O consumo de plantas alimentícias não convencionais para a promoção da segurança alimentar e nutricional e da cultura alimentar brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v29i00.8669197

Palavras-chave:

PANC, Hortaliças não convencionais, Alimentação regional, Alimentação sustentável, Agrobiodiversidade

Resumo

O Brasil é o país com a maior biodiversidade do planeta, sendo que cerca de um terço de sua biodiversidade vegetal pode ser comestível. Nesse cenário, se destacam as Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC), as quais apresentam grande potencial para suprir as necessidades nutricionais, em particular, de indivíduos em situação de vulnerabilidade socioeconômica. Assim, objetivou-se demonstrar a importância do consumo das PANC como alimentação alternativa para a promoção da segurança alimentar e nutricional e para o resgate da cultura alimentar brasileira. Este estudo trata-se de uma revisão narrativa da literatura conduzida por meio de pesquisa bibliográfica nas bases de dados Scielo, Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e Google Acadêmico, utilizando os seguintes descritores: “PANCs”, “Plantas alimentícias não convencionais”, “Plantas alimentícias” e “Hortaliças não-convencionais” combinados a "Alimentação Alternativa”, “Consumo”, “Segurança Alimentar” e “Benefícios”. O levantamento bibliográfico realizado resultou na inclusão de 29 arquivos para compor esta revisão narrativa. As PANC apresentam grande potencial alimentício em virtude da presença de diversos nutrientes e compostos bioativos importantes para o funcionamento adequado do organismo. Além disso, o cultivo e consumo dessas plantas contribuem para a promoção da segurança alimentar e nutricional pelo seu valor na preservação e resgate da cultura alimentar, e ainda pela sua relevância na construção e manutenção de um sistema alimentar sustentável. Os estudos encontrados validam e dão destaque às PANC como alimentos ricos em nutrientes e compostos bioativos e que favorecem a conquista da autonomia, e a preservação da biodiversidade e da sustentabilidade alimentar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paloma Isabel Santos Araújo Corado, Centro Universitário Maurício de Nassau

Nutricionista pelo Centro Universitário Maurício de Nassau.

Letícia Nunes da Costa Lima, Centro Universitário Maurício de Nassau

Nutricionista pelo Centro Universitário Maurício de Nassau.

Larissa Cristina Fontenelle, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Alimentos e Nutrição pela Universidade Federal do Piauí.

Referências

Altieri M, Nicholls CI. Agroecología y resiliencia al cambio climatico: principios y consideraciones metodológicas. Agroecología. 2013;8(1):7-20.

Jesus BB, Santana KS, Oliveira VJ, Carvalho MJ, Almeida AB. Pancs – plantas alimentícias não convencionais, benefícios nutricionais, potencial econômico e resgate da cultura: uma revisão sistemática. Enciclopédia Biosfera. 2020;17(33):309-22. https://doi.org/10.18677/EnciBio_2020C28 DOI: https://doi.org/10.18677/EnciBio_2020C28

Tuler AC, Peixoto AL, Silva NCB. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) na comunidade rural de São José da Figueira, Durandé, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia. 2019;70:e01142018. https://doi.org/10.1590/2175-7860201970077 DOI: https://doi.org/10.1590/2175-7860201970077

Ranieri GR. Guia prático sobre PANCs: plantas alimentícias não convencionais [internet]. São Paulo: Instituto Kairós; 2017 [acesso em 2021 jun 15]. Disponível em: https://institutokairos.net

Junqueira AH, Perline EA. Gosto, ideologia e consumo alimentar: práticas e mudanças discursivas sobre plantas alimentícias não convencionais – PANC. Cadernos de Linguagem e Sociedade. 2019;20(2):17-35. https://doi.org/10.26512/les.v20i2.21772 DOI: https://doi.org/10.26512/les.v20i2.21772

Almeida MEF, Corrêa AD. Utilização de cactáceas do gênero Pereskia na alimentação humana em um município de Minas Gerais. Ciência Rural. 2012;42(4):751-756. https://doi.org/10.1590/S0103-84782012000400029 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-84782012000400029

Kelen MEB, Nouhuys ISV, Kehl LC, Brack P, Silva DB. Plantas alimentícias não convencionais (PANCs): Hortaliças espontâneas e nativas [internet]. Porto Alegre: UFRGS; 2015 [acesso em 2021 jun 15]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/viveiroscomunitarios/wp-content/uploads/2015/11/Cartilha-15.11-online.pdf

Kinupp VF. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2007.

Poletti IC, Rodrigues APFS, Dourado BS, Viudes DR. Análise quantitativa de planta alimentícia não-convencional e plantas medicinais, comercialização e utilização de agrotóxicos em canteiros pertencentes ao projeto “Hortas Comunitárias” de Birigui (São Paulo). Segurança Alimentar e Nutricional. 2019;27:e020009. https://doi.org/10.20396/san.v27i0.8654699 DOI: https://doi.org/10.20396/san.v27i0.8654699

Casemiro IDP, Vendramini ALA. Unconventional food plants in Brazil: what does Nutrition know about this topic? DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2020;15:e42725. https://doi.org/10.12957/demetra.2020.42725 DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2020.42725

Jacob MM. Biodiversidade de Plantas Alimentícias Não Convencionais em uma horta comunitária com fins educativos. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2020;15:e44037. https://doi.org/10.12957/demetra.2020.44037 DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2020.44037

Terra SB, Vieira CTR. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs): levantamento em zonas urbanas de Santana do Livramento, RS. Ambiência – Revista do Setor de Ciências Agrárias e Ambientais. 2019;15(1):112-30. https://doi.org/10.5935/ambiencia.2019.01.07 DOI: https://doi.org/10.5935/ambiencia.2019.01.07

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de Hortaliças Não-Convencionais. Brasília: MAPA/ACS; 2010.

Chaves MS. Plantas alimentícias não convencionais em comunidades ribeirinhas na Amazônia [dissertação]. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa; 2016.

Dias RN, Sila TP, Matos SM, Silva DM, Silva DM, Silva ES, Santos CS. Potencial do uso da Beldroega na segurança alimentar de comunidades em situação de risco e vulnerabilidade social. Ambiente: Gestão e Desenvolvimento. 2018;11(1):259-265. https://doi.org/10.24979/164 DOI: https://doi.org/10.24979/164

Sartori VC, Theodor H, Minello LV, Pansera MR, Basso A, Scur L. Plantas alimentícias não convencionais. Caxias do Sul: Educs; 2020.

Morais EJ. Potencial nutricional e tecnológico de Plantas Alimentícias Não Convencionais predominante na Paraíba: uma revisão da literatura [trabalho de conclusão de curso]. Cuité: Universidade Federal de Campina Grande; 2021.

Benevides CM, Souza MV, Souza RD, Lopes MV. Fatores antinutricionais em alimentos: revisão. Segurança Alimentar e Nutricional. 2011;18(2):67-79. https://doi.org/10.20396/san.v18i2.8634679 DOI: https://doi.org/10.20396/san.v18i2.8634679

Araújo DAC, Cunha LS, Silva E, Morais ICO. Teor de nitrato em alfaces de cultivo orgânico e convencional comercializadas no sertão central do Ceará. Encontro de Extensão, Docência e Iniciação Científica. 2017;4(1):1-4.

Oliveira KB. Métodos de redução e inativação dos fatores antinutricionais [monografia]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2010.

Zanetti C, Biondo E, Kolchinski EM, Kamphorst RCM, Severgnini PR et al. Mulheres e PANCs: resgatando hábitos e saberes alimentares no Vale do Taquari, RS. Revista Ciência e Extensão. 2020;16:84-100.

