Condições de vida e saúde no meio rural

lacunas da insegurança alimentar entre agricultores familiares de um município de Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8665224

Palavras-chave:

Segurança alimentar e nutricional, Agricultura, Saúde da população rural, Vulnerabilidade social

Resumo

Este artigo tem como objetivo avaliar a situação de insegurança alimentar dos agricultores familiares de um município do Estado de Minas Gerais e seus fatores associados. Realizou-se estudo transversal com 63 agricultores familiares. A insegurança alimentar foi avaliada pela Escala Brasileira de Insegurança Alimentar. Foram coletadas informações sobre as características socioeconômicas e demográficas, perfil de atividade agropecuária, condições de saúde e consumo alimentar. Realizou-se regressão de Poisson com variância robusta para identificar as associações. A prevalência de insegurança alimentar foi de 28,6%. Agricultores familiares com escolaridade entre 5 e 8 anos de estudo (Razão de Prevalência [RP] = 1,37; Intervalo de Confiança de 95% [IC95%]: 1,09–1,71) e beneficiários do Programa Bolsa Família (RP = 1,40; IC95%: 1,16–1,69) tiveram maior prevalência de insegurança alimentar. Os indivíduos que possuíam renda mensal da atividade agropecuária maior que meio salário mínimo (RP = 0,85; IC95%: 0,74–0,98) apresentaram menor prevalência de insegurança alimentar. Portanto, verificou-se alta prevalência de insegurança alimentar entre os agricultores familiares, que foi associada à escolaridade, benefício do Bolsa Família e renda mensal da atividade agropecuária. Esses resultados refletem a determinação social da insegurança alimentar decorrente da desigualdade social e econômica vivida pelos agricultores familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cínthia Ribeiro Teodoro, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestre em Saúde e Nutrição e Especialista em Alimentação e Nutrição do Escolar.

Magda do Carmo Parajára, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutoranda em Saúde e Nutrição

Elaine Leandro Machado, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Epidemiologia e professora adjunta do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina da UFMG

Adriana Lúcia Meireles, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Saúde Pública e Professora adjunta do Departamento de Nutrição Clínica e Social

Referências

FAO – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. Agricultura familiar e desenvolvimento sustentável na CPLP [internet]. Lisboa: FAO; 2018 [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: http://www.fao.org/uploads/media/AF_CPLP_FAO.pdf

Brasil. Senado Federal. Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais [internet]. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 25 jul. 2006a [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11326.htm

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017: resultados definitivos [internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2019 [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3096/agro_2017_resultados_definitivos.pdf

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário: tabelas – resultados definitivos [internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2019 [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/agricultura-e-pecuaria/21814-2017-censo-agropecuario.html?=&t=resultados

Oliveira NRF, Jaime PC. O encontro entre o desenvolvimento rural sustentável e a promoção da saúde no Guia Alimentar para a População Brasileira. Saúde Soc. 2016;25(4):1108-21.

Ricciardi V, Ramankutty N, Mehrabi Z, Jarvis L, Chookolingo B. How much of the world's food do smallholders produce? Glob Food Sec. 2018;17:64-72.

Berchin II, Nunes NA, Amorim WS, Zimmer GAA, Silva FR, Fornasari VH, et al. The contributions of public policies for strengthening family farming and increasing food security: the case of Brazil. Land Use Policy. 2019;82:573-84.

Brasil. Senado Federal. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências [internet]. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 18 set. 2006b [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11346.htm

Brasil. Emenda Constitucional nº 64, de 24 de fevereiro de 2010. Altera o artigo 6º da Constituição Federal para introduzir a alimentação como direito social [internet]. Diário Oficial da União: seção 1, p. 1, Brasília, DF, 4 fev. 2010 [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc64.htm

Trivellato PT, Morais DC, Lopes SO, Miguel ES, Franceschini SCC, Priore SE. Insegurança alimentar e nutricional em famílias do meio rural brasileiro: revisão sistemática. Ciênc Saúde Coletiva. 2019;24(3):865-874.

Bortolotto CC, Mola CL, Tovo-Rodrigues L. Quality of life in adults from a rural area in Southern Brazil: a population-based study. Rev Saúde Públic. 2018;52(Suppl1):S4.

Conti CL, Barbosa WM, Simão JB, Álvares-da-Silva AM. Pesticide exposure, tobacco use, poor self-perceived health and presence of chronic disease are determinants of depressive symptoms among coffee growers from Southeast Brazil. Psychiatry Res. 2018;260:187-92.

Benevenuto RG, Azevedo ICC, Caulfield B. Assessing the spatial burden in health care accessibility of low-income families in rural Northeast Brazil. J Transp Health. 2019;14:100595.

Assis SCR, Priore SE, Franceschini SCC. Impacto do Programa de Aquisição de Alimentos na segurança alimentar e nutricional dos agricultores. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(2):617-26.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico 2010 [internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2011 [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf

Segall-Corrêa AM, Marin-Leon L. A segurança alimentar no Brasil: proposições e usos da Escala Brasileira de Medida da Insegurança Alimentar (EBIA) de 2003 a 2009. Segur Aliment e Nutr. 2009;16(2):1-19.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: segurança alimentar [internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2014 [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv91984.pdf.

