Metodologias ativas nas concepções de docentes do ensino superior

“um nome novo que não diz nada”?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/riesup.v9i00.8665518

Palavras-chave:

Educação superior, Metodologias ativas, Inovação pedagógica

Resumo

Este artigo explora dados produzidos em uma pesquisa cujo objetivo consistiu em caracterizar confluências e disjunções entre as concepções e práticas pedagógicas de docentes do Ensino Superior (ES) e ideias associadas às Metodologias Ativas (MA). O texto discute os achados de uma análise de conteúdo categorial de cinco entrevistas conduzidas entre outubro de 2019 e março de 2020 no âmbito de uma pesquisa de métodos mistos realizada em uma instituição de ES privada. Tomou-se, como fundamentação teórica, pesquisas focalizadas em usos de MA no ES, textos acerca da docência e da inovação no ES, bem como literatura da História da Educação e da Didática. A discussão está organizada em torno das seguintes temáticas: trajetória na profissão docente; planejamento e dinâmica na sala de aula; concepções sobre inovação; e concepções de MA. Sugere-se que, apesar de os professores declararem ter pouca familiaridade com as MA, que é, de fato, uma expressão relativamente recente, muitas das estratégias de ensino relatadas por eles são consistentes com as práticas e fundamentos teóricos dessas metodologias conforme explicitado na literatura pertinente. Assim, por um lado, reitera-se que sempre há espaço para a inovação pedagógica no sentido de adaptação a novos contextos e demandas. Por outro, sugere-se que ideias em torno de proporcionar estímulo ao protagonismo dos estudantes têm uma história mais longa e já podem ser parte integrante, ainda que tácita, do repertório de professores do ES de forma bem mais ampla do que os discursos de defesa do caráter inovador dessas metodologias parecem sugerir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselle Martins dos Santos Ferreira, Pontíficia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Pós-doutora em Educação pela Open University do Reino Unido. Professora Adjunta no Departamento de Educação da Pontíficia Universidade Católica do Rio de Janeiro. 

Gabriela Gonçalves Ozório, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

 Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Laélia Carmelita Portela Moreira, Universidade Estácio de Sá

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora e Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estácio de Sá.  

Referências

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini. Apresentação. In: BACIC, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora. Porto Alegre: Penso, 2018.

BENDER, William. Aprendizagem baseada em projetos: Educação diferenciada para o século XXI. Porto Alegre: Penso, 2015.

BUCKINGHAM, David. Foreword. In: THOMAS, Michael. (Org.) Deconstructing Digital Natives. Edição para Kindle. Nova Iorque; Abingdon: Routledge, 2011.

CAMPOS, Vanessa Therezinha Bueno. Formar ou preparar para a docência no ensino superior? Eis a questão. 2012, Anais da 35ª Reunião Anual da Anped. Disponível em: http://35reuniao.anped.org.br/images/stories/trabalhos/GT08%20Trabalhos/GT08-2528_int.pdf. Acesso em.: 02 abr. 2021.

CANÁRIO, Rui. O que é a escola? Um “olhar” sociológico. Porto: Porto Editora, 2005.

CUNHA, Maria Isabel. Inovações na educação superior: impactos na prática pedagógica e nos saberes da docência. Em aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 97- 101, 2016. Disponível em: http://rbepold.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2955. Acesso em: 02 abr. 2021.

CRUZ, Giseli Barreto da. Didática e docência no Ensino Superior. Revista Brasileria de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 98, n. 250, p. 672-689, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3vEjCNc. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.98i250.2931

DEWEY, John. Experience and Education. Nova Iorque: Touschstone, 2007.

DIESEL, Aline et al. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 268-288, fev. 2017. Disponível em: http://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/404. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.15536/thema.14.2017.268-288.404

AUTORES, 2018

AUTORES, 2018

FERREIRA, Robinalva. Metodologias ativas na formação de estudantes de uma universidade comunitária catarinense: Trançado de avanços e desafios. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7821. Acesso em: 02 abr. 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREITAS, Luiz Carlos. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01085.pdf. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014143817

GATTI, Bernadete. Questões sobre a docência universitária no Brasil. Entrevista concedida a Isabel Maria Sabino de Farias. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 141-144, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3vzw5lt. Acesso em: 02 abr. 2021.

GEMIGNANI, Elizabeth Yu Me Yut. Formação de professores e metodologias ativas de ensino-aprendizagem: ensinar para a compreensão. Fronteiras da Educação, Recife, v. 1, n. 2, 2012. Disponível em: http://www.fronteirasdaeducacao.org/index.php/fronteiras/article/view/14. Acesso em: 02 abr. 2021.

HARRES, João Batista Siqueira. et al. Constituição e prática de professores inovadores: Um estudo de caso. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc., Belo Horizonte, v. 20, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-21172018200107. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-21172018200107

ISAIA, Silvia Maria de Aguiar. Desafios à docência superior: pressupostos a considerar. In: Dilvo Ristoff e Palmira Sevegnan (Org.) Docência na Educação Superior, p. 63-84, 2006. Brasília: INEP. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/diversas/temas_da_educacao_superior/docencia_na_educacao_superior.pdf. Acesso em: 02 abr. 2021.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

MASETTO, Marcos Tarcísio. Professor universitário: um profissional da Educação na atividade docente. In: MASETTO, Marcos Tarcísio (Org.) Docência na universidade, p. 9-25. 1ª ed. Campinas: Papirus, 1998.

