Disponibilidade domiciliar de alimentos regionais no Brasil

distribuição e evolução 2002-2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v29i00.8668716

Palavras-chave:

Alimento, Cultura, Promoção de alimentos, Consumo alimentar

Resumo

Alimentos regionais são importantes para a cultura e segurança alimentar e nutricional da população, entretanto, não há estudos que descrevam a disponibilidade desses alimentos no Brasil. Portanto, propõe-se descrever a disponibilidade domiciliar de alimentos regionais em 2017-2018 e sua evolução no período de 2002 a 2018. Foram utilizados dados das Pesquisas de Orçamentos Familiares de 2002-2003, 2008-2009 e 2017-2018, sobre aquisições de alimentos para consumo domiciliar. Esses alimentos foram identificados com base na segunda edição do livro Alimentos Regionais Brasileiros, levando em consideração os grupos de frutas; verduras e legumes; leguminosas; tubérculos, raízes e cereais; e farinhas. A quantidade adquirida de cada alimento foi convertida em energia, e expressa em percentual calórico. Utilizou-se regressão linear para avaliar as variações temporais das estimativas considerando o valor de p<0,05. Alimentos regionais representaram 3,69% do total de energia em 2002-2003, 3,12% em 2008-2009 e 3,12% em 2017-2018. O grupo de alimento regional com maior participação calórica em todos os anos foi o de leguminosas, e o Nordeste é a região onde o total desses alimentos tem a maior participação em todos os anos estudados. Apesar da tendência não ser uniforme, a participação de alimentos regionais caiu principalmente pela queda do consumo de tubérculos, raízes e cereais, e leguminosas regionais, mas estagnou entre 2008 e 2018 pelo aumento no consumo de frutas e farinhas regionais. A participação calórica de alimentos regionais na dieta é baixa, com isso esses resultados reforçam a importância de ações para valorizar e promover o consumo de alimentos regionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Anderson Lucas da Silva, Universidade Federal de São Paulo

Doutorando em Nutrição em Saúde Pública na Universidade de São Paulo.

Maria Laura da Costa Louzada, Universidade de São Paulo.

Professora doutora no Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Renata Bertazzi Levy , Universidade de São Paulo

Pesquisadora científica VI no Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Corrdenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Alimentos regionais brasileiros. 1. ed. Série F. Comunicação e Educação em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Alimentos regionais brasileiros. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Receitas regionais para crianças de 6 a 24 meses. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Alimentos regionais brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2020.

Paiva JB de, Freitas M do CS de, Santos LA da S. Hábitos alimentares regionais no Programa Nacional de Alimentação Escolar: um estudo qualitativo em um município do sertão da Bahia, Brasil. Rev Nutr. 2012;25(2):191-202. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732012000200002 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732012000200002

Coelho SE dos AC, Gubert MB. Insegurança alimentar e sua associação com consumo de alimentos regionais brasileiros. Rev Nutr. 2015;28:555-67. DOI: https://doi.org/10.1590/1415-52732015000500010 DOI: https://doi.org/10.1590/1415-52732015000500010

Martins MC, Veras JEG, Uchoa JL, Pinheiro PN da C, Vieira NF da C, Ximenes LB. Segurança alimentar e uso de alimentos regionais: validação de um álbum seriado. Rev Esc Enferm USP. 2012;46:1354-61. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000600011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000600011

Fabri RK, da Costa Proença RP, Martinelli SS, Cavalli SB. Regional foods in Brazilian school meals. Br Food J. 2015. DOI: https://doi.org/10.1108/BFJ-07-2014-0275 DOI: https://doi.org/10.1108/BFJ-07-2014-0275

Fabri RK. Uso de alimentos regionais da agricultura familiar na alimentação escolar: um estudo de caso em Santa Catarina [dissertação]. Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina; 2013.

Rossetti FX, da Silva MV, Winnie LWY. O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o desafio da aquisição de alimentos regionais e saudáveis. Segur Aliment Nutr. 2016;23(2):912-23. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v23i2.8647528 DOI: https://doi.org/10.20396/san.v23i2.8647528

Girardi MW, Fabri RK, Bianchini VU, Martinelli SS, Cavalli SB. Oferta de preparações culinárias e alimentos regionais e da sociobiodiversidade na alimentação escolar: um estudo na Região Sul do Brasil. Segur Aliment Nutr. 2018;25(3):29-44. DOI: https://doi.org/10.20396/san.v25i3.8652261 DOI: https://doi.org/10.20396/san.v25i3.8652261

Chaves LG, Mendes PNR, Brito RR de, Botelho RBA. O Programa Nacional de Alimentação Escolar como promotor de hábitos alimentares regionais. Rev Nutr. 2009;22(6):857-66. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732009000600007 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732009000600007

Sousa AA de, Silva APF da, Azevedo E de, Ramos MO. Cardápios e sustentabilidade: ensaio sobre as diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Rev Nutr. 2015;28(2):217-29. DOI: https://doi.org/10.1590/1415-52732015000200010 DOI: https://doi.org/10.1590/1415-52732015000200010

Gabriel CG, Costa L da CF, Calvo MCM, Vasconcelos F de AG de. Planejamento de cardápios para escolas públicas municipais: reflexão e ilustração desse processo em duas capitais brasileiras. Rev Nutr. 2012;25(3):363-72. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732012000300006 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732012000300006

Assunção Botelho RB, Araújo WMC, Zandonadi RP. Main Regional Foods Offered in Northeast Brazilian Restaurants and Motives for Their Offer. J Culin Sci Technol. 2020;1-18. DOI: https://doi.org/10.1080/15428052.2020.1777920 DOI: https://doi.org/10.1080/15428052.2020.1777920

Uggioni PL. Valorização do patrimônio gastronômico regional açoriano: gestão de qualidade em restaurantes típicos em Florianópolis – SC [dissertação]. Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina; 2006.

