Contribuição da alimentação fora do domicílio para a ingestão de nutrientes antioxidantes no Brasil

Autores

  • Luciane Zabine de Oliveira Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Camila Tureck Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Eloá Angélica Koehnlein Universidade Federal da Fronteira Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v25i1.8643093

Palavras-chave:

consumo alimentar, alimentação fora do domicílio, antioxidantes, vitaminas, minerais.

Resumo

O objetivo deste estudo consistiu em avaliar a contribuição da alimentação fora do domicílio para a ingestão de nutrientes antioxidantes da população brasileira. Para isso foram utilizados os dados do Inquérito Nacional de Alimentação (INA) da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF 2008-2009), e para a quantificação do ingestão de nutrientes antioxidantes foram utilizadas tabelas de composição de alimentos nacionais e internacionais. Verificou-se que a ingestão de nutrientes antioxidantes foi significativamente maior no domicilio do que fora deste. Ao analisar a ingestão de vitaminas e minerais fora do domicílio, verificou-se que este foi maior entre os homens, mais frequente na população urbana e mais comum entre os adultos. A região nordeste foi a que apresentou menor ingestão. Em relação aos grupos alimentares que mais contribuíram para a ingestão de nutrientes antioxidantes fora do domicílio, destacaram-se àqueles já conhecidos como boas fontes dos mesmos. Concluiu-se que a participação das refeições realizadas fora do domicílio para a ingestão de nutrientes antioxidantes foi baixa (10%), mas evidenciou-se a contribuição positiva das frutas, legumes e verduras, bem como carnes e ovos, leguminosas e cereais. Destaca-se que devido ao crescimento das refeições realizadas fora do domicilio é fundamental o fortalecimento de ações de educação alimentar e nutricional para contribuir para a segurança alimentar e nutricional da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Zabine de Oliveira, Universidade Federal da Fronteira Sul

Nutricionista, Especialista em Segurança Alimentar e Nutrição pela Universidade Federal da Fronteira Sul

Camila Tureck, Universidade Federal da Fronteira Sul

Nutricionista pela Universidade Federal da Fronteira Sul

Eloá Angélica Koehnlein, Universidade Federal da Fronteira Sul

Docente do Curso de Nutrição

Referências

Batista Filho M, Souza AI, Miglioli TC, Santos MC. Anemia e obesidade: um paradoxo da transição nutricional brasileira. Cad. Saúde Pública 2008; 24 (supl 2): s247-57.

Campos KR. Movimento slowfood: uma crítica ao estilo de vida fastfood. [monografia]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2004. 40 p.

França FCO, Mendes ACR, Andrade LS, Ribeiro GS, Pinheiro IB. Mudanças dos hábitos alimentares provocados pela industrialização e o impacto sobre a saúde do brasileiro. In: I Seminário de Alimentação e Cultura na Bahia, 2012, Bahia.

Leal, D. Crescimento da alimentação fora do domicílio. Segurança Alimentar e Nutricional 2010; 17 (1): 123-32.

Sanches M, Salay E. Alimentação fora do domicílio de consumidores do município de Campinas, São Paulo. Rev. Nutr. 2011; 24 (2): 295-304.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro; 2011.

Catania AS, Barros CR, Ferreira SR. Vitaminas e minerais com propriedades antioxidantes e risco cardiometabólico: controvérsias e perspectivas. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. 2009; 53 (5): 550-9.

Gottlieb MGV, Morassutti AL, Cruz IBM. Transição epidemiológica, estresse oxidativo e doenças crônicas não transmissíveis sob uma perspectiva evolutiva. Sciencia Medica 2011, 21 (2): 69-80.

Barreiros ALBS, David JM, David JP. Estresse oxidativo: relação entre geração de espécies reativas e defesa do organismo. Quim. Nova 2006; 29 (1): 113-23.

Ambrósio CLB, Campos FACS, Faro ZP. Carotenóides como alternativa contra a hipovitaminose A. Rev. Nutr. 2006; 19, (2): 233-43.

Boni A, Pugliese C, Cláudio CC, Patin RV, Oliveira FLC. Vitaminas antioxidantes e prevenção da arteriosclerose na infância. Rev. Paul. Pediatr. 2010; 28 (4): 373-80.

Gordon MH. Significance of Dietary Antioxidants for Health. Int. J. Mol. Sci. 2012; 13 (1): 173-9.

Honarbakhsh S, Schachter M. Vitamin sand cardiovascular disease. Br. J. Nutr. 2009; 101 (8): 1113-31.

