A utilização de lavras desativadas como laboratórios naturais para ensino de Geociências: exemplos de Diamantina

  • Matheus Kuchenbecker Universidade Federal de Minas Gerais
  • Daniel Galvão Carnier Fragoso Universidade Petrobrás
  • Júlio Carlos Destro Sanglard Universidade Petrobras
  • Lúcia Maria Fantinel Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Potencial didático. Diamantina. Sedimentologia. Estratigrafia

Resumo

O fechamento inconsequente de empreendimentos de mineração constitui um tema atual de preocupação ambiental e social, o que tem levado à crescente discussão a respeito dos "usos futuros de áreas mineradas". Neste trabalho, apresenta-se o grande potencial didático de algumas lavras desativadas, e propõe-se sua utilização enquanto labratórios naturais para o ensino de Geociências. Utiliza-se, para tanto, o exemplo de Diamantina (MG), onde abundam antigas lavras de diamante, há muito desativadas. No interior de lavras desativadas é frequente a instalação de sistemas sedimentares dinâmicos, onde vários processos diferentes atuam simultaneamente. Nestes sistemas, observam-se processos e produtos sedimentares em diferentes ambientes e contextos, o que configura a situação ideal para o ensino básico e avançado de temas relacionados à sedimentologia, estratigrafia e geomorfologia. Através das feições observadas, é possível a realização de uma profunda análise escalar, discutindo-se diferenças e similaridades com ambientes de sedimentação em tamanho real. Além disso, a existência simultânea nas lavras de processos, produtos recentes e estruturas sedimentares antigas oferece uma excelente oportunidade para a discussão dos princípios do atualismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Kuchenbecker, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutor em Geologia Regional pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é Professor Adjunto do curso de Engenharia Geológica da UFVJM e Professor do Programa de Pós Graduação em Geologia da UFMG. É integrante da equipe do Centro de Geologia Eschwege (UFMG) e pesquisador do Centro de Pesquisas Professor Manoel Teixeira da Costa (UFMG), onde realiza mapeamento geológico regional e pesquisas em geotectônica, estratigrafia e geologia estrutural. 
Daniel Galvão Carnier Fragoso, Universidade Petrobrás
Graduação em Geologia e Mestrado em Geologia Regional pela Universidade Federal de Minas Gerais, onde desenvolveu atividades de pesquisa relacionadas principalmente a mapeamento geológico, evolução de bacia e estratigrafia de sequências, e atividades voltadas para ensino: docência em aulas teóricas e práticas, orientação de trabalhos de graduação e em estágios supervisionados no Centro de Geologia Eschwege. Atualmente trabalha como geólogo na UNIVERSIDADE PETROBRAS. 
Júlio Carlos Destro Sanglard, Universidade Petrobras

Graduação em Geologia e mestrado em Geologia Econômica e Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente trabalha como geólogo na PETROBRAS na área de treinamento em exploração e produção de hidrocarbonetos.

Lúcia Maria Fantinel, Universidade Federal de Minas Gerais
Graduação em Geologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestrado em Geociências pela Universidade Estadual de Campinas e doutorado em Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

Accioly S.M.L. 2012. Uso futuro de áreas mineradas e o meio urbano: o caso de Águas Claras. Belo Horizonte: Inst. Geoc. UFMG. 173p. (Dissert. Mestrado) Almeida-Abreu P.A. 1995. O Supergrupo Espinhaço da Serra do Espinhaço Meridional, Minas Gerais: o rifte, a bacia e o orógeno. Geonomos, 3(1):1-18.

Almeida-Abreu P.A. 1996. O caminho das pedras. Geonomos, 4(1):77-93.

Chaves M.L.S.C., Meneghetti Filho I. 2002. Conglomerado Diamantífero Sopa, Região de Diamantina, MG: Marco histórico da mineração do diamante no Brasil. In: Schobbenhaus C., Campos D.A., Queiroz E.T., Winge M., Berbert-Born M.L.C. eds. 2002. Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. 1. ed. Brasília: DNPM/CPRM, Com. Bras. Sítios Geol. Paleobiol. (SIGEP). p. 517-527.

Chaves M.L.S.C., Dupon H., Karfunkel J., Svisero D.P. 1993. Depósitos diamantíferos de Minas Gerais: uma revisão. In: Simpósio Brasileiro de Geologia do Diamante, 1, Cuiabá, Anais..., 1:79-100.

