Como o consumo domiciliar de alimentos específicos varia com a renda, Brasil, 2017-2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8665493

Palavras-chave:

Elasticidade-renda, Consumo de alimentos

Resumo

Utilizando os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018, são estimadas as elasticidades-renda do consumo domiciliar (em quilogramas per capita) para diversos tipos de frutas, hortaliças, leite, carnes etc. A metodologia consiste no ajuste, para cada alimento, de uma poligonal para a variação do logaritmo do consumo per capita em função do logaritmo da renda per capita, usando valores médios em dez classes de renda familiar per capita. Verifica-se, por exemplo, que a elasticidade-renda do consumo domiciliar é praticamente nula para arroz e feijão, é negativa para farinha de mandioca e que, como esperado, é maior para carne bovina de primeira (0,613) do que para carne bovina de segunda (0,204). Para produtos selecionados são analisadas as diferenças entre áreas urbanas e áreas rurais e entre as cinco grandes regiões do País.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodolfo Hoffmann, Universidade de São Paulo

Professor Sênior da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da USP e docente aposentado do Instituto de Economia da UNICAMP.

Josimar Gonçalves de Jesus, Universidade de São Paulo

Doutor em Economia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da USP.

Referências

IBGE. Séries históricas de desemprego e rendimento [Internet]. 2021 [acesso em 2021 mar 23]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/explica/desemprego.php

Hoffmann R. Distribuição da renda domiciliar per capita no Brasil, 2012 a 2019 e 1995 a 2015. IEPE – Casa das Garças, Texto para Discussão n. 59; 2020.

Sen A. Poverty and Famines: An Essay on Entitlement and Deprivation. Oxford: Clarendon Press; 1982.

Hoffmann R. Elasticidades-renda das despesas e do consumo de alimentos no Brasil em 2002-2003. In: Silveira FG, Servo LMS, Menezes T, Piola SG. (Org). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA; 2007. p. 463-483.

Hoffmann R. Estimativas das elasticidades-renda de várias categorias de despesa e de consumo, especialmente alimentos, no Brasil, com base na POF de 2008-2009. Rev. de Economia Agrícola. 2010;57(2):49-62.

Vaz DV, Hoffmann R. Elasticidade-renda e concentração das despesas com alimentos no Brasil: uma análise dos dados das POF de 2002-2003, 2008-2009 e 2017-2018. Revista de Economia. 2020;41(75):282-310.

Hoffmann R, Vaz DV. Evolução do padrão de consumo das famílias brasileiras entre 2008 e 2017. Instituto de Economia da Unicamp, Texto para Discussão n. 384; 2020.

IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE; 2019.

Leal D. Crescimento da alimentação fora do domicílio. Segur. Aliment. Nutr. 2010;17(1):123-132.

Louzada MLC et al. Ultra-processed foods and the nutritional dietary profile in Brazil. Rev. Saúde Pública. 2015;49(38).

Martins APB et al. Participação crescente de produtos ultraprocessados na dieta brasileira (1987-2009). Rev. Saúde Pública. 2013;47(4):656-665.

Bertasso BF. O consumo alimentar dos brasileiros metropolitanos. In: Silveira FG, Servo LMS, Menezes T, Piola SG (Org). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA; 2006. p. 213-225.

Bleil SI. O padrão alimentar ocidental: considerações sobre a mudança de hábitos no Brasil. Cadernos de Debate. 1998;VI.

Oliveira FCR, Hoffmann R. Consumo de alimentos orgânicos e de produtos light ou diet no Brasil: fatores condicionantes e elasticidades-renda. Segur. Aliment. Nutr. 2015;22(1):541-557.

Lucchese T, Batalha OM, Lambert JL. Marketing de alimentos e o comportamento do consumo: proposição de uma tipologia do consumidor de produtos light e ou diet. Organizações Rurais & Agroindustriais. 2006;8(2):227-239.

Hoffmann R. Elasticidades-renda das despesas com alimentos em regiões metropolitanas do Brasil em 1995-96. In: Silveira FG, Servo LMS, Menezes T, Piola SG (Org). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA; 2006. p. 197-212.

Menezes T et al. O gasto e a demanda das famílias em saúde: uma análise a partir da POF de 2002-2003. In: In: Silveira FG, Servo LMS, Menezes T, Piola SG (Org). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA; 2006. p. 313-346.

Schlindwein MM, Kassouf AL. Mudanças no padrão de consumo de alimentos tempo-intensivos e de alimentos poupadores de tempo, por região do Brasil. In: In: Silveira FG, Servo LMS, Menezes T, Piola SG (Org). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA; 2007. p. 423-462.

Downloads

Publicado

2021-11-17

Como Citar

HOFFMANN, R.; JESUS, J. G. de. Como o consumo domiciliar de alimentos específicos varia com a renda, Brasil, 2017-2018. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 28, n. 00, p. e021030, 2021. DOI: 10.20396/san.v28i00.8665493. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8665493. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>