Avaliação dos bancos de alimentos

uma revisão integrativa da literatura nacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8665406

Palavras-chave:

Segurança Alimentar e Nutricional, Assistência Alimentar, Desperdício de Alimentos

Resumo

Esta é uma revisão de literatura que teve por objetivo sistematizar a produção científica e bibliográfica especializada acerca da avaliação de bancos de alimentos públicos, de acordo com os aspectos relativos ao seu funcionamento. As buscas foram realizadas a partir de bases e repositórios científicos e de sites governamentais, de instituições públicas e da sociedade civil, cujas agendas estão relacionadas à Segurança Alimentar e Nutricional, no período de 2010 a 2020. Foram localizadas 240 publicações e, após exclusão dos estudos que não atendiam aos critérios de inclusão, seis estudos permaneceram na seleção. Foram identificados oito aspectos avaliados: gestão; público atendido e entidades beneficiadas; articulações; doadores; infraestrutura; alimentos; controle higiênico-sanitário; ações complementares. Os resultados dos estudos apontaram: baixa institucionalidade dos bancos de alimentos junto ao poder público; recursos humanos insuficientes, insustentáveis e com alta rotatividade; relação com entidades beneficiadas limitada à doação de alimentos; ações educativas principalmente de capacitação para manipuladores de alimentos; fragilidade na relação com doadores; necessidade de melhorias na infraestrutura; inadequações às regulamentações higiênico-sanitárias; e forte relação com o Programa de Aquisição de Alimentos. Os estudos de avaliação contribuíram com a identificação de pontos críticos para o avanço e sustentabilidade dos bancos de alimentos no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Tarricone Garcia, Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo

Instituto de Saúde – Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo

Erika Rodrigues da Silva, Universidade de São Paulo

Faculdade de Saúde Pública

Rosana Derbas Mustapha, Universidade de São Paulo

Faculdade de Saúde Pública

Denise Eugenia Pereira Coelho, Universidade de São Paulo

Faculdade de Saúde Pública

Giovanna Maurelli, Universidade de São Paulo

Faculdade de Medicina

Regicely Aline Brandão Ferreira, Universidade de São Paulo

Faculdade de Saúde Pública

Natalia Tenuta Kuchenbecker do Amaral, Fundação Oswaldo Cruz

Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Claudia Maria Bógus, Universidade de São Paulo

Faculdade de Saúde Pública

Referências

Belik W, Cunha ARAA, Costa LA. Crise dos alimentos e estratégias para a redução do desperdício no contexto de uma política de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas. 2012;(38):107-132.

Machado KSO, Gentil P. Bancos de alimentos: oportunidades e desafios. In: Melo EV. Perdas e desperdício de alimentos: estratégias para redução. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara; 2018. p. 161-180.

Costa LA, Bastos MA, Rocha DF, Almeida AAP, Silva AVM, Silva JH. Capacidade de resposta de Banco de Alimentos na captação, distribuição e redução de desperdício de alimentos. Revista Baiana de Saúde Pública. 2014;38(1):30-48.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Sumário Executivo: Mapeamento de Segurança Alimentar e Nutricional de 2018 – MapaSAN 2018. Brasília: MDS; 2018.

Garcia GS, Recine E. Perspectivas do fornecimento de produtos da agricultura familiar para os equipamentos públicos de Segurança Alimentar e Nutricional no Distrito Federal. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2014;9(2):411-429.

Lacerda LK, Souza RVN, Mendonça MC, Silva RHV, Almeida AAP. Desenvolvimento de manual de boas práticas para capacitação de manipuladores de um Banco de Alimentos na cidade de Belo Horizonte, MG. Higiene Alimentar. 2018;32(278/279):41-45.

Pena LF, Costa DC, Mattos GV, Ricardo DC, Costa LA, Silva AVM, Silva JH, Almeida AAP. Avaliação da adoção das boas práticas em Bancos de Alimentos, antes e após capacitação de manipuladores. Higiene Alimentar. 2015;29(240/241):58-63.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares: 2017-2018: análise da segurança alimentar no Brasil/IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento [Internet]. 2020 [acesso em 2021 jun 06]. Rio de Janeiro: IBGE; 2020. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101749.pdf

Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional – REDE PENSSAN. VIGISAN – Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil [Internet]. 2021 [acesso em 2021 jun 06]. Rede PENSSAN; 2021. Disponível em: http://olheparaafome.com.br/VIGISAN_Inseguranca_alimentar.pdf

Belik W. Estratégias para redução de perdas e desperdício de alimentos. In: Melo EV. Perdas e desperdício de alimentos: estratégias para redução. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara; 2018. p. 33-52.

Câmara FM, Gomes CB, Matuk TT, Szarfarc SC. Caracterização dos resíduos gerados na CEASA paulistana sob a ótica da saúde ambiental e segurança alimentar. Segurança Alimentar e Nutricional. 2014;21(1):395-403.

Tenuta N, Teixeira RA. A eficácia dos Bancos de Alimentos de Minas Gerais no combate às perdas e desperdícios de alimentos. Segurança Alimentar e Nutricional. 2017;24(1):53-61.

