Banner Portal
Abordagem da escala espacial no ensinoaprendizagem do relevo
PDF

Palavras-chave

Relevo. Ensino. Escala espacial.

Como Citar

BERTOLINI, William Zanete; CARVALHO, Vilma Lúcia Macagnan. Abordagem da escala espacial no ensinoaprendizagem do relevo. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 58–66, 2015. DOI: 10.20396/td.v6i2.8637452. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637452. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

O objetivo principal deste artigo é o de apresentar proposta de abordagem do relevo na escola básica sob a perspectiva de suas formas típicas e apresentadas em diferentes escalas. Tomando como referência o relevo de Belo Horizonte, inicia-se pela escala local das formas (ou seja, do concreto), para a escala regional, atingindo assim os níveis mais abstratos de compreensão do relevo. A proposta explora conceitos geomorfológicos e envolve a linguagem visual mediante o uso de fotografias oblíquas para a escala local e modelos digitais de terreno e mapas para representar a escala regional no processo de ensino e aprendizagem da geomorfologia.

https://doi.org/10.20396/td.v6i2.8637452
PDF

Referências

Brasil. Ministério da Educação. 1998. Secretaria da Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais.: Ensino Fundamental. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. 2006. Secretaria da Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. v.3. Brasília: MEC.

Carvalho A.L.P. 2004. Necessidades na produção acadêmica em Geomorfologia Escolar. In: Simpósio Nacional de Geomorfologia, 4, São Luís, MA, 2004. Anais IV Simpósio Nacional de Geomorfologia., São Luís, Universidade Federal do Maranhão, v.2. Castro I.E.de. 2006. O problema da escala. In: Castro I.E.de, Gomes P.C.C., Corrêa R.L. orgs. Geografia: conceitos e temas. 8a ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil. p.117-140.

Gonçalves P.W. 2001. Saberes pedagógicos: atividade docente em Geografia. In: Reunião Anual da ANPED, 24 Caxambu, 2001. Anais... Caxambu, ANPED. p. 1-16. (CD-ROM).

Gonçalves P.W., Sicca N.A.L. 2005. O que os professores pensam sobre geociências e educação ambiental? (Levantamento exploratório de concepções de professores de Ribeirão Preto (SP). São Paulo, Geologia USP, 3(Publ. Esp.):97-106.

Graves N.J. 1985. La enseñanza de la geografia. Madrid: Visor Libros.

Lacoste Y. 1997. A geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 4 ed.São Paulo, Ed. Papirus.

Le Sann J.G. 1989. Elaboration d’un materiel pedagogique pour l’apprentissage de notions geographiques de base, dans les classes primaires, au Bresil: une proposition à partir des apports théoriques de la géographie, de la pédagogie, de la psychologie et de la graphique. École des Hautes Etudes en Sciences Sociales. (Thèse de Doctorat – vol. 1).

Orion N., Trend R. 2009. Thinking and learning in the Geosciences (editorial). Journal of Geoscience Education, 57(4): 222-223.

Pedrinaci E., Berjillos P. 1994. El concepto de tiempo geológico: orientaciones para su tratamiento en la educación secundaria. Rev. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra. 2(1): 240-251.

Reynolds S.J., Peacock S.M. 1998. Slide observations – promoting active learning, landscape appreciation, and critical thinking in introductory geology courses. Journal of Geoscience Education, 46: 421-426.

Sanchez E., Prieur M., Devallois D. 2004. L’enseignement des sciences de la Terre en clas-

se de seconde: pratiques de classes, difficultés, perspectives pour la formation. Institut Natio-

nal de Recherche Pédagogique – Rapport de Recherche. France 48 p. URL: http://www.inrp.fr/Acces/biotic/enqueteST/Textes/Rapport_de_recherche_enquete_enseignement_geologie0504.pdf. Acesso: 01.06.2009.

Silva H.C.da., Zimmermann E., Carneiro M.H.da.S., Gastal M.L., Cassiano W.S. 2006. Cautela ao usar imagens em aulas de ciências. Rev. Ciência e Educação. 12(2): 219-233.

Souza C. J.de.O. 2009. Geomorfologia no ensino superior: interessante, mas difícil! Por quê?

Uma discussão a partir dos conhecimentos e das dificuldades entre alunos de geografia. Universidade Federal de Minas Gerais – Instituto de Geociências, Belo Horizonte. 228 f. (Tese de Doutorado).

Vieira E.F.C. 2001. Produção de material didático utilizando ferramentas de Geoprocessamento. Belo Horizonte: Univ. Fed. Minas Gerais, Depto. Cartografia. (Monogr. Espec.).

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.