A determinação da idade das rochas

  • Celso Dal Ré Carneiro Universidade Estadual de Campinas
  • Ana Maria Pimentel Mizusaki Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Fernando Flávio Marques de Almeida Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Idade das rochas.

Resumo

Em pouco mais de 200 anos, a idade da Terra admitida pela ciência passou de alguns milhares para cerca de 4,56 bilhões de anos. Muitas analogias são empregadas para facilitar a compreensão dos conceitos de tempo profundo ou abismo do tempo mas, não obstante, essas idéias permanecem de difícil assimilação, pois as escalas e relações envolvidas são incomuns e freqüentemente complexas. A profunda inflexão no pensamento, e até mesmo na perspectiva humana, sobre a idade da Terra, decorre do amadurecimento da Geologia como ciência. Métodos específicos são necessários para determinação de idades de rochas e sua aplicação mais direta: o estudo do tempo geológico. Os métodos estratigráficos, paleontológicos e geocronológicos são empregados
muitas vezes de forma integrada, para garantir resultados confiáveis; constituem parte essencial do conceito moderno de Geociências ou de Ciências da Terra. É conveniente fazer um estudo dos princípios teóricos e das principais - e acaloradas - polêmicas envolvidas, para se compreender de que modo o conhecimento acumulado a partir desses princípios e métodos tornou o planeta tão antigo; são idéias que afetaram profundamente a visão atual sobre a duração e permanência da espécie humana na Terra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celso Dal Ré Carneiro, Universidade Estadual de Campinas

Professor do Departamento de Geociências Aplicadas ao Ensino
Instituto de Geociências, UNICAMP.

Ana Maria Pimentel Mizusaki, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Paleontologia e Estratigrafia Instituto de Geociências - UFRGS.

Fernando Flávio Marques de Almeida, Universidade de São Paulo
Professor aposentado da Escola Politécnica.

Referências

Ager, D.V. 1963. Paleoecology. An introduction to the study of how and where animals and plants lived in the past. New York: McGraw-Hill. 371p.

Albritton Jr., C.C. 1989. Catastrophic episodes in earth history. London: Chapman & Hall, 221p.

Almeida, F.F.M. de; Carneiro, C.D.R. 1995. Geleiras no Brasil e os parques naturais de Salto e Itu. Ciência Hoje, 19(112):24-31. Agosto.

Almeida, F.F.M. de; Carneiro, C.D.R. 1998. Botucatu: o grande deserto brasileiro. Ciência Hoje, 24 (143):36-43. Outubro.

Almeida, F.F.M. de; Carneiro, C.D.R. 2004. Inundações marinhas fanerozóicas no Brasil e recursos minerais associados. In: Mantesso Neto, V.; Bartorelli, A.; Carneiro, C.D.R.; Brito-Neves, B. B. orgs. 2004. Geologia do Continente Sul-Americano: Evolução da obra de Fernando Flávio Marques de Almeida. São Paulo: Beca. p. 43-60. (Cap. 3).

Alvarez, L.W.; Alvarez, W.; Asaro, F.; Mitchel, H.V. 1980. Extraterrestrial cause for Cretaceous/Tertiary extinction. Science, 208:1095-1109.

Arthur, M.A. 1993. When words collide: the end Cretaceous global crisis. Earth and Mineral Sciences, 62(1):3-12

Attendorn, H.G.; Bowen, R.N.C. 1997. Radioactive and stable isotope Geology. London: Chapman & Hall, 522p.

Bradshaw, M.J. 1973. A new geology. London: Hodder and Stoughton Educ., 280p.

Carneiro, C.D.R.; Almeida, F.F.M. de. 1989. Vulcões no Brasil. Ciência Hoje, 11(62):29-36.

Carneiro, C.D.R.; Brito-Neves, B.B. de; Amaral, I.A. do; Bistrichi, C.A. 1994. O Atualismo como princípio metodológico em Tectônica. Bol. Geoc. Petrobrás, 8(2/4):275-293.

De Paolo, D.J.; Wasserburg, G.J. 1976. Inferences about magma sources and mantle structure from variations 143Nd/144Nd. Geophys. Res. Letters, 3:743-746.

De Paolo, D.J. 1981. Neodimium isotopes in the Colorado Front Range and crust-mantle evolution in the Proterozoic. Nature, 291:193-196.

Dickin, A.P. 1995. Radiogenic isotope geology. Cambridge: Cambridge University Press. 490p.

Duarte, O.O. 1997. Dicionário enciclopédico Inglês-Português de Geofísica e Geologia. Ed. Prel. Rio de Janeiro: Petrobras. 304p.

Eicher, D.L.; McAlester, A.L. 1980. History of the Earth. Englewood Cliffs: Prentice-Hall. 413p.

Eicher, D.L. 1969. Tempo geológico. São Paulo: Blücher/Edusp. (série Textos Básicos de Geociência).

Erwin, D.H 1996. The mother of mass extinctions. Scientfic American, p. 56-62. July. Foster, R.; Skinner, B.J. 1977. Physical geology. 2 ed. New York: J. Wiley.

Gaessner, M.F. 1984. The down of animal life. Cambridge: Cambridge University Press.

Geyh, M.A.; Schleicher. 1992. Absolute age determination. Berlin: Springer-Verlag. 503p.

Gohau, G. 1991. A history of Geology. New Brunswick: Rutgers Univ. Press. 259p. (rev. and transl. from the French by A.V. Carozzi & M. Carozzi).

Gould, S.J. 1965. Is Uniformitarianism Necessary? Am. J. Sci., 263:223-228.

Gould, S.J. 1967. Is Uniformitarianism Useful? In: Cloud, P. ed. 1970. Adventures in Earth History. San Francisco: Freeman. p. 51-53.

Gould, S.J. 1984. Toward the vindication of punctuational change. In: Berggren, W.A. & Van

Couvering, J.A. eds. Catastrophes and Earth history. Princeton: Princeton Univ. Press. p. 9-34.

Gould, S.J. 1987. Seta do tempo. Ciclo do tempo. São Paulo: Cia. das Letras. 221p.

Gradstein, F.M.; Ogg, J.G.; Smith, A.G.; Bleeker W.; Lourens, L.J. 2004. A New Geologic Time Scale, with special reference to Precambrian and Neogene. Episodes, 27(3):83-100.

Gretener, P.E. 1984. Reflections on the rare event and related concepts in geology. In: Berggren, W.A. & Van Couvering, J.A. eds. 1984. Catastrophes and Earth history. Princeton: Princeton Univ. Press. p. 77-89.

Guidon, N.; Pessis, A.-M. 1999. Datações em Arqueologia. In: SBPC. Tempo e Espaço (série Ciência Hoje na Escola), livro 7, p. 20-24.

Hellman, H. 1999. Grandes debates da ciência: dez das maiores contendas de todos os tempos. Trad. Marques, J.O.A., original de 1998. São Paulo: Unesp. 277p.

Holmes, A. 1923. A idade da Terra. Introdução às teorias geológicas. Trad. Correia, A.M. Lisboa: Ed. Inquérito. (Série F Ciência IV).

Hooke, R.L. 2000. On the history of humans as geomorphic agents. Geology, 28(9):843-846.

Hsü, J.K. 1980. Terrestrial catastrophe caused by cometary impact at the end of Cretaceous. Nature, 265 : 201-203.

Lolson, E.C. 1982. Extintions of Permian and Triassic non-marine vertebrates. In: Silver, L.T. & Schultz P.H. eds. Geological implications of impacts of large asteroids and comets on the Earth. Geol. Soc. Am. Spec. Paper, 190:501-511.

Mizusaki, A.M.P.; Carneiro, C.D.R.; Almeida, F.F.M. de. 2000. As idades das rochas. In: Carneiro, C.D.R. (Editor cient.). 2000. Geologia. São Paulo: Global/SBPC Projeto Ciência Hoje na Escola. 80p. (Série Ciência Hoje na Escola, v. 10).

Nir, D. 1983. Man, a Geomorphological agent. Jerusalem, Israel: Keter Publ. House. 165p.

Pedrinaci, E.; Sequeiros, L. 1994. El concepto de tiempo geológico: orientaciones para su tratamiento en la Educación Secundária. Rev. de la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 2(1):240-251.

Popp, J.H. 1987. Introdução ao estudo da estratigrafia e da interpretação de ambientes de sedimentação. Curitiba: Scientia et Labor. 323p.

Poupeau, G. 1980. Fission track dating. Ciência e Cultura, 33(3):325-352.

Press, F.; Siever, R. 1986. Earth. 4 ed. New York: Freeman.

Read, H.H.; Watson, J. 1968. Introduction to Geology. 2 ed. London: Macmillan. 693p. (v.1, Principles)

Rohn. R. 2000. Uso estratigráfico dos fósseis e tempo geológico. In: Carvalho, I.S. Paleontologia. Rio de Janeiro: Ed. Interciência. p. 47-59.

Sepkoski Jr., J.J. 1982. Mass extintions in the Phanerozoic oceans: a review In: Silver, L.T. & Schultz, P.H., eds. Geological implications of impacts of large asteroids and comets on the Earth. Geol. Soc. Am. Spec. Paper, 190:283-289.

Sepkoski Jr., J.J. 1986. Phanerozoic overview of mass extinction, In: Raup, D.M. & Jablonski, D. eds. Patterns and Processes in the History of Life. Berlin: Springer-Verlag. p. 277-295.

Sequeiros, L.; Pedrinaci, E.; Berjillos, P. 1996. Como enseñar y aprender los significados del tiempo geológico: algunos ejemplos. Rev. de la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 4(2):113-119.

Svitl, K.A. 1998. Probing the Past. Discover, 19(1):96-101.

Tarbuck, E.J.; Lutgens, F.K. 1996. Earth. An introduction to physical geology. New Jersey: Prentice-Hall. 605p.

Van Loon, A.J. 2001. Changing the face of the Earth. Earth-Science Reviews, 52:371-379.

Weiner, J. 1988. O Planeta Terra. São Paulo: Martins Fontes. 361p.

Zanda, B. 1996. Les meteorites. Le dossier. Geochronique, 60:12-19.

Publicado
2015-06-30
Como Citar
Carneiro, C. D. R., Mizusaki, A. M. P., & Almeida, F. F. M. de. (2015). A determinação da idade das rochas. Terrae Didatica, 1(1), 6-35. https://doi.org/10.20396/td.v1i1.8637442
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 4 5 > >>