Banner Portal
Insegurança Alimentar no Brasil após crise, sua evolução de 2004 a 2017-2018 e comparação com a variação da pobreza
PDF

Palavras-chave

Segurança alimentar
Pobreza
Renda
Modelos de lógite

Como Citar

HOFFMANN, Rodolfo. Insegurança Alimentar no Brasil após crise, sua evolução de 2004 a 2017-2018 e comparação com a variação da pobreza. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 28, n. 00, p. e021014, 2021. DOI: 10.20396/san.v28i00.8663556. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8663556. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

Dados para aplicação da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar foram coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em complementos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios em 2004, 2009 e 2013. Com a divulgação dos dados obtidos na Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018, os pesquisadores passam a dispor de uma série de quatro anos de dados sobre o tema provenientes de amostras representativas do que ocorre em todo o país. A insegurança alimentar diminuiu de 2004-2013, mas cresceu em 2017-2018. Os dados indicam que a insegurança alimentar grave em 2017-2018 é maior que em 2013, mas fica abaixo do valor observado em 2009. Mas a insegurança alimentar de qualquer grau em 2017-2018 supera até mesmo o valor observado em 2004. Analisando dados por Unidade da Federação mostra-se a forte associação da insegurança alimentar com a distribuição da renda e particularmente com medidas de pobreza. Verifica-se, com dados da PNAD, que o nível de pobreza caiu de 2003 a 2014 e, embora tenha subido de 2014 a 2017-2018, nestes anos fica substancialmente abaixo do valor observado em 2004. Argumenta-se, então, que o grande crescimento da insegurança alimentar leve de 2013 a 2017-2018 se deve, em parte, ao caráter parcialmente subjetivo da EBIA. Em outra seção do artigo, os microdados da POF 2017-2018 são utilizados para verificar os principais determinantes da probabilidade de insegurança alimentar nos domicílios. Comprovou-se que o aumento da renda e da escolaridade são instrumentos básicos para reduzir a IA e que rendas estáveis tem efeito benéfico adicional.

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8663556
PDF

Referências

IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise da segurança alimentar no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE – Coordenação de Trabalho e Rendimento; 2020.

Hoffmann R. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil: análise dos dados da PNAD de 2004. Segur. Aliment. Nutr. 2008; 15(1):49-61.

Hoffmann R. Determinantes da insegurança alimentar no Brasil em 2004 e 2009. Segur. Aliment. Nutr. 2013; 20(2):219-235.

Hoffmann R. Brasil, 2013: mais segurança alimentar. Segur. Aliment. Nutr. 2014; 21(2):422-438.

Hoffmann R. Distribuição da renda domiciliar per capita no Brasil, 2012 a 2019 e 1995 a 2015. Texto para Discussão n. 59 do IEPE/Casa das Garças. 2020 mai.

Hoffmann R. Desigualdade de renda no Brasil, 1995 a 2019: diversas distribuições e o impacto do desemprego. Revista Brasileira de Economia Social e do Trabalho. 2020; 2:1-27.

IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE – Coordenação de Trabalho e Rendimento; 2020.

Hoffmann R, Vaz DV. Mensurando a desigualdade no Brasil: evidências a partir da renda e dos gastos das famílias. Texto para Discussão n. 63 do IEPE/Casa das Garças. 2020 jun.

IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE – Coordenação de Trabalho e Rendimento; 2019.

Vaz DV, Hoffmann R. Elasticidade-renda e concentração das despesas com alimentos no Brasil: uma análise dos dados das POF de 2002-2003, 2008-2009 e 2017-20178. Revista de Economia. 2020; 41(75):282-310.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Segurança Alimentar e Nutricional

Downloads

Não há dados estatísticos.