Quimiometria na classificação de leite cru refrigerado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8661832

Palavras-chave:

Qualidade do leite, Análise de Componentes Principais, Parâmetros físico-químicos

Resumo

Objetivou-se avaliar as correlações entre os parâmetros de qualidade do leite cru refrigerado produzido em diferentes unidades produtoras através da análise de componentes principais (PCA). Foram consideradas as seguintes variáveis: acidez, crioscopia, densidade, teor de gordura, extrato seco total (EST), extrato seco desengordurado (ESD), pH, contagem de células somáticas (CCS), contagem de bactérias totais (CBT) e teste de redução do azul de metileno (TRAM). Foi observado que as amostras se agruparam em cinco diferentes grupos: (I) não teve influência de nenhum vetor, (II) correlacionados com os parâmetros de CCS e CBT, possivelmente por apresentarem maiores contagens, sinalizando que possuem padrão de qualidade inferior em comparação com as demais amostras, o grupo (III) sofreu maior influência dos parâmetros de ESD, acidez, densidade e TRAM, enquanto o grupo (IV) foi discriminado majoritariamente pelos vetores de EST e gordura, indicando que as amostras exibem maior teor desses parâmetros e são oriundas de leite de boa qualidade, o grupo (V) foi caracterizado por uma correlação negativa com os vetores de EST, gordura, crioscopia e pH, evidenciando que essas amostras possuem um padrão de qualidade inferior. A partir da análise de PCA, as amostras foram agrupadas de acordo com a similaridade, permitindo constatar que os vetores que mais contribuíram para a discriminação das diferentes amostras de leite foram os valores de CCS e CBT.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Calionara Waleska Barbosa de Melo, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial, Centro de Ciências Humanas Sociais e Agrárias.

Igor Henrique de Lima Costa, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Engenharia de Alimentos, Centro de Tecnologia.

Gessica da Silva Macedo, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial, Centro de Ciências Humanas Sociais e Agrárias.

Roberta Barbosa de Meneses, Instituto Federal de Alagoas

Professor Doutor em Ciência de Alimentos, Departamento de Gestão Agropecuária.

Referências

Dias V, et al. Métodos oficiais empregados para autenticidade, controle da qualidade e detecção de fraudes em leite cru refrigerado no Brasil. Brazilian Journal of Development. 2020; 6:7129-7137.

Andrade K, et al. Qualidade do leite bovino nas diferentes estações do ano no estado do Rio Grande do Norte. Revista Brasileira de Ciência Veterinária. 2014; 21:213-216.

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto nº 9.013, 29 de março de 2017. Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2017 jun 01; 3.

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 76, de 26 de novembro de 2018. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado e o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado Tipo A. Diário Oficial da União. 2018 nov 30; 01.

Alves MP, Dantas TNP, Gusmão TAS. Avaliação da qualidade de leite produzido no município de Caturité. Revista Brasileira de Gestão Ambiental. 2020; 14:17-27.

Neves R, et al. Avaliação sazonal e temporal da qualidade do leite cru goiano tendo como parâmetros a contagem celular somática e a contagem bacteriana total. Archives of Veterinary Science. 2019; 24:10-23.

Queiroz R, et al. Contagem bacteriana total do leite cru refrigerado em função do período do ano. PUBVET. 2019; 13:1-5.

Gonçalves R, et al. Microbiological, cellular, physical and chemical characteristics of refrigerated raw milk in Aparecida do Taboado-MS. Brazilian Journal of Development. 2020; 6:7290-7300.

Leite A, Mendonça M, Mendonça K, Franque M. Causas de não recebimento do leite cru refrigerado em usina de beneficiamento do Agreste Meridional de Pernambuco. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes. 2019; 74:86-95.

Strani L, et al. Milk renneting: Study of process factor influences by FT-NIR spectroscopy and chemometrics. Food and Bioprocess Technology. 2019; 12:954-963.

Ferreira M. Quimiometria: Conceitos, métodos e aplicações. Campinas: UNICAMP; 2015.

Brereton R. Chemometrics: data analysis for the laboratory and chemical plant. Chichester: John Wiley & Sons Ltd; 2003.

Silva J, et al. Rapadura de caldo de cana pura e com adição de açúcar refinado: Análise físico-química e classificação por espectroscopia NIRR e quimiometria. Revista Virtual de Química. 2019; 11:1318-1329.

Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. São Paulo: IMESP; 2008.

Behmer M. Tecnologia do leite: Produção, industrialização e análise. São Paulo: Nobel; 1976.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Instrução Normativa nº. 62, de 26 de agosto de 2003. Métodos analíticos oficiais para análises microbiológicas para controle de produtos de origem animal e água. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 18 set. 2003.

Viana B, et al. (2010). Avaliação da eficiência do Somaticell® para o diagnóstico da contagem indireta de células somáticas no leite de búfalas. Revista de Ciências Agrárias Amazonian Journal of Agricultural and Environmental Sciences. 2010; 53: 24-30.

Bastos L, et al. Conformity of refrigerated raw milk from family production units of southern Espírito Santo. Ciência Animal Brasileira. 2018; 19:1-13.

Belli C, et al. Qualidade do leite cru refrigerado obtido em unidades produtoras no sudoeste do Paraná. Revista de Ciências Agroveterinárias. 2016; 16:109-120.

Angicano M, Braga A, Aroeira L, Rangel A, Silva M. Cattle milk quality in the Semiarid region of Rio Grande do Norte, Brazil. Semina: Ciências Agrárias. 2015; 36:2809-2818.

Calderón A, García F, Martínez G. Indicadores de calidad de leches crudas en diferentes regiones de Colombia. Revista MVZ Córdoba. 2006; 11:725-737.

González G, Sánchez B, Vázquez R. Calidad de la leche cruda. Primer Foro Sobre Ganadería Lechera de la Zona Alta de Vera cruz. 2010; 10.

Tronco V. Manual para inspeção de qualidade do leite. Santa Maria: UFSM; 2010.

VARGAS, DPD. et al. Correlações entre contagem de células somáticas e parâmetros físico-químicos e microbiológicos de qualidade do leite. Ciência Animal Brasileira. 2014; 15:473-483.

Mareze J, et al. Detecção de adulterações do leite pasteurizado por meio de provas oficiais. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. 2015; 36:283-290.

Oliveira K, Kobori C, Ubaldo J. Evaluation of physical-chemical quality, labeling and occurrence of adulterations in UHT milk samples. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes. 2019; 74:195-206.

Santos M, Fonseca L. Estratégias para controle de mastite e melhoria da qualidade do leite. Barueri: Manole; 2007.

Damodaran S, Parkin K. Química de alimentos de Fennema. Porto Alegre: Artmed; 2019.

Paula F, Cardoso C, Rangel M. Análise físico-química do leite cru refrigerado proveniente das propriedades leiteiras da região sul fluminense. Revista Eletrônica TECCEN. 2010; 3:7-17.

Eckstein I, et al. Qualidade do leite e sua correlação com técnicas de manejo de ordenha. Scientia Agraria Paranaensis. 2014; 13:143-151.

de Mendonça C, et al. Qualidade Fisico-Química de Amostras de Leite Cru comercializadas Informalmente no Norte do Paraná. Journal of Health Sciences. 2009; 11:4.

Van Schaik G, Lotem G, Schukken Y. Trends in somatic cell counts, bacterial counts, and antibiotic residue violations in New York State during. Journal Dairy Science. 2002; 85:782-789.

Quintão L, et al. Evolution and factors influencing somatic cell count in raw milk from farms in Viçosa, state of Minas Gerais. Acta Scientiarium: Animal Sciences. 2017; 39:393-399.

Sharma N, Singh N, Bhadwal M. Relationship of somatic cell count and mastitis: An overview. Asian-Australasian Journal of Animal Sciences. 2011; 24:429-438.

Oliveira A, et al. Qualidade microbiológica de doces de leite comercializados no Sul de Minas Gerais. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes. 2012; 67:11-14.

Lampugnani C, et al. Qualidade do leite cru refrigerado e características da produção leiteira na mesorregião oeste paranaense, Brasil. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes. 2018; 73:19-26.

Downloads

Publicado

2021-04-14

Como Citar

1.
Melo CWB de, Costa IH de L, Macedo G da S, Meneses RB de. Quimiometria na classificação de leite cru refrigerado. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 14º de abril de 2021 [citado 20º de setembro de 2021];28(00):e021020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8661832

Edição

Seção

Artigos Originais