Iniquidades e promoção pública de ambientes alimentares saudáveis na cidade de Curitiba, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8663749

Palavras-chave:

Segurança Alimentar e Nutricional, Abastecimento de alimentos, Política nutricional, Estado nutricional, Meio ambiente e saúde pública

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a distribuição espacial dos equipamentos de disponibilidade de frutas e hortaliças (FH) no município de Curitiba à luz do princípio da equidade, tendo por base pesquisa ecológica nas 10 regionais do município. Para tanto foram considerados o perfil econômico, a densidade de equipamentos públicos que comercializam FH e a correlação desses indicadores com o estado nutricional de adultos residentes na área estudada. Os resultados das análises revelam que as regionais mais pobres apresentaram maior prevalência de adultos acima do peso e menor densidade de equipamentos públicos que comercializam FH. Portanto, há uma negligência ao princípio da equidade, tendo em vista o comportamento mercadológico na distribuição dos equipamentos públicos beneficiando em maior proporção aqueles já privilegiados pelo sistema alimentar neoliberal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Ferreira de Paula, Universidade Federal do Paraná

Docente do curso de graduação em nutrição da UFPR. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas.

Nilson Maciel de Paula, Universidade Federal do Paraná

Professor sênior do Programa de Pós Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Paraná.

Roberto Eduardo Bueno, Universidade Federal do Paraná

Professor do Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas da UFPR. Doutor e Pós-doutor em Saúde Coletiva.

Referências

The Lancet. Comissão sobre Obesidade. A Sindemia Global da Obesidade, Desnutrição e Mudanças Climáticas. Alimentando Políticas. Org. Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) [Internet.] 2019 [acesso em 2020 nov 20]. Disponível em: https://alimentandopoliticas.org.br/wp-content/uploads/2019/08/idec-the_lancet-sumario_executivo-baixa.pdf

Daufenback V, Coelho DEP, Bógus CM. Sistemas alimentares e violações ao direito humano à alimentação adequada: reflexões sobre a pandemia de Covid-19 no Brasil. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 2021 [acesso em 2021 mar 6]; 28:1-13. Disponível em: file:///Users/Michel/Downloads/8661745-Texto%20do%20artigo-95112-1-10-20210304.pdf

Fortes MF, Borges CA, Miranda WC, Jaime PC. Mapeando as desigualdades socioeconômicas na distribuição do comércio varejista local. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 2018 [acesso em 2020 nov 20];25(3):45-58. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8651966/18736

Swinburn BA, Sacks G, Hall KD, McPherson K, Fine good DT, Moodie ML. The global obesity pandemic: shaped by global drivers and local environments. The Lancet [Internet]. 2011 [acesso em 2020 nov 20];378:804-814. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(11)60813-1/fulltext

Otero G, Pechlaner P, Gürcan EC. The Neoliberal Diet: Fattening Profit and People. The Routledge Handbook of Poverty in the United States. Edited Haymes SN; Haymes MV; Miller RJ. 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2018 [Internet]. Brasília; 2019. [acesso em 2020 nov 20]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/julho/25/vigitel-brasil-2018.pdf

Brasil. Decreto no 7272, de 25 de agosto de 2010. Regulamenta a Lei no 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas a assegurar o direito humano à alimentação adequada, institui a Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – PNSAN, estabelece os parâmetros para a elaboração do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2010 ago 28.

Organização Panamericana de Saúde (OPAS) e Organização Mundial de Saúde (OMS). Alimentos y bebidas ultraprocesados en América Latina: tendencias, efecto sobre la obesidad e implicaciones para las políticas públicas [Internet]. Washington D.C: OPAS/OMS; 2015 [acesso em 2020 nov 20]. Disponível em: http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/7698/9789275318645_esp.pdf

Louzada ML. Consumption of ultra-processed foods and obesity in Brazilian adolescents and adults. Prev Med Dec [Internet]. 2015 [acesso em 2020 nov 20];81:9-15. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26231112

Ohri-Vachaspati P, Leviton LC. Measuring Food Environments: A Guide to Available Instruments. Am J Health Promot [Internet]. 2010 [acesso em 2020 nov 20];24(6):410-426. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20594098

Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e Serviços de Saúde [Internet]. 2003 [acesso em 2020 mai 06];12(4):189-201. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v12n4/v12n4a03.pdf

Curitiba. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC). Nossa Curitiba. Perfil Físico-Territorial e Socioeconômico da Cidade de Curitiba; 2015.

Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. [Internet]. 2020 [acesso em 2020 nov 29]. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/consulta/planilha

Curitiba. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. Mapa das administrações regionais do município de Curitiba. IPPUC [Internet]. 2020 [acesso em 2020 nov 29]. Disponível em: http://www.ippuc.org.br/mapas/351.html

Castro Junior PCP. Ambiente alimentar comunitário medido e percebido: descrição e associação com Índice de Massa Corporal de adultos brasileiros [tese]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2018.

Oliveira D. Curitiba e o mito da cidade modelo. Curitiba: Editora da UFPR; 2000.

Carvalho AS, Sugai MI. A produção da cidade segregada: o caso de Curitiba. Segundo Simpósio de Estudos Urbanos: a dinâmica das cidades e a produção do espaço. Eixo temático: Produção do Espaço Urbano [Internet]. 2013 [acesso em 2020 nov 29]. Disponível em: http://www.fecilcam.br/anais/ii_seurb/documentos/carvalho-andre-de-souza.pdf

Guthman J. Weighing. In: Obesity, Food Justice, and the Limits of Capitalism. Berkeley: California University Press; 2011.

Devaux M, Sassi F, Church J, Cecchini M, Borgonovi, F. Exploring the Relationship Between Education and Obesity. OECD Journal: Economic Studies [Internet]. 2011 [acesso em 2020 nov 29];1. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1787/eco_studies-2011-5kg5825v1k23

Pessoa MC, Mendes LL, Caiaffa WT, Malta DC, Velásquez-Meléndez G. Availability of food stores and consumption of fruit, legumes and vegetables in a Brazilian urban area. Nutr Hosp [Internet]. 2015 [acesso em 2020 nov 29];31(3):1438-1443. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25726245

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira [Internet]. Brasília; 2014 [acesso em 2020 nov 29]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro; 2020 [acesso em 2020 nov 29]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101704.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional de Saúde. Microdados. Informações sobre estilos de vida. Alimentação: Brasil, grandes regiões e unidades de federação. Rio de Janeiro; IBGE; 2019.

Swinburn B, Egger G, Raza F. Dissecting obesogenic environments: the development and application of a framework for identifying and prioritizing environmental interventions for obesity. Prev Med. 1999;29:563–570.

Beaulac J, Kristjansson E, Cummins S. A systematic review of food deserts, 1966-2007. Prev Chronic Dis. 2009;6(3):A105.

First International Conference on Health Promotion, Ottawa, 21 November 1986. Ottawa Charter. Ottawa: WHO; 1986.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. 1990 set 19.

Brasil. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN) com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2006 set 18.

Rawls J. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes; 1997.

Harvey D. A brief history of neoliberalismo. Oxford University Press: Inglaterra; 2005. Tradução Editora Loyola: São Paulo; 2008.

Friedmann H, McMichael P. Agriculture and the state system: rise and decline of national agricultures, 1870 to the present. Sociologia Ruralis. 1989;XXIX.

Freeman A. Fast Food: Oppression Through Poor Nutrition. Calif. L. Rev. [Internet]. 2007 [acesso em 2020 nov 29];95(6). Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/228246708_Fast_Food_Oppression_Through_Poor_Nutrition/link/5633ca9b08aeb786b7013b76/download

Organización Panamericana de La Salud – OPS. Organización Mundial de La Salud – OMS. Alimentos y bebidas ultraprocesados en América Latina: ventas, fuentes, perfiles de nutrientes e implicaciones. Washington, DC: OPS/OMS; 2019.

Downloads

Publicado

2021-09-22

Como Citar

1.
Paula NF de, Paula NM de, Bueno RE. Iniquidades e promoção pública de ambientes alimentares saudáveis na cidade de Curitiba, Brasil. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 22º de setembro de 2021 [citado 28º de novembro de 2021];28(00):e021027. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8663749

Edição

Seção

Artigos Originais