Geologia nas Escolas de Ensino Básico: a experiência do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Autores

  • Cícera Neysi Almeida Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Creuza Araújo Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Edson Farias Mello Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v11i3.8643643

Palavras-chave:

Ensino em geociências. Divulgação científica. Recursos paradidáticos.

Resumo

A Geologia não é disciplina regular da educação básica no Brasil e seus conceitos não são populares, mas faz parte do cotidiano e ajuda as pessoas a compreender o meio em que vivem, podendo contribuir para melhorar o conhecimento de questões ambientais dentro e fora da escola. A Universidade, por vocação, deve multiplicador sua produção e repassar o conhecimento, minimizando a distância entre academia e sociedade. O Departamento de Geologia/IGEO/UFRJ oferece cursos de aperfeiçoamento para professores, visando divulgar o conhecimento geológico. As práticas interdisciplinares de ensino acerca de conceitos geológicos buscam contribuir para melhorar o ensino de Geociências na rede pública do Rio de Janeiro. Os recursos paradidáticos aproximam docentes e alunos da rede pública ao conhecimento, tendo sido capacitados cerca de 80 professores de vários municípios do Estado do RJ e distribuídas mais de 300 coleções de minerais e de rochas com guias explicativos. A Instituição torna-se agente de requalificação do ensino básico, fornecendo subsídios para atividades escolares e formando multiplicadores do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cícera Neysi Almeida, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Geologia pela Universidade Federal de Pernambuco (1989), mestrado em Geociências pela Universidade Federal de Pernambuco (1995) e doutorado em Geociências pela Universidade Federal de Pernambuco (1999).

Creuza Araújo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

CIEP Brizolão 386, Rio de Janeiro (RJ).

Edson Farias Mello, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Geologia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFRRJ (1981); mestrado em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (1991); e doutorado em Geociências pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2000).

Referências

Ausubel D.P. 1965. A cognitive structure view of word and concept meaning. In R.C. Anderson e D. Ausubel. Readings in the Psychology of Cognition. New York: Holt, Rinehart and Winston.

Ausubel D.P. 1968. Educational Psychology: Cognitive View. New York: Holt, Rinehart and Winston, Inc.

Bartelmebs R.C. 2012. A astronomia nos Anos Iniciais: Reflexões de Uma Comunidade de Prática.mIn: IX Semin. Pesq. Educ. Região Sul, Caxias do Sul. Anais ... p:1-16.

Brasil. 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. 1999. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Secr. Educação Média e Tecnológica (Semtec/MEC).

Brasil. Ministério da Educação. 2002. PCN+, Orientações Educacionais Complementares aos Parâ- metros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. 2007a. Guia de livros didáticos PNLD 2008: Geografia. Brasília: MEC.

Brasil. Ministério da Educação. 2007b. Guia de livros didáticos PNLD 2008: Ciências. Brasília: MEC. Brasil. Ministério da Educação. Secr. Educação Fundamental.

a. Parâmetros curriculares nacionais: Geografia. Brasília: MEC/ SEF.

Brasil. Ministério da Educação. Secr. Educação Fun damental. 1998b. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências. Brasília: MEC/ SEF.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. 1997. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais (v.1). Brasília: MEC/SEF.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M.; Almeida F.F.M. 2004. Dez motivos para a inclusão de temas de geologia na educação básica. Rev. Bras. Geoc., 34(4): 553-560.

Compiani M. 2005. Geologia pra que te quero no ensino de Ciências. Campinas: Educ. & Soc., (36):100-117.

Gentile P. 2014. Era uma vez o Sol, a Terra e a Lua...

Rev Nova Escola. http://revistaescola.abril.com.br/ciencias/pratica-pedagogica/era-vez-sol-terra- -lua-426157.shtml) Guimarães E.M. 2004. A contribuição da Geologia na construção de um padrão de referência do mundo físico na educação básica. Rev. Bras. Geoc., 34:87-94.

Imbernon R.A.L., Sígolo J.B., Toledo M.C.M.de. 1994. Análise crítica dos conhecimentos em Geociências de Alunos de 1º., 2º. E 3º. Graus e professores de 1º. E 2º. Graus. Primeiros Resultados. Cadernos IG/UNICAMP. Vol. Esp. (2).

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. 2013. http://www.inep.gov.br/. Página visitada em 30/10/2014.

Mansur K.L. 2009. Projetos Educacionais para a Popularização das Geociências e para a Geoconserva- ção. São Paulo: Geol. USP, Publ. espec., 5:63-74.

Martins A.R. 2008. Lá vem o sol. Revista Escola. (http:// revistaescola.abril.com.br/ciencias/fundamentos/ la-vem-sol-425975.shtml).

Mondéjar F.G. 2007. El Patrimonio Geológico: cultura social y ordenación del territorio. In: Congr.

Intern. Geologia Y Mineria em la Ordenación del Territorio Y en el Desarrollo, 1., Utrillas. Librillo Preliminar de Actas... Utrillas: SEDPGYM, p. 6-7.

Novak J.D., Gowin D.B. 1999. Aprender a aprender. 2 ed. Trad. Carla Valadares. Portugal: Plátano Ed. Técn.

Pedemonte G.M. 1992. La didattica delle scienze della Terra: alcuni problemi modali per l`insegnamento e l´apprendimento. Annali della pubblica intruzione, 38(5-6):579-592.

PISA. Programa Internacional para Avaliação de Alunos. s.d. www. http://pisa2009.acer.edu.au/downloads.php (página visitada em 07/06/2012).

Rio de Janeiro. Secretaria de Estado de Educação. 2009a. Orientações curriculares: áreas específicas/ Geografia. Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro. Secretaria de Estado de Educação. 2009b. Orientações Curriculares: Áreas Específicas/ Ciências. Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro. Secretaria de Estado de Educação. 2010a. Proposta curricular: um novo formato/Geografia. Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro. Secretaria de Estado de Educação. 2010b. Proposta curricular: um novo formato/Ci- ências, Biologia, Física e Química. Rio de Janeiro.

Santana J.C.B. Barbosa L.M. 1996. A realidade do ensino de Geociências no 2º Grau em Feira de Santana, Bahia. Rev. Bras. Geoc., 23(1):98-106.

RESUMO : A Geologia não é disciplina regular da educação Toledo M.C.M. 2002. Geologia/Geociências no Ensino. In: Semin. Nac. Cursos de Geologia. Campinas: Univ. Est. Campinas.

Uceda A.C. 1996. El Patrimonio Geologico. Ideas para su Protección, Conservación y Utilización. In: MOPTMA. Min. Obr. Públ. Tranp. Med. Amb. El patrimonio geológico. Bases para su valoración, protección, conservación y utilización. Madrid.p.17-27.

Downloads

Publicado

2016-02-26

Como Citar

ALMEIDA, C. N.; ARAÚJO, C.; MELLO, E. F. Geologia nas Escolas de Ensino Básico: a experiência do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 150–161, 2016. DOI: 10.20396/td.v11i3.8643643. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8643643. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos