Banner Portal
Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico-metodológica
PDF

Palavras-chave

Geodiversidade. Análise da paisagem. Geologia Ambiental. Epistemologia.

Como Citar

DANTAS, M. E.; ARMESTO, R. C. G.; SILVA, C. R. da; SHINZATO, E. Geodiversidade e análise da paisagem: uma abordagem teórico-metodológica. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 4–13, 2015. DOI: 10.20396/td.v11i1.8637304. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637304. Acesso em: 22 fev. 2024.

Resumo

A Geodiversidade consiste num novo campo de conhecimento derivado da geologia ambiental que visa proceder a uma abordagem abrangente do sistema abiótico envolvendo uma análise articulada e dinâmica entre rochas, formações superficiais, relevo e solos. O desenvolvimento de pesquisas em geodiversidade, a partir da década de 1990, gerou resultados promissores em geoconservação e gestão territorial no Brasil e no mundo. Todavia, é necessário consolidar o conceito de paisagem, tão arraigado na ciência geográfica, aos estudos de geodiversidade, para que haja um fortalecimento metodológico de tais estudos em base multidisciplinar. Este artigo visa uma avaliação epistemológica do conceito de paisagem e de sua importância teórica e metodológica para os estudos de geologia ambiental e geodiversidade, advindo da experiência acumulada pela CPRM – Serviço Geológico do Brasil, em sua missão de mapear a Geodiversidade de todo o território brasileiro.
https://doi.org/10.20396/td.v11i1.8637304
PDF

Referências

BENNETT, M.R., DOYLE, P. 1997. Environmental Geology: Geology and the Human Environment. New York: John Wiley & Sons. 512p.

BERTRAND, G. 1972. Paisagem e Geografia Física Global: ensaio metodológico. São Paulo. Inst. Geografia/USP. Cadernos de Ciências da Terra, 13:1-27.

BRILHA, J. 2005. Patrimônio Geológico e Geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica. Braga, Portugal: Palimage Eds. 190p.

CLAUDINO-SALES, V. 2010. Paisagens geomorfológicas espetaculares: geomorfossítios do Brasil. Recife: Revista de Geografia, 3:6-20.

COELHO NETTO, A.L. 1992. O Geoecossistema da Floresta da Tijuca. In: Abreu M.A. Ed. 1992. Natureza e Sociedade no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Secr. Mun. Cultura/DGDI, Biblioteca Carioca, 21:104-142.

CORDANI, U. 2002. The role of the Earth Sciences in a sustainable world. Episodes, 23(3):155-162.

CORREA, P.R.S., RAMOS, V.L.S. 1995. Diagnóstico Geoambiental. In: Rocha A.J.D. org. Projeto Mapas Municipais. Município de Morro do Chapéu (BA). CPRM – Serviço Geológico do Brasil, Salvador, p. 148-155.

CORRÊA, R.L. 1995. Espaço: um conceito-chave da Geografia In: Castro I.E. Gomes P.C. Corrêa R.L. orgs. 1995. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro, Ed. Bertrand Brasil, p. 15-47.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. 1994. Mapa Geoambiental de Morro do Chapéu, BA: escala 1:200.000, Relatório e Mapa + CD-ROM. Brasília: CPRM - Serviço Geológico do Brasil.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. 2007. Mapa de Geodiversidade do Brasil: escala 1:2.500.000, Le-

genda Expandida + CD-ROM. Brasília: CPRM - Serviço Geológico do Brasil. 68p.

DANTAS, M.E., COELHO NETTO, A.L. 1995. O impacto do ciclo cafeeiro na evolução da paisagem geomorfológica do Médio Vale do Rio Paraíba do Sul. IBGE, Cadernos de Geociências, 15:65-72.

DANTAS, M.E., SHINZATO, E., MEDINA, A.I., SILVA, C.R., PIMENTEL, J., CARVALHO, Jr. A., LUMBRERAS, J.F., CALDERANO, S. 2005. Diagnóstico Geoambiental do Estado do Rio de Janeiro. In: CYTED - Oficina Internacional de. Ordenamento Territorial Mineiro. CPRM - Serviço Geológico do Brasil. URL: http://www.cprm.gov.br/publique/media/artigo_geoambientalRJ.pdf. Acesso: 13.04.2012.

DANTAS, M.E., ARMESTO, R.C.G, ADAMY, A. 2008. A Origem das Paisagens. In: SILVA, C.R. Ed. 2008. Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado para entender o presente e prever o futuro. Rio de Janeiro: CPRM – Serviço Geológico do Brasil, p. 33-56. (Cap. 3).

DANTAS, M.E., SHINZATO, E., BANDEIRA, I.C.N., SOUZA, L.V., RENK, J.F.C. 2013. Compartimentação geomorfológica do Estado do Maranhão. In: BANDEIRA, I.C.N. Ed. 2013. Geodiversidade do Estado do Maranhão. Teresina: CPRM – Serviço Geológico do Brasil, p. 31-62. (Cap. 3).

DANTAS, M.E., SHINZATO, E., ADAMY, A., BISPO, I., 2014. Origem das paisagens do Estado do Acre. In: ADAMY, A. Ed. 2014. Geodiversidade do Estado do Acre. Porto Velho: CPRM – Serviço Geológico do Brasil, p. 37-54. (Cap. 3).

DOROTHY, M. 1998. Environmental geology: an Earth System Science approach. New York: Freeman. 452p.

DUFF, K. 1994. Natural Areas: an holistic approach to conservation based on Geology. In: O’HALLORAN, D., GREEN, C., HARLEY, M., STANLEY, M., KNILL, J. eds. 1994. Geological and Landscape Conservation. London, Geol. Soc., p. 121-126.

EBERHARD, R. 1997. Pattern and Process: Towards a Regional Approach to National Estate Assessment of Geodiversity. Canberra: Australian Heritage Comm., Environ. Forest Taskforce, Environment Australia. (Technical Series 2).

FERREIRA, R.V., DANTAS, M.E., SHINZATO, E. 2013. Origem das paisagens do Estado de Pernambuco. In: TORRES, F.M.S., PFALTZGRAFF, P.A.S. Ed. 2013. Geodiversidade do Estado de Pernambuco. Recife: CPRM – Serviço Geológico do Brasil, p. 51-71. (Cap. 4).

FORMAN, R.T.T. 1995. Land Mosaics: The Ecology of Landscapes and Regions. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press. 638p.

GRAY, M. 2004. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. New York: John Wiley & Sons. 434p.

GRAY, M. 2005. Geodiversity and geoconservation: what, why, and how? The George Wright Forum, 22(3):4-12.

HAESBAERT, R. 1998. Globalização e fragmentação do mundo contemporâneo. Niterói: EdUFF. 308p.

KELLER, E.A. 1996. Environmental Geology. New Jersey: Prentice-Hall. 562p.

KLINK, H.J. 1974. Geoecology and Natural Regionalization: basis for environmental research. Applied Sciences and Development, 4:48-74.

KOZLOWSKI, S. 2004. Geodiversity. The concept and scope of geodiversity. Przeglad Geologiczny, 52(8/2):833-837.

LACOSTE, Y. 1976. Geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Campinas: Ed. Papirus. 263p.

MAIA, M.A.M., MARMOS, J.L. orgs. 2010. Geodiversidade do Estado do Amazonas. Manaus: CPRM – Serviço Geológico do Brasil 275p. URL: http://www.cprm.gov.br/publique/media/geodiversidade_amazonas.pdf. Acesso 22.05.2012.

MAXIMIANO, L.A. 2004. Considerações sobre o conceito de Paisagem. UFPR. RA’E GA, O Espaço Geográfico em Análise, 8:83-91

MONTEIRO, C.A.F. 2001. Geossistemas: a História de uma Procura. São Paulo: Ed. Contexto. 127p. (/GEOUSP Abordagens).

MONBEIG, P. 1984. Pioneiros e fazendeiros em São Paulo. São Paulo: Ed. Hucitec, 369p.

MORAES, A.C.R. 1984. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Ed. Hucitec. 138p.

PANIZZA, M. 2001. Geomorphosites: concepts, methods and examples of geomorphological survey. Chinese Sci. Bull., 46(Suppl.):4-6.

PENHA, H.M. 1994. Processos endógenos de formação do relevo. In: GUERRA, A.J.T., CUNHA, S.B. orgs. 1994. Geomorfologia: Uma Atualização de Bases e Conceitos. Rio de Janeiro, Ed. Bertrand Brasil, p. 51-92.

PEREIRA, A.R. 1995. Património geomorfológico no litoral sudoeste de Portugal. Finisterra, Revista Portuguesa de Geografia, 30(59-60):7-25.

PETRISOR, A.I., SARBU, C.N. 2010. Dynamics of geodiversity and ecodiversity in territorial systems. Journal of Urban and Regional Analysis, 2(1):61-70.

PRESS, F., SIEVER, R., GROTZINGER, J., JORDAN, T.H. 2006. Para Entender a Terra. Trad.: MENEGAT, R., FERNANDES, P.C.D., FERNANDES, L.A.D., PORCHER, C.C. 4 ed. Porto Alegre: Bookman. 656 p.

RODRIGUEZ, J., SILVA, E.V. 2002. A classificação das paisagens a partir de uma visão geossistêmica. Mercator, Revista do Depto. de Geografia-UFC. 1(1): 98-115.

ROUGERIE, G. 1971. Geografia das Paisagens. São Paulo: Ed. DIFEL. 134p.

SALGUEIRO, T.B. 2001. Paisagem e Geografia. Finisterra: Revista Portuguesa de Geografia, 36(72):37-53.

SANTOS, M. 2000. Por uma outra globalização: do Pensamento Único à Consciência Universal. Rio de Janeiro: Ed. Record, 174p.

SERRANO, E., RUIZ-FLAÑO, P. 2007. Geodiversity. A theoretical and applied concept. Geographica Helvetica, 62(3):140-147.

SHARPLES, C. 1993. A methodology for the identification of significant landforms and geological sites for conservation purposes. Report to forestry commission, Tasma Report to forestry commission, Tasmania. URL: http://eprints.utas.edu.au/11747/. Acesso 08.11.2011.

SHARPLES, C. 2002 Concepts and Principles of Geoconservation. Tasmanian Parks & Wildlife Service. Service. Austrália, 79p.

SILVA, C.R., RAMOS, M.A.B., PEDREIRA, A.J., DANTAS, M.E. 2008a. Começo de Tudo. In: SILVA, C.R. ed. 2008. Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado para entender o presente e prever o futuro. CPRM – Serviço Geológico do Brasil, Rio de Janeiro, p. 11-20. (Cap. 1).

SILVA, C.R., MARQUES, V.J., DANTAS, M.E., SHINZATO, E. 2008b. Aplicações múltiplas do conhecimento da Geodiversidade. In: SILVAC.R. ed. 2008. Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado para entender o presente e prever o futuro. Rio de Janeiro, CPRM – Serviço Geológico do Brasil. p. 181-202. (Cap. 13).

SILVA, C.R., DANTAS, M.E. 2010. Mapas Geoambientais In: Simpósio Brasileiro de Cartografia Geotécnica e Geoambiental, 7, Maringá/PR. ABGE, 17 p. URL: http://www.cprm.gov.br/publique/media/mapas_geoambientais_SCGG.pdf. Acesso 08.11.2011.

SAUER, C. 1998 A morfologia da Paisagem. In: Cor- In: Corrêa, R.L., Rosendahl, Z. orgs. 1998. Paisagem, Tempo e Cultura. EdUERJ, Rio de Janeiro. p. 12-74.

SCHIER, R.A. 2002. Trajetórias do conceito de Paisagem na Geografia. RA’E GA - O Espaço Geográfico em Análise - UFPR, 7:79-85

SELBY, M.J. 1985. Earth’s Changing Surface. Oxford, UK: Clarendon Press. 607p.

SOTCHAVA, V. 1960. O Estudo dos Geossistemas. Inst. Geografia/USP. Métodos em Questão, 16:1-51.

STANLEY, M. 2001. Welcome to the 21st century, Geodiversity Update,1:1-8.

TRICART, J. 1977. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, Rec. Nat. e Meio Amb. 91p.

TROLL, C. 1966. Landscape Ecology. ITC-UNESCO Centre for Integrated Surveys, Paper S. 4. 23p.

VEIGA, A.T.C. 1999. A geodiversidade e o uso dos re- A geodiversidade e o uso dos recursos minerais da Amazônia. Terra das Águas - UnB, 1: 88-102.

XAVIER DA SILVA, J., CARVALHO FILHO, L.M. 2001. Índice de Geodiversidade da Restinga da Marambaia (RJ): um exemplo do geoprocessamento aplicado à Geografia Física. Recife: Revista de Geografia, 1:57-64.

ZONNEVELD, I.S. 1989. The Land Unit - a fundamental concept in Landscape Ecology, and its applications. Landscape Ecology, 3:67-86.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.