Mahan LK, Escott-Stump SF. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 12ª ed. Rio de Janeiro: Florescer; 2010.

Wannamethee SG, Lowe GD, Rumley A, Bruckdorfer KR, Whincup PH. Associations of vitamin C status, fruit and vegetable intakes, and markers of inflammation and hemostasis. American Journal of Clinical Nutrition 2006; 83 (3): 567-74.

Aranha FQ, Barros ZF, Moura LSA, Gonçalves MCR, Barros JC, Metri JC, et al. O papel da Vitamina C sobre as alterações orgânicas no idoso. Rev. Nutr. 2000; 13 (2): 89-97.

Mafra D, Cozzolino SMF. Importância do zinco na nutrição humana. Rev. Nutr. 2004, 17 (1): 79-87.

Volp ACP, Bressan J, Hermsdorff HHM, Zulet MA, Martinez JA. Efeitos antioxidantes do selênio e seu elo com a inflamação e síndrome metabólica. Rev. Nutr. 2010; 23 (4): 581-90.

Tureck C, Gesser Correa V, Peralta RM, Koehnlein EA.

Estimativa do consumo de vitaminas e minerais antioxidantes da dieta brasileira. Nutr. Clín. Diet. Hosp. 2013; 33 (3): 30-8.

Nepa-Unicamp. Tabela brasileira de composição de alimentos: TACO. 4ª ed. Campinas: Nepa-Unicamp, 2011.

Philippi ST. Tabela de Composição de Alimentos: suporte para decisão nutricional. 3ª ed. Barueri: Manole; 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: tabelas de composição nutricional dos alimentos consumidos no Brasil. Rio de Janeiro; 2011.

U.S. Department of Agriculture, Agricultural Research Service. USDA Nutrient Database for Standard Reference, Release 26 online. Nutrient Data Laboratory Home Page, <http://ndb.nal.usda.gov/ndb/search/list>.

Hoffmann F. Comparando a alimentação dentro e fora do domicílio, no Brasil, em 2008-2009. Segurança Alimentar e Nutricional 2013, 20 (1): 1-12.

Almeida IC, Guimarães GF, Rezende DC. Hábitos alimentares da população idosa: padrões de compra e consumo. Gestão Contemporânea 2010; 7 (8): 63-92.

Amancio RD, Silva MV. Consumo de carotenoides no Brasil: a contribuição da alimentação fora do domicílio. Segurança Alimentar e Nutricional 2012; 19 (2): 130-141.

Bezerra IN, Sichieri R. Características e gastos com alimentação fora do domicílio no Brasil. Rev Saude Publica. 2010; 44 (2): 221-9.

Neves PJ, Koifman RJ, Mattos IE. Mortalidade por câncer de cólon e reto e consumo alimentar em capitais brasileiras selecionadas. Rev. Bras. Epidemiol. 2006; 9 (1): 112-20.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev. Saúde Públ. 2005; 39 (4): 530-40.

Levy RB, Claro RM, Mondini L, Sichieri R, Monteiro CA. Distribuição regional e socioeconômica da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil em 2008-2009. Rev. Saúde Públ. 2012, 46 (1): 6-15.

Duarte FM, Almeida SDS, Martins KA. Alimentação fora do domicílio de universitários de alguns cursos da área da saúde de uma instituição privada. O mundo da Saúde 2013; 37 (3): 288-98.

Geraldo APG, Bandoni DH, Jaime PC. Aspectos dietéticos das refeições oferecidas por empresas participantes do Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo, Brasil. Rev. Panam. Salud. Publica. 2008; 23 (1): 19–25.

Silva MMDC, Gregório EL. Avaliação da composição nutricional dos cardápios da alimentação escolar das escolas da rede municipal de Taquaraçu de Minas – MG. HU Revista 2012; 37 (3): 387-94.

Flávio EF, Piccolo B, Cirillo MA, Ribeiro AH. Avaliação da alimentação escolar oferecida aos alunos do ensino fundamental das escolas municipais de Lavras, MG. Ciênc. Agrotec. 2008; 32 (6): 1879-87.

Downloads

Publicado

2018-04-26

Como Citar

1.
Oliveira LZ de, Tureck C, Koehnlein EA. Contribuição da alimentação fora do domicílio para a ingestão de nutrientes antioxidantes no Brasil. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 26º de abril de 2018 [citado 18º de outubro de 2021];25(1):46-5. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8643093

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional