Abordagem da escala espacial no ensinoaprendizagem do relevo

Autores

  • William Zanete Bertolini Universidade Federal de Minas Gerais
  • Vilma Lúcia Macagnan Carvalho Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v6i2.8637452

Palavras-chave:

Relevo. Ensino. Escala espacial.

Resumo

O objetivo principal deste artigo é o de apresentar proposta de abordagem do relevo na escola básica sob a perspectiva de suas formas típicas e apresentadas em diferentes escalas. Tomando como referência o relevo de Belo Horizonte, inicia-se pela escala local das formas (ou seja, do concreto), para a escala regional, atingindo assim os níveis mais abstratos de compreensão do relevo. A proposta explora conceitos geomorfológicos e envolve a linguagem visual mediante o uso de fotografias oblíquas para a escala local e modelos digitais de terreno e mapas para representar a escala regional no processo de ensino e aprendizagem da geomorfologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

William Zanete Bertolini, Universidade Federal de Minas Gerais

Departamento de Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, IGC/UFMG.

Vilma Lúcia Macagnan Carvalho, Universidade Federal de Minas Gerais

Departamento de Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, IGC/UFMG. 

Referências

Brasil. Ministério da Educação. 1998. Secretaria da Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais.: Ensino Fundamental. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. 2006. Secretaria da Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. v.3. Brasília: MEC.

Carvalho A.L.P. 2004. Necessidades na produção acadêmica em Geomorfologia Escolar. In: Simpósio Nacional de Geomorfologia, 4, São Luís, MA, 2004. Anais IV Simpósio Nacional de Geomorfologia., São Luís, Universidade Federal do Maranhão, v.2. Castro I.E.de. 2006. O problema da escala. In: Castro I.E.de, Gomes P.C.C., Corrêa R.L. orgs. Geografia: conceitos e temas. 8a ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil. p.117-140.

Gonçalves P.W. 2001. Saberes pedagógicos: atividade docente em Geografia. In: Reunião Anual da ANPED, 24 Caxambu, 2001. Anais... Caxambu, ANPED. p. 1-16. (CD-ROM).

Gonçalves P.W., Sicca N.A.L. 2005. O que os professores pensam sobre geociências e educação ambiental? (Levantamento exploratório de concepções de professores de Ribeirão Preto (SP). São Paulo, Geologia USP, 3(Publ. Esp.):97-106.

Graves N.J. 1985. La enseñanza de la geografia. Madrid: Visor Libros.

Lacoste Y. 1997. A geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 4 ed.São Paulo, Ed. Papirus.

Le Sann J.G. 1989. Elaboration d’un materiel pedagogique pour l’apprentissage de notions geographiques de base, dans les classes primaires, au Bresil: une proposition à partir des apports théoriques de la géographie, de la pédagogie, de la psychologie et de la graphique. École des Hautes Etudes en Sciences Sociales. (Thèse de Doctorat – vol. 1).

Orion N., Trend R. 2009. Thinking and learning in the Geosciences (editorial). Journal of Geoscience Education, 57(4): 222-223.

Pedrinaci E., Berjillos P. 1994. El concepto de tiempo geológico: orientaciones para su tratamiento en la educación secundaria. Rev. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra. 2(1): 240-251.

Reynolds S.J., Peacock S.M. 1998. Slide observations – promoting active learning, landscape appreciation, and critical thinking in introductory geology courses. Journal of Geoscience Education, 46: 421-426.

Sanchez E., Prieur M., Devallois D. 2004. L’enseignement des sciences de la Terre en clas-

se de seconde: pratiques de classes, difficultés, perspectives pour la formation. Institut Natio-

nal de Recherche Pédagogique – Rapport de Recherche. France 48 p. URL: http://www.inrp.fr/Acces/biotic/enqueteST/Textes/Rapport_de_recherche_enquete_enseignement_geologie0504.pdf. Acesso: 01.06.2009.

Silva H.C.da., Zimmermann E., Carneiro M.H.da.S., Gastal M.L., Cassiano W.S. 2006. Cautela ao usar imagens em aulas de ciências. Rev. Ciência e Educação. 12(2): 219-233.

Souza C. J.de.O. 2009. Geomorfologia no ensino superior: interessante, mas difícil! Por quê?

Uma discussão a partir dos conhecimentos e das dificuldades entre alunos de geografia. Universidade Federal de Minas Gerais – Instituto de Geociências, Belo Horizonte. 228 f. (Tese de Doutorado).

Vieira E.F.C. 2001. Produção de material didático utilizando ferramentas de Geoprocessamento. Belo Horizonte: Univ. Fed. Minas Gerais, Depto. Cartografia. (Monogr. Espec.).

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

BERTOLINI, W. Z.; CARVALHO, V. L. M. Abordagem da escala espacial no ensinoaprendizagem do relevo. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 58–66, 2015. DOI: 10.20396/td.v6i2.8637452. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637452. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos