p. ISBN 0807733652.

AULER, Décio. Enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade: Pressupostos para o contexto brasileiro. Ciência & Ensino, vol. 1, número especial, 2007.

BRASIL. Lei 11.982, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 30 dez. 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 24 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Cadastro Nacional de Cursos e de Instituições de Educação Superior - Cadastro e-MEC. Brasília, DF: MEC, 2019a. Disponível em: http://emec.mec.gov.br/. Acesso em: 26 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução nº 2, de 24 de abril de 2019. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. Brasília, DF: MEC, 2019b.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). Resultados dos Indicadores de Qualidade da Educação Superior 2017. Brasília, DF: INEP, 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/educacao-superior/indicadores-de-qualidade/resultados. Acesso em: 26 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). Sinopse Estatística da Educação Superior 2018. Brasília, DF: INEP, 2019c. Disponível em: http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 26 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CES 1.362/2001. Brasília, DF: MEC, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES1362.pdf. Acesso em: 26 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais nacionais dos cursos de engenharia 2010. Brasília, DF: MEC, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/referenciais.pdf. Acesso em: 23 out. 2019.

CACHAPUZ, Antônio Francisco. Perspectivas de Ensino de Ciências. In: CACHAPUZ, Antônio Francisco (Org.). Formação de Professores/Ciências. Porto, PT: Centro de Estudos de Educação em Ciências, 2000.

CAVALCANTE KOIKE et al. Mechanical engineering, computer science and art in interdisciplinary project-based learning projects. International Journal of Mechanical Engineering Education, v. 46, n. 1, p. 83-94, 2018.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. Vol. 4. São Paulo, SP: Atlas, 2002.

HEATH, Phillip. Organizing for STS teaching and learning: The doing of STS. Theory into Practice. V. 31, n. 1, 1992.

KHALIL, Renato Fares. O Uso da Tecnologia de Simulação na Prática Docente do Ensino Superior. In: XVI ENDIPE - ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 16., 2012, Campinas: Unicamp. Anais (...) Araraquara: Junqueira e Marin Editores, 2012. p. 6790-6799.

KURENNOV, Dmitry et al. Formation of IT Competences of Future Mechanical Engineers. In: ITM Web of Conferences. EDP Sciences, 2020. p. 01008.

LINSINGEN, Irlan. Perspectiva educacional CTS: aspectos de um campo em consolidação na América Latina. Ciência & Ensino, v. 1, 2007.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. Temas Básicos de Educação e Ensino. São Paulo, SP: EPU, 1986. ISBN 9788512303703.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. 5 ed. São Paulo, SP: Atlas, 2003. ISBN 20038522433976.

MORAN, José Manuel. Os novos espaços de atuação do professor com as tecnologias. Revista diálogo educacional, Curitiba, vol. 4, n. 12, 2004.

MOTYL, Barbara et al. How will change the future engineers’ skills in the industry 4.0 framework? A questionnaire survey. Procedia manufacturing, v. 11, p. 1501-1509, 2017.

OLIVEIRA, Rafael Rodrigues. A utilização da modelagem computacional no processo de ensino e aprendizagem de tópicos de física através da metodologia de módulos educacionais: uma investigação no ensino médio. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.

PLATAFORMA NILO PEÇANHA (PNP). Ano base 2018. Disponível em: http://plataformanilopecanha.mec.gov.br/. Acesso em: 26 fev. 2021.

ROEHRIG, Silmara Alessi Guebur; CAMARGO, Sérgio. Educação com enfoque CTS em documentos curriculares regionais: o caso das diretrizes curriculares de física do estado do Paraná. Ciência & Educação, Bauru, vol. 20, n. 4, 2014.

SANTOS, Widson Luiz Pereira; MORTIMER, Eduardo Fleury. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem CTS no contexto da Educação Brasileira-ensaio. Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, vol. 2, n. 2, 2002.

TWENGE, Jean Marie. iGen: Why Today's Super-Connected Kids are Growing up Less Rebellious, More Tolerant, Less Happy - and Completely Unprepared for Adulthood. New York, NY: Simon and Schuster, 2017.

YAGER, Robert. The science/technology/society movement in the United States: Its origin, evolution, and rationale. Social Education, v. 54, n. 4,1990.

ZIMAN, Jonh. The rationale of STS education is in the approach. In: SOLOMON, Joan; AIKENHEAD, Glein. STS education: International Perspectives on Reform. New York, NY: Teachers College Press, 1994. 260 p. ISBN 0807733652.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Rodrigo Costa Batista, Mateus das Neves Gomes, Lucas Barbosa Pelissari

Downloads

Não há dados estatísticos.