Banner Portal
A contribuição do cotidiano escolar para a prática de atividades investigativas no ensino de solos
PDF

Palavras-chave

Ensino de solos. Atividades investigativas. Conhecimento em rede.

Como Citar

FALCONI, S.; TOLEDO, M. C. M. de; CAZETTA, V. A contribuição do cotidiano escolar para a prática de atividades investigativas no ensino de solos. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 82–93, 2015. DOI: 10.20396/td.v9i2.8637396. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637396. Acesso em: 22 fev. 2024.

Resumo

Estudos na área de ensino de ciências revelam que as atividades investigativas exercem papel significativo na aprendizagem, tanto de alunos, quanto de professores. Este trabalho avalia atividades investigativas na formação continuada de professores nas escolas de São Paulo, a partir de dois pressupostos: (1) o ensino de solos é dificultado em área urbana, onde ele está normalmente encoberto; (2) atividades investigativas são essenciais para ensino de solos. Durante trabalho prévio com professores, constatamos que eles modificam as atividades sugeridas pelos pesquisadores de Educação, ao implementá-las em sala de aula. Para entender melhor como tais saberes se mesclam cotidianamente nas escolas, realizamos novo estudo com professores da 4ª série (atual 5º ano) do Ensino Fundamental em escola pública paulista. Os resultados mostram que as atividades investigativas favoreceram a aprendizagem dos alunos sobre o conteúdo solos, tanto na aquisição de habilidades científicas, como no desenvolvimento de oralidade e capacidade de redação. Transformou-se a relação com o conhecimento acerca do solo, que se tornou elemento formativo para alunos e professores. Além disso, as atividades desencadearam o ensino por temáticas, rompendo a fragmentação do conhecimento e tecendo conhecimento em rede.

https://doi.org/10.20396/td.v9i2.8637396
PDF

Referências

ALVES, N. 1999. O sentido da escola. Rio de Janeiro: Editora DP&A.

ALVES, N., MACEDO, E., OLIVEIRA, I.B., MANHÃES, L.C. orgs. 2002. Criar currículo no cotidiano. São Paulo: Cortez.

ARNAY, J. 2002. Reflexões para um debate sobre a construção do conhecimento na escola: rumo a uma cultura científica escolar. In: RODRIGO, M.J., ARNAY, J. orgs. Conhecimento cotidiano, escolar e científico: representação e mudança. São Paulo: Ática..

ATHAYDE, B.A.C. C., FALCONI, S., MATOS, K.F.O., BORGES, R.C.P. 2008a. Análise da Avaliação Diagnóstica do Projeto Mão Na Massa - Iniciação Científica No Ciclo I – Parceria entre Estação Ciência e Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. In: IV Seminário Nacional do Programa ABC na Educação Científica - Mão na Massa. Cad. Res...São Paulo. 28 e 29 de novembro. p. 133-137.

ATHAYDE, B.A.C. C., FALCONI, S., MATOS, K.F.O., BORGES, R.C.P. 2008b. Ensino de Ciências por Investigação: Uma reflexão sobre o procedimento didático nas formações da Estação Ciência – Projeto ABC na Educação Científica – Mão na Massa. In: IV Seminário Nacional do Programa ABC na Educação Científica - Mão na Massa. Cad. de Res... São Paulo. 28 e 29 de novembro. p. 219-225.

AZEVEDO, M.N. 2008. Pesquisa-ação e atividades investigativas na aprendizagem da docência em ciências. São Paulo. São Paulo: Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo. (Dissert. Mestrado).

BONITO, J.M. 1996. Na procura da definição do conceito de “Actividades Práticas”. IX Simpósio sobre la Enseñanza de la Geologia. Enseñanza de lãs Ciências de la Tierra. Extra. p. 8-12.

BRONOWISK, J. 1998. O olho visionário, ensaio sobre a arte, literatura e ciências. Brasília: Ed. UNB.

