Excesso de peso, fatores socioeconômicos e dietéticos em assentamentos rurais.

Autores

  • Raquel Simões Mendes-Netto Universidade Federal de Sergipe
  • Jamylle Araújo Almeida Universidade Federal de Sergipe
  • José Valter Costa Oliveira Universidade Federal de Sergipe
  • Lucas Oliveira do Amorim Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Danielle Góes da Silva Universidade Federal de Sergipe
  • Amaury da Silva dos Santos Embrapa Tabuleiros Costeiros. http://orcid.org/0000-0001-6356-1866

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v25i1.8650000

Palavras-chave:

Sobrepeso. Segurança alimentar e nutricional. Transição nutricional.

Resumo

Sabendo-se que os fatores socioeconômicos são importantes determinantes do excesso de peso, bem como são escassos estudos em comunidades de assentamentos rurais, este estudo objetivou avaliar a associação dos fatores socioeconômicos e dietéticos com o excesso de peso em 179 famílias de quatro assentamentos rurais no estado de Sergipe. Foram realizadas entrevistas para obtenção de dados socioeconômicos, bem como, avaliações antropométrica e dietética. Analisou-se a associação destas variáveis com a ocorrência do sobrepeso nos chefes de família, por meio de regressão logística multivariada. Observou-se que a escolaridade,o consumo inadequado de feijão e a presença no domicílio outro morador (de menor idade) com sobrepeso associaram-se com maiores chances de excesso de peso entre os chefes de famílias. A situação do excesso de peso nos assentamentos evidencia o processo de transição nutricional, e revela associações com a melhoria da condição socioeeconomica e piora do consumo dietético. É necessário maior estreitamento do contato entre populações assentadas e serviços de atenção básica, educação em saúde e educação alimentar, partindo do pressuposto que tal público enfrenta dificuldades estruturais e sociais desde o início da luta e ocupação da terra até a posse de seu lote para produção agropecuária e sua segurança alimentar e nutricional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Simões Mendes-Netto, Universidade Federal de Sergipe

Professora Adjunta da UniversidadeFederal de Sergipe. Departamento de Nutrição.

Jamylle Araújo Almeida, Universidade Federal de Sergipe

Mestranda em Ciências da Nutrição na Universidade Federal de Sergipe.

José Valter Costa Oliveira, Universidade Federal de Sergipe

Mestrando em Ciências da Saúde na Universidade Federal de Sergipe.

Lucas Oliveira do Amorim, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Danielle Góes da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Professora Adjunta da Universidade Federal de Sergipe. Departamento de Nutrição.

Amaury da Silva dos Santos, Embrapa Tabuleiros Costeiros.

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, mestrado em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e doutorado em Produção Vegetal pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Foi pesquisador científico do Instituto Biológico, localizado em Campinas, SP de julho de 1998 a novembro de 2006. Atualmente é pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros em Aracaju, na área de Agroecologia, tendo como principal linha de ação o desenvolvimento de pesquisas participativas com agricultores familiares com enfoque no manejo sustentável da agrobiodiversidade. Desenvolve atividades com sementes crioulas no estado da Paraíba, conhecidas por Sementes da Paixão. Também desenvolve pesquisas participativas em comunidades e assentamentos de reforma agrária, tendo como perspectiva a construção do conhecimento agroecológico, por meio da sistematização de experiências agroecológicas, do intercâmbio de experiências agroecológicas entre agricultores e técnicos e a realização de pesquisas participativas, que atualmente se localizam nos estados de Sergipe, Bahia, Alagoas e Paraíba.

Referências

WHO MEDIA CENTRE. Obesity and overweight. WHO, 2015. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs311/en/#. Acesso em: 23 dez. 2014.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009– POF. Rio de Janeiro, 2010.

Food and Agriculture Organization of the United Nations. The developing world’s new burden: obesity. The nutrition transition and obesity. Disponível em: http://www.fao.org/focus/e/obesity/obes2.htm. Acesso em: 25 dez. 2014.

Velásquez-Meléndez G, Gazzinelli A, Corrêa-Oliveira R, Pimenta AM, Kac G. Prevalence of metabolic syndrome in a rural area of Brazil. Medical Journal. 2007;125(3):155-162.

Hamacek FR, Nobre LN. Caracterização do estado nutricional, condições socioeconômicas e alimentares de uma comunidade rural no Alto Vale do Jequitinhonha – MG. Comunicação em Ciências da Saúde. 2009;20(1):45-54.

Lino MZR, Muniz PT, Siqueira KS. Prevalência e fatores associados ao excesso de peso em adultos: inquérito populacional em Rio Branco, Acre, Brasil, 2007-2008. Cadernos de Saúde Pública.2011;27(4):197-810.

Brasil. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Painel dos assentamentos. Disponível em: http://painel.incra.gov.br/sistemas/index.php. Acesso em: 29 dez. 2014.

Lopes ESA. Da colonização dirigida na Amazônia à reforma agrária no nordeste: (origem, trajetórias e perspectivas de colonos e assentados). São Cristóvão: Editora UFS; 2013.

Scopinho RA. Condições de vida e saúde do trabalhador em assentamento rural. Ciência e Saúde Coletiva.2010 Jun;15( Sup. 1): 1575-1584.