Sperandio N, Morais DC, Priore SE. Escalas de percepção da insegurança alimentar validadas: a experiência dos países da América Latina e Caribe. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;23(2):449-62.

WHO – World Health Organization. Physical status: the use of and interpretation of anthropometry. Report of a WHO Expert Committee [internet]. Technical Report Series, no. 854. Geneva: WHO; 1995 [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: https://www.who.int/childgrowth/publications/physical_status/en/

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care. 1994;21(1):55-67.

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011a [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_coleta_analise_dados_antropometricos.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para avaliação de marcadores de consumo alimentar na atenção básica [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011b [citado em 04 mar 2021]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/marcadores_consumo_alimentar_atencao_basica.pdf

Herrera GP, Costa RB, Moraes PM, Mendes DRF, Constantino M. Smallholder farming in Brazil: an overview for 2014. Afr J Agric Res. 2017;12(17):1424-29.

Aquino JR, Gazolla M, Schneider S. Dualismo no campo e desigualdades internas na agricultura familiar brasileira. Rev Econ Sociol Rural. 2018;56:123-42. Disponível em: https://www.scielo.br

Correia LL, Rocha HAL, Leite ÁJM, Cavalcante SA, Campos JS, Machado MMT et al. The relation of cash transfer programs and food insecurity among families with preschool children living in semiarid climates in Brazil. Cad Saúde Colet. 2018;26(1):53-62.

Rodrigues LPF, Carvalho RC, Maciel A, Otanasio PN, Garavello MEPE, Nardoto GB. Food insecurity in urban and rural areas in central Brazil: transition from locally produced foods to processed items. Ecol Food Nutr. 2016;55(4):365-77.

Sperandio N, Priore SE. Prevalência de insegurança alimentar domiciliar e fatores associados em famílias com pré-escolares, beneficiárias do Programa Bolsa Família em Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(4):739-48.

Smith MD, Rabbitt MP, COLEMAN-JENSEN, A. Who are the world’s food insecure? New evidence from the Food and Agriculture Organization’s food insecurity experience scale. World Development. 2017;93: 402-12.

Almeida JA, Santos AS, Nascimento MAO, Oliveira JVC, Silva DG, Mendes-Neto RS. Fatores associados ao risco de insegurança alimentar e nutricional em famílias de assentamentos rurais. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(2):479-88.

Bezerra GJ, Schlindwein MM. Agricultura familiar como geração de renda e desenvolvimento local: uma análise para Dourados, MS, Brasil. Interações (Campo Grande). 2017;18:3-15.

Silva EKP, Medeiros DS, Martins PC, Sousa LA, Lima GP, Rêgo MAS, et al. Insegurança alimentar em comunidades rurais no Nordeste brasileiro: faz diferença ser quilombola? Cad Saúde Pública. 2017;33(4):e00005716.

Suzart AS, Ferreira AP. Avaliação do Programa Bolsa Família (PBF) na segurança alimentar e nutricional das famílias beneficiadas, Vitória da Conquista, BA. Interações (Campo Grande). 2018;19(3):585-95.

Bezerra TA, Olinda RAD, Pedraza DF. Insegurança alimentar no Brasil segundo diferentes cenários sociodemográficos. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(2):637-51.

Carmo ME, Guizardi FL. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cad Saúde Pública. 2018;34(3):e00101417.

Roudart L, Dave B. Land policy, family farms, food production and livelihoods in the Office du Niger area, Mali. Land Use Policy. 2017;60:313-23.

Maluf RS, Burlandy L, Santarelli M, Schottz V, Speranza JS. Nutrition-sensitive agriculture and the promotion of food and nutrition sovereignty and security in Brazil. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(8):2303-12.

Gubert MB, Segal-Corrêa AM, Spaniol AM, Pedroso J, Coelho SEAC, Pérez-Escamilla R. Household food insecurity in black-slaves descendant communities in Brazil: has the legacy of slavery truly ended? Public Health Nutr. 2016;20(8):1513-22.

Salgado RJSF, Silva EA, Ferreira MAM, Cunha WA, Santos LF. Focalização e cobertura do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA): avaliação de sua eficácia nas regiões brasileiras. Rev Econ Sociol Rural. 2017;55(4):661-78.

Elias LDP, Belik W, Cunha MP, Guilhoto JJM. Impactos socioeconômicos do Programa Nacional de Alimentação Escolar na agricultura familiar de Santa Catarina. Rev Econ Sociol Rural. 2019;57(2):215-33.

Preiss PP, Navarro RS, Webern JM, Mello LL. Abastecimento alimentar e COVID-19: uma análise das feiras no Vale do Rio Pardo-RS. Segur Aliment e Nutr. 2021;28:1-13. 021007.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

TEODORO, C. R.; PARAJÁRA, M. do C. .; MACHADO, E. L.; MEIRELES, A. L. Condições de vida e saúde no meio rural: lacunas da insegurança alimentar entre agricultores familiares de um município de Minas Gerais. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 28, n. 00, p. e021039, 2021. DOI: 10.20396/san.v28i00.8665224. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8665224. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais