Segurança alimentar e nutricional em um assentamento de reforma agrária do estado do Sergipe na metade final da estação da seca

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v29i00.8661351

Palavras-chave:

Segurança alimentar e nutricional, Assentamentos rurais, Consumo de Alimentos

Resumo

Assentamentos rurais são espaços de redistribuição de terra promotores da agricultura em regime familiar, potencializando o acesso a alimentos. No entanto, estudos recentes apontam para níveis mais elevados de insegurança alimentar no campo. Diante disso, nosso objetivo foi diagnosticar a situação de segurança alimentar e nutricional de assentados de reforma agrária de Sergipe, Brasil. Utilizamos a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar e levantamos dados socioeconômicos, ambientais, produtivos e antropométricos de 110 pessoas que eram referência no seu domicílio, na metade final da estação seca. Observamos prevalência de 36,4% de excesso de peso e insegurança alimentar em 67,3% dos domicílios. Quanto à produção de alimentos, observamos 84,8% de lavouras usando insumos químicos e 77,3% de quintais com produção orgânica. Concluímos que assentados de reforma agrária na metade final da estação seca apresentam insegurança alimentar e nutricional pela coexistência de desvios nutricionais, falta de regularidade no acesso a alimentos saudáveis e seguros, além de condições socioambientais precárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gildson Alex Amaro dos Santos, Universidade Federal de Sergipe

Bacharel em Nutrição pela Universidade Federal de Sergipe.

Danielle Góes da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Doutorado em Nutriçãoro pela Universidade Federal de São Paulo. Professora Associada da Universidade Federal de Sergipe.

Adriana Correia dos Santos, Universidade Federal de Sergipe

Mestre em Ciências da Nutrição pela Universidade Federal de Sergipe.

Sílvia Maria Voci, Universidade Federal de Sergipe

Doutorado em Nutrição em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. Docente do Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

Brasil P da RepúblicaCCivilS de AJ. Decreto no 55.891, de 31 de março de 1965. Regulamenta o Capítulo I do Título I e a Seção III do Capítulo IV do Título II da Lei no 4.504, de 30 de novembro de 1964 - Estatuto da Terra. Brasília; 1965.

Fernandes FN, Azevedo NJD de. Objetivos e resultados da reforma agrária no brasil. estudo de caso do assentamento canudos em Goiás. Revista de Desenvolvimento Econômico. 2014;16(30).

Girardi EP, Fernandes BM. A luta pela terra e a política de assentamentos rurais no Brasil: a reforma agrária conservadora. Agrária. 2008;0(8):73–98. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1808-1150.v0i8p73-98

Neto R. A questão agrária capelense e as políticas públicas direcionadas ao campo. Encontro Nacional de Geografia Agrária. 2016;13.

Busato MA, Gallina LS, Quadros DC, Lavratti E, Teo CRPA. Segurança alimentar e nutricional e as condições do ambiente em assentamento rural de Santa Catarina. Revista Alimentos e Nutrição. 2011;22(4):555–9.

Silva EM, Cereda MP. Segurança alimentar, saúde, educação e lazer como fatores de base para desenvolvimento rural de um assentamento do Mato Grosso. Interações. 2014;15(2):275–84. DOI: https://doi.org/10.1590/S1518-70122014000200007

Souza-Esquerdo VF, Bergamasco SMPP, Oliveira JTA, Oliveira ÉS. Segurança alimentar e nutricional e qualidade de vida em assentamentos rurais. Segurança Alimentar e Nutricional. 2013;20(1):13–23. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v20i1.8634619

Brasil. Presidência da República. Secretaria Geral. Subchefia de Assuntos Jurídicos. Decreto no 10.880, de 2 de dezembro de 2021. Regulamenta o Programa Alimenta Brasil, instituído pela Medida Provisória no 1.061, de 9 de agosto de 2021. Diário Oficial da União Brasília; Dec 3, 2021 p. 1–3.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia de Assuntos Jurídicos. Lei no11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica; altera as Leis nos 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, 11.507, de 20 de julho de 2007; revoga dispositivos da Medida Provisória no 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, e a Lei no 8.913, de 12 de julho de 1994; e dá outras providências. Diário Oficial da União Brasília; Jun 17, 2009 p. 2–4.