MASETTO, Marcos Tarcísio. Inovação na Educação Superior. Interface, Botucatu, v. 8, n. 14, p. 197-202, 2004. Disponível em: http://ref.scielo.org/p9v56n. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832004000100018

MAZUR, Eric. Peer Instruction: a revolução da aprendizagem ativa. Porto Alegre: Penso, 2015.

MENEZES-RODRIGUES, Francisco Sandro et al. Vantagens da utilização do método de aprendizagem baseada em problemas (mapb) em cursos de graduação na área da saúde. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 340-353, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11660. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14i2.11660

MESSINA, Graciela. Mudança e inovação educacional: notas para reflexão. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, n. 114, novembro de 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/n114/a10n114.pdf. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742001000300010

OLIVEIRA, Rafaela Bisacchi Coelho Corrêa. Um estudo sobre uma proposta educacional “inovadora” no contexto de reforma educacional da Rede municipal de educação do Rio de Janeiro. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) - Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/26874/26874.PDF. Acesso em: 02 abr. 2021.

PERÉ, Nancy. Apuntes para analizar la relación entre innovación, TIC y formación pedagógico-didáctica. Praxis & Saber, Tunja, v. 8, n. 16, p. 15-33, 2017. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6060418.pdf. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.19053/22160159.v8.n16.2017.6165

PISCHETOLA, Magda. Inclusão Digital e Educação: a nova cultura da sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2016.

PISCHETOLA, Magda; MIRANDA, Lyanna. Metodologias ativas, uma solução simples para um problema complexo. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 16, n. 43, p. 30-56, 2019. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/viewArticle/5822. Acesso em: 02 abr. 2021. DOI: https://doi.org/10.5935/2238-1279.20190003

PISCHETOLA, Magda et al. Tecnologias, pensamento sistêmico e os fundamentos da inovação pedagógica. Curitiba: CRV, 2019. DOI: https://doi.org/10.24824/978854443795.7

RIEDNER, Daiani Damm Tonetto. Práticas pedagógicas e tecnologias digitais no ensino superior: formação inicial de professores e inovação na UFMS. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/35475/35475.PDF. Acesso em: 02 abr. 2021.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4ª ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. Campinas: Autores Associados, 2008.

SELWYN, Neil. Distrusting Educational Technology. Edição para Kindle. Londres: Routledge, 2014. DOI: https://doi.org/10.4324/9781315886350

SELWYN, Neil. Educação e Tecnologia: questões críticas. In: FERREIRA, Giselle Martins dos Santos; ROSADO, Luiz Alexandre da Silva; CARVALHO, Jaciara de Sá. (Org) Educação e Tecnologia: abordagens críticas, p. 85-103. Rio de Janeiro: SESES, 2017. Disponível em: https://ticpe.files.wordpress.com/2017/04/ebook-ticpe-2017.pdf. Acesso em: 02 abr. 2021.

AUTORES 2018 DOI: https://doi.org/10.17771/PUCRio.TradRev.35359

TARDIFF, Maurice Lessard. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

THERRIEN, Jacques; Dias, Ana Maria Iório; LEITINHO, Meirecele Calíope. Docência Universitária. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 21-32, 2016. Disponível em: http://rbepold.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2952. Acesso em: 02 abr. 2021.

URIAS, Guilherme Muniz Pereira Chaves. Das práticas docentes tradicionais às reflexivas: os caminhos percorridos no processo de mudança metodológica nas aulas de física em uma instituição de Ensino Superior. 2017. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/150416. Acesso em: 02 abr. 2021.

VALÉRIO, Marcelo. Autonomia de professores na sala de aula invertida: uma análise sobre a profissionalidade e a racionalização da prática docente. 2018. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e para a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá. Disponível em: http://repositorio.uem.br:8080/jspui/bitstream/1/5988/1/Marcelo%20Valerio_2018.pdf. Acesso em: 02 abr. 2021.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Docência universitária na educação superior. In: Dilvo Ristoff e Palmira Sevegnan (Org.) Docência na Educação Superior, p. 85-96, 2006. Brasília: INEP. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/diversas/temas_da_educacao_superior/docencia_na_educacao_superior.pdf. Acesso em: 02 abr. 2021.

ZANON, Denise Puglia. et al. Sala de aula invertida: possibilidades e limites na docência universitária. In: EDUCERE, 2015, Curitiba: p. 11652-11660. Disponível em: https://maiza.com.br/wp-content/uploads/2017/04/Artigo-Sala-de-aula-invertida-ALTHAUS-ZANON-CANCADO-SANCHES-Puc-2015.pdf. Acesso em: 02 abr. 2021.

Publicado

2022-09-28

Como Citar

FERREIRA, G. M. dos S.; OZÓRIO, G. G.; MOREIRA, L. C. P. Metodologias ativas nas concepções de docentes do ensino superior: “um nome novo que não diz nada”? . Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023048, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v9i00.8665518. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8665518. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos