Banner Portal
A brief history of scientific ocean drilling programs / Breve história dos programas científicos
PDF

Palavras-chave

Perfuração oceânica. Formação profissional de professores. Pesquisa no mar.

Como Citar

PASSOW, M.; PEREIRA, H.; PEART, L. A brief history of scientific ocean drilling programs / Breve história dos programas científicos. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 65–73, 2015. DOI: 10.20396/td.v9i2.8637392. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637392. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Recentemente, o Brasil aderiu ao Integrated Ocean Drilling Program, que realiza expedições científicas em todo o mundo. Isso permitiu que cientistas brasileiros pudessem participar na exploração do fundo do oceano nas imediações de uma fossa oceânica ao largo da Costa Rica. A perfuração do fundo do oceano para fins científicos foi proposta pela primeira vez em 1957 e começou na década de 60 do século XX. Em 1968, naquela que foi apenas a sua terceira expedição, o “Glomar Challenger” recuperou amostras de rochas e sedimentos dos dois lados da dorsal média-oceânica no Atlântico Sul, e revelou a expansão dos fundos oceânicos. Antes da capacidade de perfurar o fundo do oceano a grandes profundidades, os cientistas apenas tinham à sua disposição testemunhos obtidos com amostradores de tipo “pistão”. Os microfósseis obtidos a partir desses testemunhos têm permitido fazer muitas descobertas sobre as oscilações climáticas da Terra. Nas expedições realizadas atualmente pelo “JOIDES Resolution”, pelo “Chikyu”, e pelas plataformas de perfuração das missões específicas, continuam a surgir descobertas impressionantes que têm contribuído para melhorar a compreensão da história geológica do nosso planeta. Nos últimos anos, vários educadores têm acompanhado os cientistas durante as expedições, e criaram vários materiais educativos e de divulgação destinadas a estudantes e ao público em geral.

https://doi.org/10.20396/td.v9i2.8637392
PDF

Referências

Apresentações sobre o IODP e a “School of Rock” 2009 efectuadas durante o Ano Internacional do Planeta Terra (2007-2009) . URL: http://www.es-loule.edu.pt/biogeo/sor2009/IODP@IYPE_Lisbo-nEvent09.pdf

Apresentação sobre microfósseis. URL: http://www.esloule.edu.pt/biogeo/sor2009/Microfosseis_os_contadores_de_historias_dos_oceanos.pdf

http://www.esloule.edu.pt/biogeo/sor2009/SOR@IYPE_LisbonEvent09.pdf

O estudo dos fundos oceânicos - Parte I. URL: http://www.esloule.edu.pt/biogeo/sor2009/O_estudo_dos_fundos_oceanicos_Parte_I.pdf

O estudo dos fundos oceânicos - Parte II. URL: http://www.esloule.edu.pt/biogeo/sor2009/O_estudo_dos_fundos_oceanicos_Parte_II.pdf

Página web da Expedição 339: Mediterranean Outflow. URL: http://joidesresolution.org/node/2053 e respectivo blogue. URL: http://joidesresolution.org/blog/52

Projecto LABoratório Oceano (LABO) (sítio com muitos recursos sobre o estudo do oceano) . URL: http://www.esloule.edu.pt/cfp/moodle/course/view.php?id=17

Vídeo “Core on Deck! The Journey of how the Samples travel from the Rig Floor to the Core Lab”. URL: http://www.youtube.com/watch?v=wC9lDPvvze0

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.