CERTEAU, M., GIARD, L., MAYOL, P. 2009. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

CHARPAK, G., LENA, P., QUÉRÉ, Y. 2006. Los niños y la ciência: La ventura de La mano em La massa. Buenos Aires, Siglo XXI Editores Argentina.

FALCONI, S. 2004. Produção de Material Didático para o Ensino de Solos. São Paulo. Rio Claro. Instituto de Geociências e Ciências Exatas. UNESP. (Dissert. Mestrado).

FALCONI, S., ATHAYDE, B.A.C.C., MOZENA, É.R. 2007. A Formação de Professores em serviço, conjugada ao acompanhamento nas escolas, como fonte de reestruturação de ações e de materiais didáticos: O Tema Solos no Primeiro Ciclo do Ensino Fundamental. Anais do I Simpósio de Pesquisa em Ensino eHistória de Ciências da Terra e III Simpósio Nacional sobre Ensino de Geologia no Brasil. Campinas/SP.

FALCONI, S. 2011. Percursos formativos na produção de conhecimento escolar sobre solos nos primeiros anos do ensino fundamental. São Paulo. Campinas: Inst. Geoc. UNICAMP. (Tese Doutorado). URL: http://cutter.unicamp.br/document/index.php?did=48496&opt=4.

FERRAÇO, C.E. 2002. Redes entre saberes, espaços e tempos. In: ROSA, D.E.G., SOUZA, V.C. Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Anais XI ENDIPE. Rio de Janeiro: DP&A.

FERRAÇO, C.E. org. 2008. Cotidiano escolar, formação de professores (as) e currículo. 2a ed. São Paulo: Cortez.

GHEDIN, E., FRANCO, M.A.S. 2008. Questões de método na construção da pesquisa em educação. São Paulo: Cortez.

HAMBURGER, E. W. 2007. Apontamentos sobre Ensino de Ciências nas séries escolares iniciais. Estudos Avançados, 21(60). Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v21n60/a07v2160.pdf>. Acesso: junho de 2007.

MATHEWS, M.R. 1994. Historia, filosofia y enseñanza de Lãs Ciências: La Aproximación Actual. Enseñanza de Las Ciências, 12(2).

MURARO, D. N. s/d. Filosofia e Educação Reflexiva. HYPERLINK http://www.philosletera.org.br/”mailto:fsm.ifep@philosletera.org.br/. Acesso: 13/03/2008.

MUSTELIER, L.I. 2006. El Rol Del Profesor. Psicologia On Line: Formación, Autoayuda y Consejo On Line, España. URL: http://www.psicologia-online.com/articulos/2006/rol_profesor.shtml.

NONO, M.A. 2001. Aprendendo a ensinar: futuras professoras das séries iniciais do ensino fundamental e casos de ensino. São Paulo. São Carlos: C. Educ. Ciênc. Humanas, Univ. Fed. de São Carlos. (Dissert. Mestrado).

OIAGEN, E.R. 1993. Ciências: ajudando na formação do aluno. É fundamental desenvolver habilidades. Porto Alegre, Revista do Professor, 9(33):22-27.

OLIVEIRA, I.B. 2003. Currículos praticados: entre a regulação e a emancipação. 1.ed. Rio de Janeiro: Editora DP&A.

OLIVEIRA, I. B. e SGARBI, P. 2008. Estudos do cotidiano & Educação. Belo Horizonte: Autêntica.

PACCA, J.L.A., VILLANI, A. 2000. La competência dialógica del professor de ciências em Brasil. Enseñanza de las Ciencias, 18(1):95-104. URL: http://ddd.uab.es/pub/edlc/02124521v18n1p95.pdf.

SILVA, M.A.S.S. (Coord.). 1995. Raízes e Asas: Como ensinar: um desafio. Fascículo 6. Centro de Pesquisas para Educação e Cultura. São Paulo: CENP.

ZANON, D.A.V., FREITAS, D. 2007. A aula de ciências nas séries iniciais do ensino fundamental: ações que favorecem a sua aprendizagem. Rio de Janeiro, Ciência & Cognição, 10(ano 04): 93-103.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.