Vieria DAS et al. Características socioeconômicas e estado nutricional de crianças e adolescentes de assentamentos rurais de Pacatuba, Sergipe. Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição = Journal of the Brazilian Society for Food and Nutrition. 2011;36(1):49-69.

Fietz VR, Salay E, Watanabe EA. Condições socioeconômicas, demográficas e estado nutricional de adultos e idosos moradores em assentamento rural em Mato Grosso do Sul, MS. Segurança Alimentar e Nutricional. 2010;17(1):73-82.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável.Brasília: Ministério da Saúde; 2008

WHO. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. Geneve: WHO; 2007.

WHO. Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Reportof a WHO consultation on obesity. Geneve: WHO; 1998.

WHO. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Technical Report Series854. Geneve: WHO; 1995.

Lopez RP, BR. Álbum fotográfico de porções alimentares. São Paulo: Metha; 2008.

Sales RL, Costa NMB, Silva MMS. Avaliando o consumo alimentar por fotos. [CD-ROM]. Viçosa: UFV; 2004.

Vitolo MR. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro: Editora Rubio; 2008.

Zabotto CB, Vianna RPT. Registro fotográfico para inquéritos dietéticos: Utensílios e Porções. Goiânia: UFG; 1996.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e Nutricional – Sisvan. Antropometria: como Pesar e Medir. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Philippi ST et al. Pirâmide alimentar adaptada: guia para escolha dos alimentos. Revista de Nutrição. 1999;12(1):65-80.

Padovani RM et al. Dietary reference intakes: aplicabilidade das tabelas em estudos nutricionais. Revista de Nutrição. 2006;19(6):741-760.

Ferreira, HSet al. Estado nutricional de crianças menores de dez anos residentes em invasão do “Movimento dos Sem-Terra”, Porto Calvo, Alagoas. Cadernos de Saúde Pública. 1997;13(1):137-139.

Veiga GV, Burlandy L. Indicadores sócio-econômicos, demográficos e estado nutricional de crianças e adolescentes residentes em um assentamento rural do Rio de Janeiro. Caderno de Saúde Pública. 2001;17(6): 1465-1472.

Barros MS et al. Excesso de peso entre adolescentes em zona rural e a alimentação escolar oferecida. Cadernos de Saúde Coletiva. 2013;21(2):201-208.

Nunes HMB et al. Diferenças entre os hábitos alimentares associados ao excesso de peso de crianças e adolescentes da zona rural e urbana do município de Santa Cruz do Sul – RS. Cinergis. 2014;15(1): 30-33.

Barbosa JM et al. Fatores socioeconômicos associados ao excesso de peso em população de baixa renda do Nordeste brasileiro. Archivos Latinoamericanos de Nutricion. 2009;59(1):22-29

Pinho CPS et al. Excesso de peso em adultos do Estado de Pernambuco, Brasil: magnitude e fatores associados. Caderno de Saúde Pública. 2011;27(12):2340-2350.

Silva VS et al. Prevalência e fatores associados ao excesso de peso em adultos do brasil: um estudo de base populacional em todo território nacional. Revista Brasileira de Ciências do Esportes. 2012;34(3):713-726.

Souza-Esquerdo VF et al. Segurança Alimentar e Nutricional e qualidade de vida em assentamentos rurais. Revista de Segurança Alimentar e Nutricional. 2013;20(1): 12-23.

Silva SA, Santos PNS, Moura EC. Associação entre excesso de peso e consumo de feijão em adultos. Revista de Nutrição. 2010; 23(2): 239-250.

Leão ALM, Santos LC. Consumo de micronutrientes e excesso de peso: existe relação?.Revista Brasileira de Epidemiologia. 2012; 15(1): 85-95.

Romero CEM, Zanesco A. O papel dos hormônios leptina e grelina na gênese da obesidade. Revista de Nutrição. 2006; 19(1): 85-91.

Carvalheira JBC, Zecchin HG,Saad MJA. Vias de Sinalização da Insulina. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. 2002;46(4):419-425.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013– PNS. Rio de Janeiro; 2014.

Brasil. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Gestão de Comunicação Institucional. Clipping. Governador soma esforços para combater efeitos da seca em Sergipe. Disponível em: http://www.inpe.br/noticias/namidia/img/clip23052012_05.pdf. Acesso em: 19 de mar. 2015.

Brasil. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Gestão de Comunicação Institucional. Clipping. Pior seca dos últimos 30 anos vai deixar Nordeste sem chuva pelo menos até junho. Disponível em: http://www.inpe.br/noticias/namidia/img/clip20032013_08.pdf. Acesso em: 19 de mar. 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Obesidade/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Soares D. “Sonho de Rose”: políticas de saúde pública em assentamentos rurais.Revista Saúde e Sociedade. 2006;15(3):57-73.

Filho JPA, Ribeiro H. Saúde ambiental no campo: o caso dos projetos de desenvolvimento sustentável em assentamentos rurais do Estado de São Paulo. Revista Saúde e Sociedade. 2014;23(2):448-466.

Downloads

Publicado

2018-04-26

Como Citar

1.
Mendes-Netto RS, Almeida JA, Oliveira JVC, Amorim LO do, Silva DG da, Santos A da S dos. Excesso de peso, fatores socioeconômicos e dietéticos em assentamentos rurais. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 26º de abril de 2018 [citado 20º de outubro de 2021];25(1):1-12. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8650000

Edição

Seção

Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)