Sobre Geoestatística e mapas

  • Paulo Milton Barbosa Landim Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Geoestatística. Krigagem ordinária. Mapeamento.

Resumo

A Geologia, até há bem pouco tempo, era freqüentemente considerada uma ciência baseada em interpretações puramente qualitativas dos fenômenos geológicos. Nos últimos 40 anos, porém, tem sido notável a mudança da fase descritiva para a utilização de métodos quantitativos, principalmente na área da Geologia Aplicada. Entre tantos temas relacionados com a quantificação em Geologia o assunto abordado neste artigo, que pretende ser de cunho didático, diz respeito à aplicação da Geoestatística na confecção de mapas geológicos. Na primeira parte do trabalho é feita uma introdução sobre os aspectos quantitativos na interpretação dos fenômenos geológicos, em seguida conceitos básicos sobre a metodologia geoestatística e, na última parte, uma aplicação clássica da geoestatística linear, baseada nos conceitos de estacionaridade da covariância e do variograma, para a confecção de mapas.

Biografia do Autor

Paulo Milton Barbosa Landim, Universidade Estadual Paulista
Departamento de. Geologia Aplicada Instituto de Geociência e Ciências Exatas Universidade Estadual Paulista – UNESP/Rio Claro.

Referências

Chilés J.P.; Delfiner P. 1999. Geostatistics: modeling spatial uncertainty. New York: John Wiley and Sons. 695p.

Clark I. 1979. Practical Geostatistics. London: Applied Science Publishers Ltd. 129p. http://uk.geocities.com/drisobelclark/practica.html. Último acesso: 24/12/2006.

Duval R.; L’Evy R.; Matheron G. 1955. Travaux de D. G. Krige sur l’évaluation des gisements dans les mines d’or Sud-africaines. Annales des Mines, Paris, 12:3-49.

Krige D.G. 1951. A statistical approach to some basic mine valuation problems on the Witwatersrand. Journal of the Chemical, Metallurgical and Mining Society of South Africa, Dec. 1951:119-139.

Guerra P.A.G. 1988. Geoestatística operacional. Rio de Janeiro: Departamento Nacional da Produção Mineral.

Houlding S.W. 2000. Practical Geostatistics: modeling and spatial analysis. Berlin: Springer Verlag. 159p.+CD.

Journel A.G., Huijbregts C.J. 1978. Mining Geostatistics. London: Academic Press. 600p.

Matheron G. 1962. Traité de Géostatistique Appliquée, Tome I: Mémoires du Bureau de Recherches Géologiques et Minières. Pairs: Editions Technip, vol. 14. Matheron G. 1963. Traité de Géostatistique Appliquée, Tome II : Mémoires du Bureau de Recherches Géologiques et Minières. Paris: Editions Technip, vol. 24.

Matheron G. 1965. Les variables régionalisées et leur estimation: une application de la théorie des fonctions aléatoires aux sciences de la nature. Paris: Masson et Cie.

Pannatier Y. 1996. Variowin. Software for Spatial Data Analysis in 2D. New York: Springer-Verlag. 91p + Disquete 3,5’. http://www-sst.unil.ch/research/variowin/index.html. Último acesso: 24/12/2006.

Valente J.M.G.P. 1982. Geomatemática. Lições de Geoestatística: Ed. Fundação Gorceix, vol. I-VIII.

Yamamoto J.K. (ed.) 2001. Avaliação e classificação de reservas minerais. São Paulo: Edusp.

Publicado
2015-06-30
Como Citar
Landim, P. M. B. (2015). Sobre Geoestatística e mapas. Terrae Didatica, 2(1), 19-33. https://doi.org/10.20396/td.v2i1.8637463
Seção
Artigos