Adequação nutricional de cardápios do almoço de uma empresa do ramo hoteleiro inscrita no Programa de Alimentação do Trabalhador

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8659942

Palavras-chave:

Planejamento de cardápio, Programas e políticas de nutrição e alimentação, Serviços de alimentação

Resumo

Objetivou-se avaliar a adequação nutricional de cardápios do almoço de uma empresa do ramo hoteleiro inscrita no Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) aos parâmetros nutricionais estabelecidos pela legislação do programa. Estudo descritivo, realizado em 2019, a partir da análise dos cardápios cíclicos de sete dias do almoço servidos aos funcionários de uma empresa hoteleira cadastrada no PAT, situada em Maceió, Alagoas. Calculou-se a composição nutricional da refeição por meio da Tabela Brasileira de Composição de Alimentos, utilizando-se os ingredientes e os valores per capita descritos nas fichas técnicas de preparo da empresa. Compararam-se os valores obtidos aos parâmetros nutricionais estabelecidos na Portaria Interministerial nº 66/2006. Os dados foram tabulados e analisados no Epi-Info 6.04. O valor energético dos cardápios variou entre 726,4 kcal e 1196,2 kcal. Houve inadequação de proteínas, fibras e NdPCal% aos parâmetros nutricionais e 100% de adequação do percentual de gorduras saturadas. Constatou-se a oferta diária de frutas, legumes e verduras em todos os cardápios. Considerando que os parâmetros propostos visam à promoção da saúde do trabalhador, torna-se necessário que a empresa adeque os cardápios ofertados, principalmente no que diz respeito a proteínas e fibras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Merten Padilha, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Nutrição. Professora no curso de Nutrição.

Thaysa Barbosa Cavalcante Brandão, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Serviço social. Professora no curso de Nutrição.

Fernanda Regina Amorim Albuquerque, Universidade Federal de Alagoas

Nutricionista

Marília Ferreira Lima, Universidade Federal de Alagoas

Nutricionista

Raissa Milena Silva Freitas, Universidade Federal de Alagoas

Nutricionista. Mestranda em Nutrição.

Referências

Brasil. Portaria Interministerial no 66, de 25 de agosto de 2006. Altera os parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT. Diário Oficial da União: Brasília; 2006.

Brasil. Ministério do Trabalho e do Emprego. Portaria n°3, de 1° de março de 2002. Baixa instruções sobre a execução do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT. Diário Oficial da União: Brasília; 2002.

Souza EB. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cadernos UniFOA. 2017; 5(13): 49-53.

Borjes LC, Lima JS. Programa de Alimentação do Trabalhador: avaliando o conhecimento por parte dos gestores administrativos e técnicos. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2014; 9(1):107-119.

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação - Universidade Estadual de Campinas (NEPA- UNICAMP). Tabela brasileira de composição de alimentos (TACO). 4 ed rev e ampl. Campinas: NEPA- UNICAMP; 2011. 161p.

Carneiro NS, Moura CMA, Souza SCC. Avaliação do almoço servido em uma unidade de alimentação e nutrição, segundo os critérios do programa de alimentação do trabalhador. Alimentos e Nutrição Araraquara. 2013; 24(3): 361-365.

Lagemann MD, Fassina P. Avaliação da composição nutricional de refeições oferecidas em uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Caderno Pedagógico. 2015: 12(1): 36–45.

Paula CLC, Dias JCR. Avaliação do consumo alimentar e perfil nutricional de colaboradores atendidos por uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN). Revista Ciências Nutricionais Online. 2017: 1(1): 11-20.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2019-2020. Clannad Editora Científica: São Paulo. 2019. 491p.

Rocha MP, Matias ACG, Spinelli MGN, Abreu ES. Adequação dos cardápios de uma unidade de alimentação em relação ao programa de alimentação do trabalhador. Revista Univap. 2014; 20 (35): 112-118.

Oro GL, Hautrive TP. Avaliação do cardápio do almoço oferecido à trabalhadores atendidos pelo Programa de Alimentação do Trabalhador. e-Scientia. 2015; 8(1): 1–7.

Oliveira CS, Alves FS. Educação nutricional em unidade de alimentação e nutrição, direcionada para consumo de pratos proteicos: um estudo de caso. Alimentos e Nutrição. 2008; 19 (4): 435-440.

Faludi AA, Izar MCO, Saraiva JFK, Chacra APM, Bianco HT, Afiune Neto A, et al. Atualização da Diretriz Brasileira De Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose – 2017. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2017; 109(1): 1-92.

Duarte MSL, Conceição LL, Castro LCV, Souza, ECG. Qualidade do almoço de trabalhadores segundo o Programa de Alimentação dos Trabalhadores e o Índice de Qualidade da Refeição. Segurança Alimentar e Nutricional. 2015; 22(1):654-661.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. 156 p.

Louzada MLC, Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Levy RB, Claro RM, et al. Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil. Revista de Saúde Pública. 2015; 49(38): 1-11.

Bernaud FSR, Rodrigues TC. Fibra alimentar: ingestão adequada e efeitos sobre a saúde do metabolismo. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. 2013; 57 (6): 397-405.

Machado WM, Capelari SM. Avaliação da eficácia e do grau de adesão ao uso prolongado de fibra dietética no tratamento da constipação intestinal funcional. Revista de Nutrição. 2010; 23 (2): 231-238.

Malta DC, Machado IE, Pate A, Pereira CA, Jaime PC, Szwarcwald CL , et al. Estimativa do consumo de sal pela população brasileira: resultado da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2019; 22 (suppl 2): 1-14.

Downloads

Publicado

2021-11-22

Como Citar

PADILHA, B. M.; BRANDÃO, T. B. C.; ALBUQUERQUE, F. R. A.; LIMA, M. F.; FREITAS, R. M. S. Adequação nutricional de cardápios do almoço de uma empresa do ramo hoteleiro inscrita no Programa de Alimentação do Trabalhador. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 28, n. 00, p. e021029, 2021. DOI: 10.20396/san.v28i00.8659942. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8659942. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)