Brasil P da RepúblicaCCivilS de AJ. Lei no 11.947, de 16 de junho de 2009. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional -SISAN com vistas em assegurar o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável e dá outras providências. Diário Oficial da União Brasília; Sep 15, 2006 p. 1–2.

Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar. II Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da COVID-19 no Brasil. Rede PENSSAN. Fundação Friedrich Ebert. São Paulo: Fundação Friedrich Ebert: Rede PENSSAN; 2022.

Bezerra TA, Olinda RA de, Pedraza DF. Insegurança alimentar no Brasil segundo diferentes cenários sociodemográficos. Ciência & Saúde Coletiva. 2017;22(2):637–51. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017222.19952015

BRASIL. Ministério do Planejamento O e GestãoIB de G e E. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD): segurança alimentar 2013 [Internet]. Ibge. 2014. 134 p. Available from: BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Facchini LA, Nunes BP, Motta JV dos S, Tomasi E, Silva SM, Thumé E, et al. Insegurança alimentar no nordeste e sul do Brasil: magnitude, fatores associados e padrões de renda per capita para redução das iniquidades. Cadernos de Saúde Pública. 2014;30(1):161–74. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00036013

Ferreira H da S, Souza MEDCA de, Moura FA, Horta BL. Prevalência e fatores associados à Insegurança Alimentar e Nutricional em famílias dos municípios do norte de Alagoas, Brasil, 2010. Ciência e Saúde Coletiva. 2014;19(5):1533–42. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232014195.06122013

Trivellato PT, Morais DDC, Priore SE. Insegurança alimentar e nutricional em famílias do meio rural brasileiro: revisão sistemática. 2013;865–74. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018243.05352017

Brasil. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Painel de assentados [Internet]. 2018. Available from: http://painel.incra.gov.br/sistemas/index.php

Gabriel T. Dinâmica recente e configuração espacial da cana-de-açúcar em Sergipe. In: Editora UFS, editor. Diferentes dimensões do desenvolvimento rural em Sergipe: Aspectos teóricos e dinâmica produtiva. São Cristóvão; 2014.

Brasil. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Consulta Pública de Beneficiários do Programa Nacional de Reforma Agrária [Internet]. 2018. Available from: http://saladacidadania.incra.gov.br/Beneficiario/ConsultaPublica

Segall-Corrêa AM, Marin-Leon L. A segurança alimentar no Brasil: proposição e usos da escala brasileira de medida da insegurança alimentar (EBIA) de 2003 a 2009. Segurança Alimentar e Nutricional. 2009;16(2):1–19. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v16i2.8634782

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Estudo Técnico n.o 01/2014 Escala Brasileira de Insegurança Alimentar-EBIA: Análise psicométrica de uma dimensão da Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília; 2014.

Brasil M da SaúdeS de A à SaúdeD de ABásica. Orientações para avaliação de marcadores de consumo alimentar na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. 33 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 76 p.

BRASIL M do DS e C à FomeS de A e G da I. Pesquisa de avaliação da situação de segurança alimentar e nutricional de famílias inscritas no cadastro único com crianças menores de cinco anos de idade, residentes no semiárido. 2014.

BRASIL M do DS e C à FomeS de A e G da I. Chamada nutricional em crianças menores de cinco anos em situação de vulnerabilidade social no semiárido e assentamentos rurais do Nordeste. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. 2006;

Fundação E da C de AI à UFFluminenseN de PSAI e PP da UFF. Pesquisa de Avaliação da Situação de Segurança Alimentar e Nutricional em Comunidades Quilombolas Tituladas. Fundação. 2013;

Silva TC. Percepção De Agricultores Do Agreste Brasileiro Sobre Os Efeitos Da Cisterna Calçadão Em Suas Vidas. 2018;

Fietz VR, Salay E, Watanabe EAMT. Condições socioeconômicas, demográficas e estado nutricional de adultos e idosos moradores em assentamento rural em Mato Grosso do Sul, MS. Segurança Alimentar e Nutricional. 2010;17(1):73–82. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v17i1.8634801

Mendes-Netto RS, Almeida JA, Oliveira JVC, Amorim LO do, Silva DG da, Santos A da S dos. Excesso de peso, fatores socioeconômicos e dietéticos em assentamentos rurais. Segurança Alimentar e Nutricional. 2018 Apr 26;25(1):1–12. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v25i1.8650000

Almeida JA, Santos AS, Nascimento MA de O, Oliveira JVC, Silva DG da, Mendes-Netto RS. Fatores associados ao risco de insegurança alimentar e nutricional em famílias de assentamentos rurais. Ciência & Saúde Coletiva. 2017;22(2):479–88. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017222.27102015

BRASIL M do PO e GestãoIB de G e EstatísticaD de PesquisasC de P e IS. Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. 2014. 214 p.

