Banner Portal
Exposição de conteúdos geocientíficos como possibilidade de Educação em Patrimônio Geológic
PDF

Palavras-chave

Geodiversidade. Educação geocientífica. Patrimônio geológico.

Como Citar

LICCARDO, A.; PIMENTEL, C. S.; GUIMARÃES, G. B.; PIDHORODECKI, G.; ALMEIDA, S. A. de; ALESSI, S. M.; OLIVEIRA, M.; CARNEIRO, R. T. Exposição de conteúdos geocientíficos como possibilidade de Educação em Patrimônio Geológic. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 182–188, 2016. DOI: 10.20396/td.v11i3.8643646. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8643646. Acesso em: 3 mar. 2024.

Resumo

No âmbito do projeto “Geodiversidade na Educação”, uma exposição de material geológico com caráter museológico foi criada em áreas de passagem do Setor de Ciências Exatas e Naturais da UEPG, utilizando a reserva técnica do Laboratório de Geologia. Buscando aproximar o conhecimento acadêmico do público geral, foram expostos minerais, rochas, fósseis, meteoritos e artefatos arqueológicos de maneira a disponibilizar um interessante e variado acervo. Com uma visitação anual de cerca de 2000 pessoas, entre escolas municipais, faculdades, público leigo e alunos e professores da própria instituição, a análise de questionários de avaliação permitiu a inferência de ajustes quanto à linguagem e verificação de alguns resultados, como o impacto nas aulas convencionais. A incorporação de conceitos sobre patrimônio referentes ao meio ambiente é muito efetiva quando se valoriza a informação; as amostras permitiram a conexão da informação com o ambiente externo natural. Vistas como “pedaços da geodiversidade”, as amostras do acervo foram sensivelmente enfatizadas e a exposição de seus dados técnicos conduziu a uma sensibilização em relação aos conceitos de patrimônio geológico.

https://doi.org/10.20396/td.v11i3.8643646
PDF

Referências

Arantes V.A. org. 2008. Educação formal e não formal. São Paulo: Summus. p.15-58.

Brasil. Ministério da Educação. 2006. Orientações curriculares para o ensino médio. Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Ministério da Educação. Educação Básica.

Bianconi M.L., Caruso F. 2005. Apresentação educa- ção não formal. Ciência & Cultura, 57(4):20-20.

Chagas I. 1993. Aprendizagem não formal/formal das ciências: relação entre museus de ciências e as escolas. Revista de Educação, 3(1):51-59.

Falk J.H., Dierking L.D. 2002. Lessons without limit. How free-choice learning is transforming education. Walnut Creek: AltaMira Press. 211p.

Fernández F.S. 2006. El aprendizaje fuera de la escuela. Tradición del pasado y desafio para el futuro. Madrid: Ediciones Académicas. 426p.

Garcia V.A. 2005. Um sobrevoo: o conceito de educa- ção não formal. In: Park M.B., Fernandes R.S. 2005. Educação não formal. contextos, percursos e sujeitos. Campinas: Unicamp/CMU, Ed. Setembro. p.19-43.

Gohn M.G. 1999. Educação não formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez. (Col. Questões de Nossa Época, v.71).

Liccardo A., Guimarães G.B. 2014. Geodiversidade na Educação. Ponta Grossa: Estúdio Texto. 136p.

Mansur K.L. 2009. Projetos educacionais para a popularização das Geociências e para a geoconservação. Geol. USP, Publ. esp., 5:63-74.

Oliveira R.I.R, Gastal M.L.A. 2009. Educação formal fora da sala de aula. Olhares sobre o ensino de ciências utilizando espaços não formais. In: Enc.

Nac. Pesq. Educ. Ciências, 7, Florianópolis. 2009. Anais... Florianópolis, ENPEC.

Ponciano L.C.M.O., Castro A.R.S.F, Machado, D.M.C., Fonseca V.M.M., Kunzler J. 2011. Pa trimônio Geológico-Paleontológico in situ e ex situ: definições, vantagens, desvantagens e estratégias de conservação. In: Carvalho I.S., Srivastava N.K, Strohschoen Jr. O., Lana C.C. Paleontologia. Cenários da Vida. Rio de Janeiro: Ed. Interciência. 880p.

Smith M.K. 2001. ‘What is non-formal education?’ The encyclopaedia of informal education. URL: http:// infed.org/mobi/what-is-non-formal-education. Acesso 01.12.2014.

Vieira V., Bianconi M.L., Dias M. 2005. Espaços não formais de ensino e o currículo de Ciências. Ciência & Cultura, 57(4):21-2

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.