Chaves M.L.S.C., Karfunkel J., Hoppe A., Hoover D.B. 2001. Diamonds from the Espinhaço Ran ge (Minas Gerais, Brazil) and their redistribution through the geological record. J. South Am. Earth Sci., 14:277-289.

Dussin I.A., Dussin T.M. 1995. Supergrupo Espinha- ço: modelo de evolução geodinâmica. Geonomos, 3(1):19-26.

Fogaça A.C.C. 1996. Mapa geológico da Folha Diamantina 1:100.000. Projeto Espinhaço. COMIG/UFMG.

Gonçalves C.S. 2012. Diamantina: breve relato de sua formação. Arq.Urb., 8:38-59.

Knauer L.G. 2007. O Supergrupo Espinhaço em Minas Gerais: considerações sobre sua estratigrafia e seu arranjo estrutural. Geonomos, 15(1):81-90.

Knauer L.G., Fogaça A.C.C. 1996. Mapa geológico da Folha Presidente Kubitschek 1:100.000. Projeto Espinhaço. COMIG/UFMG.

Knauer L.G., Grossi Sad J.H. 1996. Mapa geológico da Folha Serro 1:100.000. Projeto Espinhaço. COMIG/UFMG.

Kuchenbecker M., Pedrosa-Soares A.C., Babinski M., Fanning M. 2015. Detrital zircon age patterns and provenance assessment for pre-glacial to post-glacial successions of the Neoproterozoic Macaúbas Group, Araçuaí orogen, Brazil. Precambrian Research 266:12-26.

Lopes-Silva L., Knauer L.G. 2011. Posicionamento Estratigráfico da Formação Bandeirinha na Região de Diamantina, Minas Gerais: Grupo Costa Sena ou Supergrupo Espinhaço?. Geonomos 19(2):131-151.

Machado N., Schrank A., Abreu F.R., Knauer L.G., Almeida-Abreu P.A. 1989. Resultados preliminares da geocronologia U-Pb na Serra do Espinha- ço Meridional. In: Anais do Simp. Geol. Minas Gerais, 5, 2007., v. 5, p. 171-174.

Marcondes F°., E., Batista G.T., Targa M.S., Soares P.V. 2007. O uso futuro das áreas de mineração de areia no sub-trecho compreendido entre Jacareí e Pindamonhangaba, SP e sua inserção na dinâmica local e regional. Anais do Seminário de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul: o Eucalipto e o Ciclo Hidrológico, Taubaté-SP, 1:139-146.

Matta P.M. 2006. O garimpo na Chapada Diamantina e seus impactos ambientais: uma visão histórica e suas perspectivas futuras. Salvador: UFBA. 214p. (Dissert. Mestrado) Noce C.M., Fogaça A.C.C. 1996. Mapa geológico da Folha Curimataí 1:100.000. Projeto Espinhaço. COMIG/UFMG.

Pedrosa-Soares A.C., Babinski M., Noce C. M., Martins M., Queiroga G., Vilela F., 2011. The Neoproterozoic Macaúbas Group (Araçuaí orogen, SE Brazil) with emphasis on the diamictite formations. In: Arnaud, E., Halverson, G.P., Shields-Zhou, G. (Org.). The Geological Record of Neoproterozoic Glaciations. Memoir of the Geological Society of London, 36:523-534.

Roque N.C., Noce C.M., Grossi Sad J.H. 1996. Mapa geológico da Folha Carbonita 1:100.000. Projeto Espinhaço. Comig/UFMG.

Santos L.T.S.O., Vasconcelos M.P., Rodrigues D.P., Nolasco M.C., Jesus T.B. 2010. Conseqüências da atividade garimpeira de diamante na Bacia do rio Coisa Boa, vila de Igatu - Andaraí – BA. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 10(2):1-11.

Schöll W.U., Fogaça A.C.C. 1979. Estratigrafia da Serra do Espinhaço na região de Diamantina. In: Anais do Simpósio de Geologia de Minas Gerais, 1:55-73.

Tupinambá M., Baars F.J., Uhlein A., Grossi Sad J.H., Knauer L.G. 1996. Mapa geológico da Folha Rio Vermelho 1:100.000. Projeto Espinhaço. COMIG/UFMG.

Publicado
2016-05-19
Como Citar
Kuchenbecker, M., Fragoso, D. G. C., Sanglard, J. C. D., & Fantinel, L. M. (2016). A utilização de lavras desativadas como laboratórios naturais para ensino de Geociências: exemplos de Diamantina. Terrae Didatica, 12(1), 56-68. https://doi.org/10.20396/td.v12i1.8645965
Seção
Artigos