Bocchi CP. Perdas e desperdício de alimentos no contexto da Política e do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Brasil. In: Melo EV. Perdas e desperdício de alimentos: estratégias para redução. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara; 2018. p.147-160.

Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional – CAISAN. Estratégia Intersetorial para a redução de perdas e desperdício de alimentos no Brasil. Brasília: CAISAN; 2018.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Rede Desenvolvimento, Ensino e Sociedade. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Pesquisa de Avaliação do Programa Bancos de Alimentos. Brasília: REDES; 2006.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Pesquisa de Avaliação do Programa Banco de Alimentos. Brasília: MDS; 2011.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto – Enferm. 2008;17(4):758-764.

Burlandy L, Maluf R, Frozi D, Mafra LAS, Reis MC, Zimmermann S. Avaliação do Programa Banco de Alimentos no Brasil. In: Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Caderno de Estudos – Desenvolvimento Social em Debate. Rede de equipamentos públicos de alimentação e nutrição: resultados de avaliações. Brasília: MDS; 2010. p.35-63.

Tenuta NO. Análise tridimensional da situação dos Bancos de Alimentos de Minas Gerais, Brasil [dissertação]. Diamantina: Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri; 2014.

Tribunal de Contas da União. Relatório de avaliação de programa: Programa Banco de Alimentos. Brasília: TCU; 2005.

Brasil. Instrução Normativa nº 01, de 15 de maio de 2017. Dispõe sobre a adesão dos Bancos de Alimentos à Rede Brasileira de Bancos de Alimentos. Diário Oficial da União. 01 jun 2017; Seção 1:1.

Burlandy L, Maluf RS. Relatório final (2/2) do termo de referência para avaliação do Programa Banco de Alimentos – Volume I [relatório de pesquisa]. Rio de Janeiro: Rede de Desenvolvimento Ensino e Sociedade – REDES; 2006.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. Guia de políticas e programas. Brasília: MDSA; 2017.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Manual de instruções, diretrizes e procedimentos operacionais para contratação e execução de programas e ações da Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Modalidades apoio à instalação e modernização de restaurantes populares, cozinhas comunitárias, bancos de alimentos e unidades de distribuição da agricultura familiar. Brasília: MDSA; 2016.

Brasil. Ministério da Cidadania. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Guia de Boas Práticas para Bancos de Alimentos. Guia no 26/2019 – versão 1. Brasília: ANVISA; 2019.

Paula NF, Assis L, Ribeiro CSG, Bezerra I. Manual de Boas Práticas para Bancos de Alimentos: a perspectiva de uma nova construção. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2017;12(2):361-383.

Brasil. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o Direito Humano à Alimentação Adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 18 set 2006; Seção 1:1.

Guedes MJL, Vital TW, Menelau AS, Costa JM. Programa Banco de Alimentos do serviço social do comércio em Pernambuco: uma abordagem sistêmica. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2018;13(4):1005-1022.

Batista LMG, Ribeiro SMR, Santos RHS, Araújo RMA, Ribeiro AQ, Priore SE et al. Percepção de agricultores familiares do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) sobre o significado de fazer parte do PAA e a sua compreensão sobre conceitos relacionados à alimentação, nutrição e saúde. Saúde & Sociedade. 2016;25(2):494-504.

Batista LMG. Condições de saúde e nutrição de agricultores familiares e suas percepções sobre a participação no Programa de Aquisição de Alimentos, no município de Ubá (MG) [dissertação]. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa; 2015.

Burlandy L. A construção da política de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil: estratégias e desafios para a promoção da intersetorialidade no âmbito federal de governo. Ciênc. Saúde Coletiva. 2009;14(3)851-860.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: MDS; 2012.

Rangel TLV. Segurança Alimentar e Nutricional em perspectiva regional: análise dos avanços do Banco Municipal de Alimentos “Cecílio Correa Cardoso”, em Cachoeiro de Itapemirim – ES, como instrumento materializador da Segurança Alimentar e Nutricional e do Direito Humano à Alimentação Adequada [dissertação]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 2015.

Galisa MS. Reflexão bioética sobre a contribuição do Programa Banco de Alimentos no Direito Humano à Alimentação Adequada e no meio ambiente [dissertação]. São Paulo: Centro Universitário São Camilo; 2014.

Ramos MP, Schabbach LM. O estado da arte da avaliação de políticas públicas: conceituação e exemplos de avaliação no Brasil. Revista de Administração Pública. 2012;46(5):1271-1294.

Downloads

Publicado

2022-01-13

Como Citar

GARCIA, M. T.; SILVA, E. R. da; MUSTAPHA, R. D.; COELHO, D. E. P.; MAURELLI, G.; FERREIRA, R. A. B.; AMARAL, N. T. K. do; BÓGUS, C. M. Avaliação dos bancos de alimentos: uma revisão integrativa da literatura nacional. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 28, n. 00, p. e021034, 2022. DOI: 10.20396/san.v28i00.8665406. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8665406. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Revisão