Figueiredo PS, Duarte MG, Cardoso M. Plantas Alimentícias Não Convencionais em comunidade tradicional da Mata Atlântica. In: Anais do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia; São Cristóvão, Sergipe [internet]. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Agroecologia; 2020 [acesso em 2021 jun 15]. Disponível em: http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/6196/2643

Soares CS. Um olhar geográfico sobre as PANC – plantas alimentícias não-convencionais [trabalho de conclusão de curso]. Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás; 2020.

Cunha MA, Pinto LC, Santos IRP, Neves BM, Cardoso CV. Plantas Alimentícias Não Convencionais na perspectiva da promoção da Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil. Research, Society and Development. 2021;10(3):e20610313306. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13306 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13306

Biondo E, Fleck M, Kolchinski EM, Sant’Anna V, Polesi RG. Diversidade e potencial de utilização de plantas alimentícias não convencionais no Vale do Taquari, RS. Revista Eletrônica Científica da UERGS. 2018;4(1):61-90. https://doi.org/10.21674/2448-0479.41.61-90 DOI: https://doi.org/10.21674/2448-0479.41.61-90

Casemiro ÍP, Vendramini ALA. 10 anos de PANC (Plantas Alimentícias Não-Convencionais) – Análise e tendências sobre o tema. Alimentos: Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente. 2021;2(3):44-93.

Fonseca C, Lovatto P, Schiedeck G, Hellwig L, Guedes AF et al. A importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCS) para a sustentabilidade dos sistemas de produção de base ecológica. In: Anais do VI Congresso Latino-americano de Agroecologia; X Congresso Brasileiro de Agroecologia; V Seminário de Agroecologia do Distrito Federal; Brasília, Distrito Federal [internet]. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Agroecologia; 2017 [acesso em 2021 jun 15]. Disponível em: http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/167

Rezende JO. Consumo de PANC e sua aproximação com a soberania alimentar: acesso a plantas alimentícias não convencionais em feiras orgânicas de São Paulo [monografia]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2020.

Biondo E, Zanetti C, Cherobini L, Kamphorst RCM. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC): Agrobiodiversidade alimentar para a Segurança Alimentar e Nutricional no Vale do Taquari, RS. In: Biondo E, Zanetti C, Cherobini L, Kamphorst RCM (org.) Articulando a Agroecologia em Rede no Vale do Taquari/RS. São Leopoldo: Oikos; 2021.

Brasil. Alimentos regionais brasileiros. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Mussoi MR, Sirota VGR, Anjos MCR, Silva ACGFSF. Agroindústrias familiares: resgate de saberes e práticas na promoção da soberania e segurança alimentar e nutricional. In: III Jornada Questão Agrária e Desenvolvimento – Os Sujeitos na Soberania Alimentar [internet]. Curitiba; 2015 [acesso em 2021 jun 15]. Disponível em: http://www.jornadaquestaoagraria.ufpr.br/wp-content/uploads/2016/04/Milena-Regina-Mussoi-Veridiane-Guimar%C3%A3es-Ribas-Sirota-M%C3%B4nica-de-Caldas-Rosa-dos-Anjos-Adriella-Camila.pdf

Abreu NCO, Castanheira JD. As vantagens da introdução das plantas alimentícias não convencionais na alimentação dos beneficiários do bolsa família da estratégia saúde da família Bernardo Valadares, em Sete Lagoas – MG. Revista Brasileira de Ciências da Vida. 2017;5(4):1-16.

Brack P. Crise da biodiversidade, ainda distante da economia. Ciência e Ambiente. 2011;42:147-162.

Downloads

Publicado

2022-11-10

Como Citar

CORADO, P. I. S. A. .; LIMA, L. N. da C. .; FONTENELLE, L. C. O consumo de plantas alimentícias não convencionais para a promoção da segurança alimentar e nutricional e da cultura alimentar brasileira. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e022016, 2022. DOI: 10.20396/san.v29i00.8669197. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8669197. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos de Revisão