A Olimpíada Brasileira de Geociências: contribuição para a popularização das Ciências da Terra

Autores

  • Aline Rocha de Souza Ferreira de Castro Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Eveline Milani Romeiro Pereira Aracri Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Marcia Cezar Diogo Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Patrícia Danza Greco Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Kátia Leite Mansur Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ismar de Souza Carvalho Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v11i2.8640715

Palavras-chave:

Geociências. Olimpíada de ciência. Divulgação científica. Educação em museus

Resumo

A questão ambiental assumiu importância fundamental no final do século XX, época na qual em muitos lugares da Terra despertou-se a consciência para os problemas globais de poluição e deterioração ambientais. Ciente disso, o Museu da Geodiversidade, pertencente ao Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro, procura contribuir com atividades educativas sobre temas das Ciências da Terra, sob um viés valorativo e preservacionista. A 1ª Olimpíada Nacional de Geociências ocorreu no ano de 2011, sob o tema "Geodiversidade: conhecer e conservar". Reuniram-se alunos e professores do Ensino Médio de todo o país, que puderam aprender mais sobre o planeta e as melhores formas de utilizar seus recursos de modo consciente. A Olimpíada, financiada pelo CNPq e patrocinada pela Petrobras, desenvolveu-se online nas três primeiras fases e presencial na última, realizando integração de representantes deste imenso país. Apesar das dificuldades encontradas, os resultados da atividade foram excelentes: maior problematização e diálogo sobre a temática ambiental relacionada às Geociências em território nacional, além de uma grande oportunidade de divulgação somada ao incentivo dos jovens em seguir carreiras científicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Rocha de Souza Ferreira de Castro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Bacharel em Museologia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) (2006); Mestre em Museologia e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) (2009); Especialista em Acessibilidade Cultural pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (2014) e Doutora em Ciências (Geologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (2014). Atualmente é museóloga do Museu da Geodiversidade (MGeo - IGEO - UFRJ), perita credenciada do Ministério da Cultura (MinC) desde 2010, pesquisadora do Laboratório de Estudos de Comunidades Paleozoicas (LECP - UNIRIO) e membro do Centro de Cultura e Estudos em Museologia e Patrimônio (CCEMP). Atua principalmente nos seguintes temas: Museologia, Conservação, Patrimônio Natural (com ênfase em Patrimônio Geológico e Geoconservação) e Museus Acessíveis.

Eveline Milani Romeiro Pereira Aracri, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre em Educação pela PUC-Rio, participante do GEPEM (Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação em Museus) sob orientação de Cristina Carvalho. Bacharel e Licenciada em Letras (Português/Inglês) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Técnica em Assuntos Educacionais do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio de Janeiro e professora licenciada nível II da Secretaria Municipal de Educação de Duque de Caxias; Áreas de Interesse: Projetos Educacionais, Educação não-formal, Educação a Distância, Ensino de Geociências, Educação de Jovens e Adultos.

Marcia Cezar Diogo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduação em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1996) e mestrado em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1999). Tem experiência na área de História, com ênfase em História Social. Atualmente, faz parte do quadro de servidores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), atuando no Núcleo GeoEducAtivo do Museu da Geodiversidade, desenvolvendo atividades cujo foco é a divulgação científica.

Patrícia Danza Greco, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestrado em História, especialização em História e Crítica das Artes no Século XX e bacharelado em Museologia. Atuou como Museóloga, Arte-Educadora, Mediadora e Professora Palestrante. Atualmente faz parte do quadro de servidores da UFRJ, ocupando o cargo de Museóloga, responsável pela coordenação das atividades relativas ao Museu da Geodiversidade. 

Kátia Leite Mansur, Universidade Federal do Rio de Janeiro

graduação em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1981) e doutorado pela mesma universidade (2010). Desde maio de 2011 é Professor Adjunto do Instituto de Geociências / Departamento de Geologia da UFRJ, ministrando as disciplinas de Geologia Geral e Tópicos em Ciências da Terra para o Curso de Bacharelado em Ciências Matemáticas e da Terra - BCMT e Geoconservação para o Curso de Geologia. Desde 2010 é professor colaborador do Curso de Especialização em Geologia do Quaternário do Museu Nacional da UFRJ. A partir de 2013 faz parte do corpo docente do PPGL - Programa de Pós-Graduação em Geologia do Departamento de Geologia - UFRJ. Tem experiência na área de Geologia Ambiental, Hidrogeologia, Geoconservação e Popularização da Ciência. Por 30 anos atuou no Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro - DRM-RJ, onde coordenou o Projeto Caminhos Geológicos desde sua inauguração em 2001 até 2011. Faz parte da coordenação do Projeto Caminhos de Darwin e do grupo de gestão da proposta do Geoparque Costões e Lagunas do Rio de Janeiro. Atualmente é Diretora do Museu da Geodiversidade. Em 2014 recebeu o Prêmio Monteiro Lobato da Sociedade Brasileira de Geologia pelo seu trabalho pela Popularização da Geologia.

Ismar de Souza Carvalho, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduação em Geologia pela Universidade de Coimbra (1984), mestrado em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1989) e doutorado em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1993). Atualmente é Professor Associado 2 da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-doutorado pela Universidade Estadual Paulista (1999). Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Paleontologia Estratigráfica, atuando principalmente nos seguintes temas: Cretáceo, paleoecologia, paleontologia, geologia e bacias sedimentares. Bolsista 1 B do CNPq e do Programa Cientistas do Nosso Estado – FAPERJ.

Referências

Castro A.R.S.F.de, Greco P.D., Pereira E.M.R., Diogo M.C., Carvalho I.S. 2011. O Museu da Geodiversidade (MGEO - IGEO/UFRJ) nos desafios

da sociedade contemporânea. In: Ismar de Souza Carvalho, Naendra Kumar Srivastava, Oscar Strohschoen Jr., Cecília Cunha Lana. orgs. 2011.

Paleontologia: cenários de vida. Rio de Janeiro: Interciência. v. 4, p. 829-842.

Castro A.R.S.F.de, Mansur K.L., Greco P.., Pereira E.M.R., Diogo M.C., Carvalho I.S. 2012. A museografia como ferramenta para a divulgação das Geociências: a experiência do Museu da Geodiversidade (MGeo - IGEO/UFRJ). In: Henriques M.H., Andrade A.I., Quinta-Ferreira M., Lopes F.C., Barata M.T., Pena dos Reis R., Machado A. orgs. 2012. Para aprender com a Terra. Coimbra: Imprensa da Univ. Coimbra. v. 2, p. 185-193.

Morin E. 2011. Introdução ao Pensamento Complexo. 4ª ed. Ed. Sulina. 120 p.

Downloads

Publicado

2015-09-23

Como Citar

CASTRO, A. R. de S. F. de; ARACRI, E. M. R. P.; DIOGO, M. C.; GRECO, P. D.; MANSUR, K. L.; CARVALHO, I. de S. A Olimpíada Brasileira de Geociências: contribuição para a popularização das Ciências da Terra. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 108–116, 2015. DOI: 10.20396/td.v11i2.8640715. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8640715. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)