James Hutton e o Sublime Geológico: A Teoria da Terra entre o Iluminismo e o Romantismo

Autores

  • Fabricio Caxito Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v13i3.8650962

Palavras-chave:

James Hutton. Teoria da Terra. Iluminismo. Romantismo.

Resumo

O trabalho do geólogo, naturalista e médico escocês James Hutton [1726-1797], no contexto do Iluminismo Escocês, sofreu grande influência das ideias de pensadores como Isaac Newton e David Hume, representando uma síntese e uma transposição para as nascentes ciências geológicas da força motriz do pensamento iluminista da época. Sua visão da terrível magnitude das forças naturais e da imensidão do tempo geológico perante a efemeridade da vida humana reflete os conceitos kantianos de Sublime Dinâmico e Matemático, respectivamente. A partir do desenvolvimento da Geologia como uma ciência que abriu os olhos humanos para a história natural, é possível traçar um paralelo entre as teorias de James Hutton e as visões sobre a natureza dos poetas românticos do século XIX, principalmente Coleridge e Wordsworth. Desta forma, a geologia nasce como ciência exatamente na encruzilhada entre dois dos maiores movimentos intelectuais e culturais da civilização ocidental, o Iluminismo e o Romantismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabricio Caxito, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Adjunto do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Minas Gerais desde 2013 e diretor do Centro de Pesquisas Manoel Teixeira da Costa desde 2016. Doutor (2013) em Geologia Regional pela UFMG. Fui pesquisador visitante do centro de pesquisas GEOTOP, Université du Québec à Montréal e McGill University no Canadá (2010, 2011 e 2012), e do Danish Center for Isotope Geology da Universidade de Copenhagen, Dinamarca (2017). Minha principal área de pesquisa é a reconstrução da história geotectônica de antigas cadeias de montanhas, principalmente através da aplicação do mapeamento geológico, geoquímica, geocronologia e geologia isotópica. Busco também reconstruir as condições e a evolução geoquímica dos sistemas terrestres de superfície (hidrosfera-atmosfera-litosfera) através da análise química e isotópica do registro sedimentar antigo.

Referências

Aristóteles. 2007. Physics: book VIII. Trad. para inglês de Daniel W. Graham. Oxford: Clarendon Press, 232 p., re-edição 2007.

Baxter S. 2004. Revolutions in the Earth: James Hutton and the True Age of the World. Londres: Weidenfeld & Nicolson Ltd, 245 p.

Craig G.Y. 1987. The 1785 Abstract of James Hutton’s Theory of the Earth. Edimburgo: Edinburgh Univ. Library, 2ª ed. 1997. 42p.

Furniss T. 2010. A Romantic Geology: James Hutton’s 1788 ‘Theory of the Earth’. Romanticism, 16(3):305-321.

Gould S.J. 1991. Seta do Tempo, Ciclo do Tempo: Mito e metáfora na descoberta do tempo geológico. Trad. Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Cia. das Letras, 224 p.

Griggs E.L. ed. 1956. Collected Letters of Samuel Taylor Coleridge (6 v.). Oxford Scholarly Classics.

Heringman N. 2004. Romantic Rocks, Aesthetic Geology. Ithaca: Cornell Univ. Press. 304p.

Hume D. 1777. Enquiries Concerning Human Understanding and Concerning the Principles of Morals. 2 ed. 1902. Oxford: Clarendon Press. 458p.

Hutton J. 1749. Dissertatio Physico-Medica Inauguralis de Sanguine et Circulatione Microcosmi. Leiden. 34p.

Hutton J. 1788. Theory of the Earth; or an investigation of the laws observable in the composition, dissolution, and restoration of land upon the Globe. Trans. Royal Society of Edinburgh, 1:209-304.

Hutton J. 1795. Theory of the Earth, with Proofs and Illustrations. 2 v., Edinburgh and London.

Kant I. 1788. Crítica da Faculdade do Juízo. Trad. Valério Rohden & Antônio Marques. Ed. Forense Univ., 1993, 384 p.

Lyell C. 1832. Principles of Geology. Londres: Penguin Classics, 1998 (abridged version).

Lucrécio. 2015. Da Natureza das Coisas. Tradução de Luis Manoel Gaspar Cerqueira. Lisboa: Relógio D’água, re-edição. 406 p.

Montgomery D.R. A crença no Dilúvio: campo e teoria na evolução da paisagem antes da geomorfologia. Terræ Didatica, 13(1):44-62. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v13_1/PDF13_1/TD131-3.pdf. Acesso 26.09.2017.

Nicolson M.H. 1959. Mountain Gloom and Mountain Glory: The Development of the Aesthetics of the Infinity. Washington: Univ. Washington Press, 432 p.

Playfair J. 1802. Illustrations of the Huttonian Theory of the Earth. Cambridge Univ. Press, re-edição 2011. 554 p.

Piper H.W. 1962. The Active Universe: Pantheism and the Concept of Imagination in the English Romantic Poets. London: Bloomsbury Academic, 243 p.

Porter R. 1977. The Making of Geology: Earth Science in Britain, 1660-1815. Cambridge University Press, 300 p.

Steno N. 1669. De solido intra solidum naturaliter contento dissertationis prodromus. Florença.

Tomkeieff S.I. 1949. XVII. James Hutton and the Philosophy of Geology. Proceedings of the Royal Society of Edinburgh. Section B. Biology, 63(4):387-400.

Ussher J. 1658. The Annals of the World. 7 ed., Green Forest (EUA): Master Books, re-edição 2007. 960p.

Wordsworth W. 1805. The Prelude: Or, Growth of a Poet’s Mind. Oxford: Oxford Univ. Press, 1970, 368 p.

Downloads

Publicado

2018-01-22

Como Citar

CAXITO, F. James Hutton e o Sublime Geológico: A Teoria da Terra entre o Iluminismo e o Romantismo. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 13, n. 3, p. 235–243, 2018. DOI: 10.20396/td.v13i3.8650962. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8650962. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos