Descrição dos métodos paleoartísticos para reconstruções de animais e vegetais fósseis

  • Ariel Milani Martine Universidade Estadual de Campinas
  • Fresia Ricardi-Branco Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Paleoarte. Reconstituições. Paleontológicas.

Resumo

Desde a metade do século XIX, paleontólogos usam desenhos e pinturas para reconstruir organismos extintos. Essas formas de reconstrução são chamadas hoje informalmente de reconstituições paleoartísticas. O espécime reconstruído por meio da ilustração científica transcende a literatura especializada, chegando ao conhecimento popular. Constitui, desse modo, importante ferramenta para a divulgação científica. Com base em anatomia comparada, o presente trabalho descreve, de forma pioneira, no Brasil, os conceitos e etapas dos processos de reconstituição paleoartística, usando como modelos três organismos fósseis brasileiros: um dinosauro saurópode (Aeolosaurus maximus), um molusco bivalve (Itaimbea priscus) e uma gimnosperma (Brachyphyllum obesum). A metodologia aplicada na reconstrução desses organismos pode ser também empregada para reconstrução de qualquer animal ou vegetal fóssil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariel Milani Martine, Universidade Estadual de Campinas
Mestrando em Geociências pela UNICAMP, Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Grande ABC, 2005. Larga experiência em Zoologia com ênfase em reconstruções paleontológicas.
Fresia Ricardi-Branco, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Geografia - Facultad de Ciencias Forestales, Escuela de Geográfia (1988), mestrado em Geociências (Geologia Sedimentar) pela Universidade de São Paulo (1994), doutorado em Geociências (Geologia Sedimentar) pela Universidade de São Paulo (1998), pós-doutorado no Laboratório de Geofísica Aplicada, I. Geociências, Universidade de Brasília (2008) e Livre Docência em 2013. Atualmente é professor associado do Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. 

Referências

Anderson P., Bright J., Gill P., Palmer C., Rayfield E. 2012. Models in palaeontological func tional analysis. Biology Letters, 8:119-122.

Bakker R. 1988. The Dinosaur heresies. England, Penguin Books. 481 pp.

Bonaparte J.F. & Powell J.E. 1980. A Continental assemblage of tetrapods from the Upper Cretaceous beds of El Brete, northwestern Argentina (Sauropoda-Coelurosauria-Carnosauria-Aves). Mém. Soc. Géol. France, n.s., 139:1928.

Borsuk-Bialynicka M. 1977. A new camarasaurid sauropod Opisthocoelicaudia skarzynkyi, gen n. sp. Nov. from the Upper Cretaceous of MonNov. from the Upper Cretaceous of Mongolia. Palaeontologia Polonica 37:5-64.

Carvalho I.S Ed. 2000. Paleontologia. Rio de Janeiro: Editora Interciência. 628 p. Chiasson R.B. 1962. Laboratory anatomy of the Alligator.WM. Dubuque: C. Brown Co. Publ., 56 pp.

Duarte L. 1985. Vegetais fósseis da Chapada do Araripe, Brasil. DNPM, Brasília, Coletân. Trab. Paleont., 27:585-617.

Heer O. 1881. Contributions à la flora fossile du Portugal. Communicações Trabalhos Servicio Geologia Portugal. 4:1-51.

Ihering H. 1913. Pleiodon priscus. In: Comissão Geográfica e Geológica. Exploração do Rio Grande e seus afluentes: São José dos Dourados, São Paulo. São Paulo: CGG/SP. 39p.

Kellner A.A.W.A., Azevedo S.A.K. 1999. A new sauropod dinosaur (titanosauria) from the late Cretaceous of Brazil. In: Tomida Y., Rich T.H. & Vickers-Rich P. eds. 1999. Proceedings of the Second Gondwana Dinosaur Symposium. Tokyo: National Science Museum Monographs, p. 111-142.

Kunzmann L., Mohr B.A.R., Bernardes-de Oliveira M.E.C. 2004. Gymnosperms from the Lower Cretaceous Formation (Brazil). I. Araucariaceae and Lindleycladus (incertae sedis). Mitt. Mus. Nat. kd. berl., Geowiss. Reihe 7:155-174.

Lima F.J., Saraiva A.A.F., Sayão J.M. 2012. Revisão da paleoflora das Formações Missão Velha, Crato e Romualdo, Bacia do Araripe, nordeste do Brasil. Estudos Geológicos, 22(1):99-115.

Marinho T.S., Iori F.V. 2011. A large titanosaur (Dinosauria, sauropoda) osteoderm with possible bite marks from Ibirá, São Paulo State, Brazil. In: Carvalho I. S. Paleontologia: Cenários da vida. Vol 4. Rio de Janeiro, Editora Interciência. p. 367-377.

Mezzalira S. 1974. Contribuição ao conhecimento da Estratigrafia e paleontologia do arenito Baurú. São Paulo: Inst. Geoc. USP., 163 pp. (Tese Dout.).

Norman D. 1996. A Era dos Dinossauros Graficas Almudena, Madrid, 183 pp. Novas F.E. 2009. The Age of Dinosaurs in South America. Bloomington, Indiana Univ. Press. 452p.

Paul G.S. Ed. 2000. The Scientific American Book of the best minds in paleontology creat a portrait of the prehistoric Era. New York: A Byron Preiss Book, 424 pp.

Paul G.S. 2010. The Princeton Field guide to Dinosaurs. New Jersey: Princeton Univ. Press. 320p.

Philippe M. 2009. Silhouette and palaeoecology of Mesozoic trees in Thailand. In: Buffetaut E., Cuny G., Le Loeuff J. & Suteethorn V. eds. 2009. Late Paleozoic and Mesozoic Ecosystems in SE Asia. The Geological Society, Special Publications, 315:85-96.

Powell J.E. 1987. The Late Cretaceous fauna of Los Alamitos, Patagonia, Argentina. Part VI. The titanosaurids. Rev. Mus. Argent. Cienc. Nat. Paleontol. 3:147-153.

Rudwick M.J.S. 1992. Scenes from Deep Time. Chicago: The Univ. of Chicago Press. 280p.

Santucci R.M., Arruda-Campos A.C.. 2011. A new sauropod (Macronaria, Titanosauria) from the Adamantina Formation, Bauru group, Upper Cretaceous of Brazil and phylogenetic relationship af Aeolosaurini. Zootaxa, 3085:1-33.

Sucerquia P.A., Bernardes-de-Oliveira M.E.C. 2009. Significado paleoclimático e paleoam biental de coníferas da família cheirolepidiaceae na flora da Formação Crato, Bacia do Araripe, Brasil. Paleontologia em Destaque, (63):25.

Upchurch P., Barret P.M., Dodson P. . 2004. Sauropoda. In: Weishampel D. B.,Dodson P. & Osmólka H. eds. 2004. The Dinosauria. Los Angeles: Univ. California Press. p.259-322.

Wedel M.J. 2005. Postcranial in pneumaticity in sauropods and its implications for mass estimates. In: Rogers K.A.C. & Wilson J.A. eds. 2005. The Sauropods Evolution and Paleobiology. London: Univ. California Press. p. 201-228.

Went F.W. 1983. As plantas. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Ed. 224p.

Xu X., Zhao Q., Norell M., Sullivan C., Hone D., Erickson G., Wang X., Han F., Guo Y.. 2009. A new feathered maniraptoran dinosaur fossil that fills a morphological gap in avian origin. Chinese Science bulletin, 52:430-435.

Publicado
2017-08-10
Como Citar
Martine, A. M., & Ricardi-Branco, F. (2017). Descrição dos métodos paleoartísticos para reconstruções de animais e vegetais fósseis. Terrae Didatica, 13(2), 101-112. https://doi.org/10.20396/td.v13i2.8650086
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)