Banner Portal
Práticas inovadoras no ensino superior
PORTUGUÊS
ENGLISH
ÁUDIO

Palavras-chave

Inovação educacional
Ensino superior
Estratégias inovadoras

Como Citar

NASCIMENTO, J. R. R. .; SILVA, B. C. de A.; SILVA, M. B. do N. Práticas inovadoras no ensino superior. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, SP, v. 9, n. 00, p. e023023, 2022. DOI: 10.20396/riesup.v9i00.8669070. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/riesup/article/view/8669070. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Neste artigo, se discutem Práticas Inovadoras desenvolvidas no Ensino Superior, no âmbito de licenciaturas, nos últimos 10 anos, de acordo com publicações de artigos; a fim de identificar quais práticas docentes, realizadas no Ensino Superior, foram consideradas inovadoras. Para tal produção, o tipo de pesquisa abordada é qualitativo, de caráter exploratório. A base de dados analisada foi a Scielo (Scientific Electronic Library Online). Todos os artigos encontrados foram individualmente e previamente avaliados, para verificação da abordagem em concordância com o tema da pesquisa pensando no viés de licenciaturas. Primeiramente, foi delimitado o Brasil como o local de exploração, com a busca dos termos em português em artigos nacionais. Distinguiu-se nos artigos analisados, a inovação presente em duas categorias: inovação em recursos pedagógicos e inovação em práticas e metodologias. A inovação em recursos pedagógicos foi observada em dois artigos analisados. Em ambos, foi associada a recursos tecnológicos, como utilização de redes sociais e TICs. A inovação em práticas e metodologias de ensino foi observada nos demais artigos analisados, sendo oito a sua quantidade. Em tais artigos, foram considerados inovadoras as seguintes práticas: encontros formativos, propostas de assessoramento pedagógico, metodologia de estágio aliado à pesquisa, programa de formação interdisciplinar, aplicação prática de conceitos apreendidos em disciplina, desenvolvimento de curso online, blended learning e sala de aula invertida.

https://doi.org/10.20396/riesup.v9i00.8669070
PORTUGUÊS
ENGLISH
ÁUDIO

Referências

AUGUSTO, Thais Gimenes da Silva; AMARAL, Ivan Amorosino. A formação de professoras para o ensino de ciências nas séries iniciais: análise dos efeitos de uma proposta inovadora. Ciência & Educação, Bauru, v. 21, n. 2, p. 493-509, 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

CAMPOS, Claudinei José Gomes. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 57, n. 5, p. 611-614, out. 2004.

CUNHA, Maria Isabel. Qualidade da graduação: o lugar do assessoramento pedagógico como propulsor da inovação e do desenvolvimento profissional docente. Educar em Revista, Curitiba, n. 57, p. 17-31, jul./set. 2015.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional, formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

JUNGES, Kelen dos Santos; BEHRENS, Marilda Aparecida. Uma formação pedagógica inovadora como caminho para a construção de saberes docentes no Ensino Superior. Educar em Revista, Curitiba, n. 59, p. 211-229, jan./mar. 2016.

MASETTO, Marcos. Inovação na Educação Superior. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 8, n. 14, p. 197-202, set. 2003.

MESSINA, Graciela. Mudança e inovação educacional: notas para reflexão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 225-233, 2001.

MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: Melhoramentos. Disponível em https://michaelis.uol.com.br/. Acesso em 25 out. 2021.

OLIVEIRA, Caroline Barroncas; GONZAGA, Amarildo Menezes. Professor pesquisador - educação científica: O estágio com pesquisa na formação de professores para os anos iniciais. Ciência & Educação, Bauru, v. 18, n. 3, p. 689-702, 2012.

OLIVEIRA, Romualdo Portela. A transformação da educação em mercadoria no Brasil. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 108, p. 739-760, 2009.

PEREIRA, Danieverlin Renata Marques; CÉSAR, Danilo Rodrigues. Inovação e abertura no discurso das práticas pedagógicas. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 21, n. 2, p. 619-636, maio/jul. 2016.

PEREIRA, Elisabete; CARNEIRO, Ana Maria; GONÇALVES, Mirian Lúcia. Inovação e avaliação na cultura do ensino superior brasileiro: formação geral interdisciplinar. Avaliação, Campinas, v. 20, n. 3, p. 717-739, nov. 2015.

QUINTANILHA, Luiz Fernando. Inovação pedagógica universitária mediada pelo facebook e YouTube: uma experiência de ensino-aprendizagem direcionado a geração Z. Educar em Revista, Curitiba, n. 65, p. 249-263, jul./set. 2017.

RICOY, María Carmen; COUTO, Maria João. As boas práticas com TIC e a utilidade atribuída pelos alunos recém-integrados à universidade. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 4, p. 897-912, out./dez. 2014.

SCHUMPETER, Joseph A. Teoria do desenvolvimento econômico: um estudo sobre lucro empresarial, capital, crédito, juro e ciclo da conjuntura. Fundação Calouste Gulbenkian, 2012.

SILVA, David José de Andrade. Formação de professores de língua para a autonomia: o buraco é mais embaixo. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, n. 52, v. 1, p. 73-92, jan/jun 2013.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação Superior no Século XXI: Visão e Ação, 1998.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, ed. esp., n. 4, p. 79-97, 2014.

ZIMRING, Fred. Carl Rogers. Recife: Editora Massangana, 2010.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista Internacional de Educação Superior

Downloads

Não há dados estatísticos.