Consumo de carotenoides no Brasil: a contribuição da alimentação fora do domicílio

  • Rodrigo Dantas Amancio Universidade de São Paulo
  • Marina Vieira da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Substâncias bioativas. Ingestão fora do domicílio. Consumo alimentar.

Resumo

Carotenoides são substâncias bioativas e há evidencias que seu consumo exerce impacto positivo sobre a saúde. O objetivo deste trabalho foi analisar a ingestão (total) de carotenoides pela população brasileira com destaque para o consumo fora do domicílio, de acordo com sexo, situação do domicílio e regiões. Utilizou-se como base de dados informações da Pesquisa de Orçamentos Familiares (2008-2009), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), envolvendo 34.003 indivíduos com idade acima de 10 anos. Um banco de dados foi construído para cálculo das médias de carotenoides presentes na dieta (total e fora do domicílio), adotando-se as informações do Nutrient Database for Standard Reference Release 23 – USDA e da Tabela Brasileira de Composição de Carotenoides em Alimentos. O consumo médio per capita foi de 4.117,0 μg/dia para carotenoides totais e 2.337,9 μg/dia para os pró-vitamínicos A. Os maiores consumidores de carotenoides (total; pró-vitamínico) foram as mulheres (4.245,8 μg/dia; 2.458,9 μg/dia), os moradores do meio urbano (4.143,2 μg/dia; 2.364,2 μg/dia) e habitantes da Região Sul (4.987,6 μg/dia; 2.948,9 μg/dia). Constatou-se que a contribuição fora do domicílio representou até ¼ da ingestão total. Os níveis de ingestão revelaram-se muito inferiores aos preconizados como seguros. Medidas de incentivo ao consumo de alimentos carotenogênicos são necessárias, especialmente com vistas à prevenção de doenças crônicas não transmissíveis e no combate à hipovitaminose A.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Dantas Amancio, Universidade de São Paulo
Mestre em Ciências. Área de concentração: Ciência e Tecnologia de Alimentos. Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ), Universidade de São Paulo (USP). Av. Pádua Dias, 11, CEP 13418-900, Piracicaba, SP.
Marina Vieira da Silva, Universidade de São Paulo
Professora Doutora do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, ESALQ/USP.

Referências

Rodriguez-Amaya DB, Kimura M, Amaya-Farfan J. Fontes brasileiras de carotenoides: tabela brasileira de composição de carotenoides em alimentos. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Floresta; 2008.

Institute of Medicine. Dietary reference intakes for vitamin C, vitamin E, selenium, and carotenoids: Food and Nutrition Board. Washington: National Academy Press; 2000.

Padovani MR, Amaya-Farfan J. Procurement of β-carotene, lycopene, lutein and zeaxanthin in households of Brazil’s urban áreas. Seg Alim Nutr. 2006;13(1):49-63.

Ambrósio CLB, Campos FACS, Faro ZP. Carotenoides como alternativa contra a hipovitaminose A. Rev Nutr. 2006;19(2):233-43.

Ramalho RA. Hipovitaminose A. In: Taddei JA, Lang RMF, Silva GL, Tolo MHA (Org.). Nutrição em saúde pública. São Paulo: Rubio; 2011. p. 211-20.

Giovannucci E. A review of epidemiologic studies of tomatoes, lycopene and prostate cancer. Exp Biol Med. 2002;227(10):852-59.

Landrum JT, Bone RA. Lutein, zeaxanthin, and the macular pigment. Arch Biochem Biophys. 2001;385(1):28-40.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cartografia: área territorial oficial. IBGE [artigo eletrônico] 2012 [acesso em 16 ago 2012]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/default_territ_area.shtm

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Coelho AB, Aguiar DRD, Fernandes EA. Padrão de consumo de alimentos no Brasil. Rev Econ Sociol Rural. 2009;47(2):335-62.

Caroba DCR. Disponibilidade de energia e nutrientes e participação dos grupos de alimentos no valor energético total, nos domicílios urbanos e rurais das regiões nordeste e sudeste do Brasil [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2007. 182 p.

Rao AV, Shen H. Effect of low dose lycopene intake on lycopene bioavaliability and oxidative stress. Nutr Res. 2002;22(10):1125-31.

United States Department of Agriculture. National nutrient data base for standard reference release 23, 2010 [cited 2012 Feb 12]. Available from: http://www.nal.usda.gov/fnic/foodcomp/search

Mondini L. Frutas, verduras e legumes (FLV): uma comunicação sobre os níveis de consumo da população urbana brasileira. Informações Econômicas. 2010;40(2):36-41.

Bezerra IN, Sichieri R. Características e gastos com alimentação fora do domicílio no Brasil. Rev Saúde Públ. 2010;44(2):221-29.

Gaino NM, Amancio RD, Oetterer M, Silva MV. Disponibilidade domiciliar de alimentos industrializados no Brasil. Higiene Alimentar. 2012;26(206/207):55-63.

Morato PN, Silva MV. Micronutrientes com função antioxidante e compostos disponíveis nos domicílios das famílias brasileiras. Nutrire. 2008;33(1):43-59.

Gaino NM. Estado nutricional e disponibilidade de nutrientes e carotenoides para a população brasileira [dissertação]. Piracicaba: Universidade de São Paulo; 2012. 136 p.

Veloso IS, Santana VS. Impacto nutricional do programa de alimentação do trabalhador no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2002;11(1):24-31.

Enes CC, Silva MV. A alimentação das famílias do Centro-Oeste brasileiro: subsídios para ações de segurança alimentar e Nutricional. Seg Alim Nutr. 2008;15(2):46-57.

Caroba DCR, Philippi ST, Silva MV. Participação dos grupos de alimentos no Valor Energético Total, nos domicílios rurais e urbanos das Regiões Nordeste e Sudeste do Brasil. Seg Alim Nutr. 2008;15(2):16-31.

Levy RB, Claro RM, Mondini L, Sichieri R, Monteiro CA. Distribuição regional e socioeconômica da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil em 2008-2009. Rev Saúde Públ. 2012;46(1):6-15.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev Saúde Públ. 2005;39(4):530-40.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas regionais do Brasil 2005-2009. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2011.

Bermudez OI, Tucker KL. Trends in dietary patterns of Latin American populations. Cad Saúde Pública. 2003;19(Suppl. 1):587-99.

Publicado
2012-02-11
Como Citar
Amancio, R. D., & Silva, M. V. da. (2012). Consumo de carotenoides no Brasil: a contribuição da alimentação fora do domicílio. Segurança Alimentar E Nutricional, 19(2), 130-141. https://doi.org/10.20396/san.v19i2.8634616
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>