Moreira FG, Schlindwein MM. Sucessão da gestão na agricultura familiar: um estudo de caso no assentamento Santa Olga no município de Nova Andradina em Mato Grosso do Sul Santa Olga in Nova Andradina in Mato Grosso do Sul. Revista Nera. 2015;(29):151–73. DOI: https://doi.org/10.47946/rnera.v0i29.3207

Santos AD dos, Lima ACR, Santos MB, Alves JAB, Góes MA de O, Nunes MAP, et al. Spatial analysis for the identification of risk areas for schistosomiasis mansoni in the state of Sergipe, Brazil, 2005-2014. Rev Soc Bras Med Trop. 2016;49(5):608–15. DOI: https://doi.org/10.1590/0037-8682-0137-2016

BRASIL M da SaúdeFOCruzIRR. Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose mansoni e Geo-helmintoses. 2018. 90 p.

Lima KKS DE, Lopes PFM. A qualidade sócioambiental em assentamentos rurais do Rio Grande do Norte, Brasil. Ciencia Rural. 2012;42(12):2295–300. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-84782012005000144

Carneiro MGR, Camurça AM, Esmeraldo GGSL, Sousa NR de. Quintais Produtivos: contribuição à segurança alimentar e ao desenvolvimento sustentável local na perspectiva da agricultura familiar (O caso do Assentamento Alegre, município de Quixeramobim/CE). Revista Brasileira De Agroecologia. 2013;8(2):135–47.

Dutra RMS, Souza MMO de. Impactos negativos do uso de agrotóxicos à saúde humana. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2017;6(24):5–9.

Souza FP de, Castilho TPR. Uso de Sistemas Agroflorestais para o controle biológico natural em propriedades rurais. Scientific Electronic Archives. 2022 Jun 30;15(7). DOI: https://doi.org/10.36560/15720221566

Miranda Scheuer J, Seabra Botti N, Alves da Silva Neves SM. Análise sócio-produtiva os assentamentos em Cáceres, Mato Grosso: políticas públicas para o desenvolvimento territorial. Revista Geográfica Acadêmica. 2015;9(2):141. DOI: https://doi.org/10.18227/1678-7226rga.v9i2.3033

BRASIL M da SaúdeS de A à SaúdeD de AB. Guia alimentar para a população brasileira. 2014. 156 p.

BRASIL M do PO e GestãoIB de G e EstatísticaD de PesquisasC de T e R. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: Clicos da vida: Brasil e Grandes Regiões. IBGE. Rio de Janeiro; 2015. 92 p.

Nascimento LS do, Dias RM, Dutra, Cláudia Daniele Tavares Silva LMC da, Pedrosa LN, Araújo JS, Frazão A das GF. Fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis e variáveis sociodemográficas de servidores públicos. Revista Brasileira em promoção da Saúde. 2015;28(1):230–9. DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p230

Esquenazi D, Silva SB da, Guimarães MA. Aspectos fisiopatológicos do envelhecimento humano e quedas em idosos. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2014;13(2):11–20. DOI: https://doi.org/10.12957/rhupe.2014.10124

Grisa C, Gazolla M, Schneider S. A “produção invisível” na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicas de desenvolvimento rural. Agroalimentaria. 2010;16(31):65–79.

Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Tem veneno nesse pacote: o duplo perigo dos ultraprocessados. 2021.

Morais D de C, Dutra LV, Franceschini S do CC, Priore SE. Insegurança alimentar e indicadores antropométricos, dietéticos e sociais em estudos brasileiros: Uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva. 2014;19(5):1475–88. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232014195.13012013

Downloads

Publicado

2022-11-10

Como Citar

SANTOS, G. A. A. dos; SILVA, D. G. da .; SANTOS, A. C. dos .; VOCI, S. M. . Segurança alimentar e nutricional em um assentamento de reforma agrária do estado do Sergipe na metade final da estação da seca. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e022015, 2022. DOI: 10.20396/san.v29i00.8661351. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8661351. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)