Geodiversidade e Patrimônio Geológico

ferramentas para a divulgação e ensino das Geociências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v12i3.8647897

Palavras-chave:

Educação em geociências, Patrimônio geológico, Geodiversidade, Bahia

Resumo

O presente trabalho apresenta a abordagem e os conceitos relativos às temáticas da geodivesidade e patrimônio geológico, adotados no Curso de Capacitação em Geociências para Professores do Ensino Fundamental e Médio da rede pública do Estado da Bahia, que abordou cinco linhas temáticas. O curso foi realizado por meio de convênio firmado entre a Sociedade Brasileira de Geologia - SBG, o 47º Congresso Brasileiro de Geologia – 47º CBG e a Secretaria de Educação e Cultura do Estado da Bahia, por meio do Instituto Anísio Teixeira IAT, tendo atingido diretamente cerca de 350 professores. Dentre os resultados obtidos, o curso contribuiu para a aproximação entre a academia e a comunidade, popularização das Geociências, o fomento da prática de identificação dos locais de interesse geológico no território nacional e conservação do patrimônio geológico brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Galeno Fraga de Araujo Pereira, Universidade Federal da Bahia

Graduação em Geologia pela Universidade de São Paulo. Mestre em Geociências (Geoquímica e Geotectônica) pela Universidade de São Paulo. Doutor pelo Programa de Patrimônio Geológico e Geoconservação da Universidade do Minho (Braga/Portugal). 

Débora Correia Rios, Universidade Federal da Bahia

Bacharel em Geologia pela Universidade Federal da Bahia, mestrado em Geologia/Petrologia. Doutorado no Jack Satterly Geochronological Laboratory.

Pedro Maciel de Paula Garcia, Universidade Federal de Mato Grosso

Geólogo, com mestrado em Geologia pela Universidade Federal da Bahia.

Referências

Azevedo U.R. de, Machado M.M.M., Castro P.T.A., Renger F.E., Trevisol. A., Beato D.A.C. 2012. Geoparque Quadrilátero Ferrífero. Proposta. In: Schobbenhaus C. & Silva C.R.da. orgs. Geoparques do Brasil: Propostas. Rio de Janeiro: Serviço Geológico do Brasil – CPRM.

Brilha J. 2005. Patrimônio Geológico e Geoconservação: A Conservação da Natureza na sua Vertente Geológica. Palimage Editores, Viseu-PT. 190p.

Brilha J. 2015. Inventory and Quantitative Assessment of Geosites and Geodiversity Sites: a Review. Geoheritage DOI 10.1007/s12371-014-0139-3, Springer Berlin Heidelberg. URL: http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs12371-014-0139-3.

Bruschi V. M. & Cendrero A. 2005. Geosite Evaluation, Can We Measure Intangible Values? Il Quaternario, Italian Journal of Quaternary Sciences. 18(1) – Volume Speciale, p. 293-306

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais -1997. Sigep: Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos. URL: http://www.cprm.gov.br/geossit. Acesso 28/ago/2014.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais 2006. Mapa Geodiversidade Brasil: Escala 1:2.500.000. Min. Minas e Energia. Secr. Geol., Miner. Transf. Mineral. Serviço Geológico do Brasil. Brasília/DF. 68 p.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais 2012. Gestão Territorial. Geoparques. URL: http://www.cprm.gov.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=134. Acesso 28/ago/2014.

Coratza P. & Giusti C. 2005. Methodological proposal for the assessment of the Scientific Quality of Geomorphosites. Il Quaternario, Italian Journal of Quaternary Sciences, 18(1, volume Speciale):307-313.

Dowling R. 2009. Geotourism’s contribution to Local and Regional Development. In: Neto de Carvalho C., Rodrigues J.C. eds. 2009. Geoturismo & Desenvolvimento Local. Idanha-a-Nova/PT. p.15-37.

Freire G.L. 2014. Geopark Araripe. Global Geoparks Network. URL: http://geoparkararipe.org.br/. Acesso 30/ago/2014.

García-Cortés A. & Urquí L. C. 2009. Documento metodológico para la elaboración del inventario Español de lugares de interés geológico (IELIG). Version 11, 12-03-2009. Instituto Geológico y Minero de España. URL: http://www.igme.es/internet/patrimonio/. Acesso 31/ago/2014.

Gray M. 2004. Geodiversity: Valuing and Conserving Abiotic Nature. John Wiley and Sons, Chichester – England.

Lima F.F.de 2008. Proposta Metodológica para a Inventariação do Patrimônio Geológico Brasileiro. Braga. Portugal. 90p. (Tese Mestr., Univ. Minho.).

Mansur K., Guedes E., Alves M. da G., Nascimento V., Pressi L. F., Costa Jr. N., Pessanha A., Nascimento L. H. & Vasconcelos G. 2012. Geoparque Costões e Lagunas do Estado do Rio de Janeiro (RJ) – Proposta. In: Schobbenhaus C. & Silva C. R. da (org.): Geoparques do Brasil: Propostas. Serviço Geológico do Brasil – CPRM. Rio de Janeiro/Brasil.

Modica R. 2009. As Redes Européia e Global dos Geoparques (EGN e GGN): Proteção do Patrimônio Geológico, Oportunidade de Desenvolvimento Local e Colaboração Entre Territórios. São Paulo/SP: Rev. Inst. Geoc. USP. Geol. USP, Publ. espec. 5:17-26

Meadows D., Randers J., Behrens W. 1972. Limites do Crescimento: Um Relatório para o Projeto do Clube de Roma sobre o Dilema da Humanidade. São Paulo/SP: Ed. Perspectiva. 203p.

Monumento Natural das Pegadas de extremo oriental da Serra de Aire. 2002. Monumento Natural das Pegadas dos Dinossáurios da Serra de Aire. URL: www.pegadasdedinossaurios.org. Acesso 29/jul/2014.

Moreira J.C. 2008. Patrimônio Geológico em Unidades de Conservação: atividades interpretativas, educativas e geoturísticas. Florianópolis/SC: Univ. Fed. Santa Catarina, UFSC, C. Filos. C. Humanas. 428p. (Tese Dout. PPG Geografia).

Nieto L. M. 2002. Patrimonio Geológico, Cultura y Turismo. Boletin del Instituto de Estudios Giennenses, 2002(182):109-122.

Pereira P. J. da S. 2006. Patrimônio Geomorfológico: conceptualização, avaliação e divulgação. Aplicação ao Parque Natural de Montesinho. Braga-PT: Univ. Minho. 370p. (Tese Dout. Ciências).

Pereira R. G. F. de A. 2010. Geoconservação e desenvolvimento sustentável na Chapada Diamantina (Bahia – Brasil). Braga-PT: Univ. Minho. 295p. (Tese Dout. Ciências).

Pralong, J.P. 2005. A method for assessing tourist potential and use of geomorphological sites. Géomorphologie: relief, processus, environment, 2005(3):189-196.

Rivas V., Rix K., Franés E., Cendero A.m Brunsden D. 1997. Geomorphological indicators for environmental impact assessment: consumable and non-consumable geomorphological resources. Geomorphology, 1997(18):169-182.

Rocha A.J.D., Pedreira A.J. 2013. Geoparque Morro do Chapéu, Bahia (Proposta). Companhia Baiana de Pesquisa Mineral. CBPM. Ribeiro A.F. org. 64p. (Série Publ. Esp. n.14).

Rolim F.G.m Theodorovicz A. 2012. Geoparque Bodoquena Pantanal – Proposta. In: Schobbenhaus C.m Silva C. R.da. orgs. 2012. Geoparques do Brasil: Propostas. Serviço Geológico do Brasil – CPRM. Rio de Janeiro/Brasil.

Schobbenhaus C. & Rocha A. J. D. (coord.) 2010. Geossit (v. 1.3.7): CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (software). URL: http://www.cprm.gov.br/geossit. Acesso 20/Ago/2014.

Schobbenhaus C. & Silva C.R.da. 2012. Geoparques do Brasil: Propostas. Serviço Geológico do Brasil. CPRM. Rio de Janeiro/Brasil. URL: http://www.cprm.gov.br/publique/media/GEOPARQUESdoBRASIL_propostas.pdf. Acesso 31/Ago/2014.

Serrano E., Gonzalez Trueba J. J. 2005. Assessment of geomorphosites in natural protected areas: the Picos de Europa National Park (Spain). Géomorphologie: relief, processus, environment, 2005(3):197-208.

Sharples C. 2002. Concepts and principles of geoconservation. URL: http://dpipwe.tas.gov.au/Documents/geoconservation.pdf. Acesso 31/Ago/2014.

UNESCO. United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. 2001. UNESCO Global Geoparks. URL: http://www.unesco.org/new/en/natural-sciences/environment/earth-sciences/global-geoparks/. Acesso 22/Jul/2014.

Wimbledon W.A.P., Andresen S., Cleal C.J., Cowie J.W., Erikstad L., Gonggrijp G.P., Johansson C.E., Karis L.O.m Suominen V. 1999. Geologial World Heritage: GEOSITES – a global comparative site inventory to enable prioritsation for conservation. In.: Mem. Descr. Carta Geol. D´It. LIV (1999), p 45-60.

Downloads

Publicado

2016-12-15

Como Citar

PEREIRA, R. G. F. de A.; RIOS, D. C.; GARCIA, P. M. de P. Geodiversidade e Patrimônio Geológico: ferramentas para a divulgação e ensino das Geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 12, n. 3, p. 196–208, 2016. DOI: 10.20396/td.v12i3.8647897. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8647897. Acesso em: 9 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos