Levantamento de aditivos alimentares em produtos alimentícios voltados para o público infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8659994

Palavras-chave:

Aditivos Alimentares, Alimentos infantis, Rotulagem de alimentos, Crianças

Resumo

O consumo de alimentos ultraprocessados pode ser especialmente prejudicial na infância, uma vez que as crianças são consideradas mais vulneráveis aos efeitos dos aditivos alimentares. Objetivou-se avaliar, de acordo com a informação presente nos rótulos, os tipos de aditivos alimentares presentes em alimentos destinados ao público infantil. Trata-se de estudo transversal, descritivo, no qual se compilou os tipos de aditivos presentes na lista de ingredientes de oito categorias (bebidas com sabor de frutas, bebidas lácteas, biscoitos recheados, bolos, cereais matinais, gelatinas, salgadinhos de milho e iogurtes) de produtos com apelo infantil (n= 409) coletados em supermercados de Belo Horizonte–MG, durante segundo semestre de 2018. Apenas 19 (4,6%) produtos não possuíam algum tipo de aditivo. As categorias dos bolos (8,3±2,1) e das gelatinas (8,3±1,2) apresentaram maior média de aditivos e a categoria dos cereais matinais, menor (2,2±1,6). Os aditivos alimentares mais encontrados foram: aromatizantes (79%; n=323), corantes (56%; n=229) e emulsificantes (36%; n=148). Conclui-se que os alimentos voltados ao público infantil possuem, em sua maioria, pelo menos um tipo de aditivo alimentar. Foram encontradas majoritariamente as classes dos aromatizantes, corantes e emulsificantes nos produtos avaliados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiza Vargas Mascarenhas Braga, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em Nutrição pela Universidade Federal de Minas Gerais

Alessandro Rangel Carolino Sales Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Estudante de Doutorado em Ciência de Alimentos pela Universidade Federal de Minas Gerais e professor assistente no Centro Universitário Newton Paiva.

Lucilene Rezende Anastácio, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto e professora adjunta do Departamento de Alimentos da Faculdade de Farmácia da UFMG.

Referências

Monteiro CA, Moubarac JC, Cannon G, Ng SW, Popkin B. Ultra-processed products are becoming dominant in the global food system. Obes Rev. 2013;14(S2):21–8.

Monteiro CA, Laura M. diet quality, and health using the NOVA classification system Prepared by. 2019.

Codex Alimentarius, FAO (Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura), OMS (Organización Mundial de la Salud). Norma General del Codex para los Aditivos Alimentarios. 2018;507. Available from: http://www.fao.org/gsfaonline/docs/CXS_192s.pdf

BRASIL. Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde. 2014. 158 p.

Rodrigues VM, Rayner M, Fernandes AC, De Oliveira RC, Da Costa Proença RP, Fiates GMR. Comparison of the nutritional content of products, with and without nutrient claims, targeted at children in Brazil. Br J Nutr. 2016;115(11):2047–56.

Hinnig P de F, Bergamaschi DP. Itens alimentares no consumo alimentar de crianças de 7 a 10 anos. Rev Bras Epidemiol [Internet]. 2012;15(2):324–34. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2012000200010&lng=pt&tlng=pt

FERREIRA F de S. Aditivos Alimentares E Suas Reações Adversas No Consumo Infantil. Rev Da Univ Val Do Rio Verde [Internet]. 2015;397–407. Available from: http://periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/1845

Ferreira JSG, Silva Y Da, Moraes OMG de, Tancredi RP. Marketing de alimentos industrializados destinados ao público infantil na perspectiva da rotulagem. Vigilância Sanitária em Debate. 2015;0(0):75–84.

Lima M, Ares G, Deliza R. How do front of pack nutrition labels affect healthfulness perception of foods targeted at children? Insights from Brazilian children and parents. Food Qual Prefer. 2018;64:111–9.

Polônio MLT, Peres F. Consumo De Corantes Artificiais Por Pré-Escolares De Um Município Da Baixada Fluminense, Rj Consumo. 2012;4(1):2748–57.

MAPA. Resolução RDC no 5, de 15 de janeiro de 2007. Ministério da Agric Pecuária e Abast. 2007;2007:ANEXO.

King S, King H. Brasil. Resolução - CNNPA no 38 de 1977. 1977;7. 1977;(1):541–59.

Albuquerque MV, dos Santos SA, Cerqueira N, da Silva JA. Educação Alimentar: Uma Proposta de Redução do Consumo de Aditivos Alimentares. Soc Bras Química [Internet]. 2012;34(02):51–7. Available from: http://qnint.sbq.org.br/qni/visualizarTema.php?idTema=59

Bissacotti AP, Angst CA, Saccol AL de F. Implicações dos aditivos químicos na saúde do consumidor. Ciências da Saúde, St Maria [Internet]. 2015;16(1):43–59. Available from: https://www.periodicos.unifra.br/index.php/disciplinarumS/article/viewFile/1108/1050

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar: 2015 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. 2016. 132 p.

Effects of long-term administration of aspartame on biochemical indices lipid profile and redox status of cellular system of male rats.

Sasaki YF, Kawaguchi S, Kamaya A, Ohshita M, Kabasawa K, Iwama K, et al. The comet assay with 8 mouse organs: Results with 39 currently used food additives. Mutat Res - Genet Toxicol Environ Mutagen. 2002;519(1–2):103–19.

Schnabel L, Kesse-Guyot E, Allès B, Touvier M, Srour B, Hercberg S, et al. Association between Ultraprocessed Food Consumption and Risk of Mortality among Middle-aged Adults in France. JAMA Intern Med. 2019;179(4):490–8.

Polônio MLT, Peres F. Consumo de aditivos alimentares e efeitos à saúde: desafios para a saúde pública brasileira. Cad Saude Publica [Internet]. 2009;25(8):1653–66. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009000800002&lng=pt&tlng=pt

Downloads

Publicado

2021-03-26

Como Citar

1.
Braga LVM, Silva ARCS, Anastácio LR. Levantamento de aditivos alimentares em produtos alimentícios voltados para o público infantil. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 26º de março de 2021 [citado 20º de outubro de 2021];28(00):e021013. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8659994

Edição

Seção

Comunicação