Ginani VC, Ginani JS, Botelho RBA, Zandonadi RP, Akutsu R de C, Araújo WMC. Reducing fat content of Brazilian traditional preparations does not alter food acceptance: Development of a model for fat reduction that conciliates health and culture. J Culin Sci Technol. 2010;8(4):229-41. DOI: https://doi.org/10.1080/15428052.2011.535758 DOI: https://doi.org/10.1080/15428052.2011.535758

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Coordenação de Índices de Preços. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003. Aquisição alimentar domiciliar per capita, Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro: IBGE; 2004.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Aquisição alimentar domiciliar per capita, Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE; 2019.

Brasil F. Índice de Qualidade da Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional, IQ COSAN [Internet]. Brasil; 2018 [acesso em 2021 jun 8]. Disponível em: https://www.fnde.gov.br/index.php/programas/pnae/pnae-area-gestores/ferramentas-de-apoio-ao-nutricionista/item/12142-iq-cosan

Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TBCA [Internet]. 2021 [acesso em 2021 jun 8]. Disponível em: http://www.tbca.net.br/basedados/composicao_alimentos.php

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo Agro 2017 [Internet]. IBGE; 2017 [acesso em 2021 jun 8]. Disponível em: https://censoagro2017.ibge.gov.br

Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Tem veneno nesse pacote [Internet]. 2021 [acesso em 2021 jun 8]. Disponível em: https://idec.org.br/system/files/ferramentas/idec_cartilha_tem-veneno-nesse-pacote.pdf

Matioli V. O básico dos básicos: Batata [Internet]. O Joio e o Trigo; 2021 [acesso em 2021 jun 8]. Disponível em: https://ojoioeotrigo.com.br/2021/06/o-basico-dos-basicos-batata

Botelho RBA. Culinária regional: o Nordeste e a alimentação saudável [tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 2006.

Silva LES da, Claro RM. Tendências temporais do consumo de frutas e hortaliças entre adultos nas capitais brasileiras e Distrito Federal, 2008-2016. Cad Saúde Pública. 2019;35:e00023618. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00023618 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00023618

Costa DV de P, Lopes MS, Mendonça R de D, Malta DC, Freitas PP de, Lopes ACS. Diferenças no consumo alimentar nas áreas urbanas e rurais do Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2021;26:3805-13. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021269.2.26752019 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021269.2.26752019

Costa JC, Canella DS, Martins APB, Levy RB, Andrade GC, Louzada ML da C. Consumo de frutas e associação com a ingestão de alimentos ultraprocessados no Brasil em 2008-2009. Ciênc Saúde Coletiva. 2021;26:1233-44. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021264.07712019 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021264.07712019

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo Agropecuário 2017 – Resultados Definitivos. Rio de Janeiro; 2019.

Brasil. Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Brasília: Diário Oficial da União; 2009.

Grisa C, Schmitt CJ, Mattei LF, Maluf RS, Leite SP. O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) em perspectiva: apontamentos e questões para o debate. Retratos Assentamentos. 2010;13(1):137-70. DOI: https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2010.v13i1.69

Jaime PC, Duran AC, Sarti FM, Lock K. Investigating Environmental Determinants of Diet, Physical Activity, and Overweight among Adults in Sao Paulo, Brazil. J Urban Health. 2011;88(3):567-81. DOI: https://doi.org/10.1007/s11524-010-9537-2 DOI: https://doi.org/10.1007/s11524-010-9537-2

FAO. Fruit and vegetables – your dietary essentials. The International Year of Fruits and Vegetables, 2021, background paper. [Internet]. Rome, Italy; 2020 [acesso em 2021 jun 8]. Disponível em: https://doi.org/10.4060/cb2395en DOI: https://doi.org/10.4060/cb2395en

Da Costa Louzada ML, Levy RB, Martins APB, Claro RM, Steele EM, Verly Jr E, et al. Validating the usage of household food acquisition surveys to assess the consumption of ultra-processed foods: Evidence from Brazil. Food Policy. 2017;72:112-20. DOI: https://doi.org/10.1016/j.foodpol.2017.08.017 DOI: https://doi.org/10.1016/j.foodpol.2017.08.017

Downloads

Publicado

2022-07-22

Como Citar

SILVA, M. A. L. da; LOUZADA, M. L. da C.; LEVY , R. B. . Disponibilidade domiciliar de alimentos regionais no Brasil: distribuição e evolução 2002-2018. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e022007, 2022. DOI: 10.20396/san.v29i00.8668716. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8668716. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

Dados de financiamento