O lúdico e o ensino de Geociências no Brasil: principais tendências das publicações na área de Ciências da Natureza

Autores

  • Danilo Missias Teixeira Universidade Estadual de Campinas
  • Fábio Braz Machado Universidade Federal de São Paulo
  • Josilaine Santina da Silva Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v13i3.8651223

Palavras-chave:

Lúdico. Geociências. Ensino de Ciências.

Resumo

As atividades lúdicas são metodologias de ensino que vêm conquistando espaço no Ensino de Ciências; proporcionam um estudo dos conceitos de forma mais dinâmica e prazerosa. Todavia, quando se trata dos conceitos de Geociências as dificuldades apresentadas pelos professores de Ciências Exatas e Biológicas acabam por fazer com que estes profissionais não elaborem propostas vinculadas a tais conceitos. O objetivo deste trabalho é, portanto, identificar na literatura científica do Ensino de Ciências as principais tendências de pesquisas com características lúdicas que possuam como foco os conceitos de Geociências. Para isso, foi realizada uma busca em: (a) banco de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), e (b) periódicos vinculados ao Ensino de Ciências. Como resultado, foi possível observar que as publicações lúdicas no Ensino de Ciências apresentam as seguintes tendências: (1) A maior parte das publicações tem origem na região Sudeste, principalmente nos estados de Rio de Janeiro e São Paulo; (2) O número de publicações é crescente a partir do ano de 2014, com ponto forte no ano 2016; (3) a maior área de conhecimento a apresentar trabalhos é Química, seguida de Biologia; (4) as publicações são, em sua maior parte, experiências realizadas no Ensino Médio, e (5) a modalidade lúdica preferencial é “Jogo Didático”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Missias Teixeira, Universidade Estadual de Campinas

Danilo Teixeira é graduado em Licenciatura em Química (2010- 2013) pela Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC, com Mestrado em Ensino de Ciências (2014-2016) pela mesma instituição. Atualmente é aluno do programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, na Universidade Estadual de Campinas. Possui como linhas de pesquisa, a formação de professores de Química, o uso do lúdico no ensino e aprendizagem de Ciências (mais precisamente com os Jogos Didáticos), e o desenvolvimento de Projetos de Pesquisa Científica na Educação Básica.

Fábio Braz Machado, Universidade Federal de São Paulo

Geólogo pela UNESP (1999/2003-CNPq) sendo, no período, bolsista BAAE, CNPq e FUNDUNESP. Mestre (2005 - FAPESP) e Doutor (2009 - FAPESP) em Geociências na mesma universidade. Pós-doutor (2011) com projeto na área de Geocronologia/Geoquímica com participação na Un. de Heidelberg (Alemanha). Coordenador de Projeto Universal na CNPq. Editor Adjunto da Revista Geociências entre 2004 - 2010. Presidente da Sociedade Brasileira de Geologia (SP) entre 2004-2009. Presidente do 46º Congresso Brasileiro de Geologia / 1º Congresso de Geologia dos Países da Língua Portuguesa em 2012. Membro da Diretoria Executiva da Sociedade Brasileira de Geologia e conselheiro do periódico Brazillian Journal of Geology. Parecerista dos periódicos Brazillian Journal of Geology, Revista Geociências e Anais da Academia Brasileira de Ciências. Colaborador da revista Veja, rádio CBN, Recreio, Superinteressante e Jornal Estado de São Paulo. Ganhador da Medalha de Honra ao Mérito, conferido pela Sociedade Brasileira de Geologia em 2016. Especialista em Petrologia de rochas magmáticas básicas, Vulcanismo, Large Igneous Province, Geoquímica rochas/manto (Fluorescência de Raio X, ICP, Microssonda Eletrônica, Difração de Raio X e MEV), Mineralogia, Bacia do Paraná (Mesozóico) e Basaltos, com artigos e livros publicados. Professor Adjunto III na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) ministrando aulas de Geoquímica, Geoquímica ambiental e Geodiversdidade e Patrimônio Geológico.

Josilaine Santina da Silva, Universidade Estadual de Campinas

Graduada em Licenciatura/Geografia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL/2016). Foi bolsista nos programas (PAINTER/ 2013-2014; PIBID/ 2014-2017). Atualmente Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Geociências/EHCT, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP/2017-2019). É bolsista no Programa de Estágio Docente (PED/2017). Tem como área de interesse os estudos voltados ao ensino das Geociências e a Formação Continuada de Professores.

Referências

Araujo, C. 2010. Geologia na Escola: Recursos Didáticos e Trabalho de Campo Interdisciplinar. Rio de Janeiro: UFRJ. 138p. (Dissert. Mestrado).

Barbosa, R. 2003. Projeto Geo-Escola: Recursos computacionais de apoio ao Ensino de Geociências nos Níveis Fundamental e Médio. Campinas: Unicamp. 131p. (Dissert. Mestrado).

Benevenuti A., Benevenuti A., Hofmann A.A., Brazil F., Marques I., Fuhrmann L R., Silveira M.C.,

Santaiana R.S.2013. O Lúdico na prática pedagógica. Curitiba: InterSaberes. 210p.

Breda T.V., Picanço J.L., Zacharias A.A. 2012. Possibilidades de Alfabetização Cartográfica a partir de Jogos e Sensoriamento Remoto. In: Revista Terrae Didatica, 9:41-48. URL: https://www.ige.unicamp.br/terrae/V9/PDFv9/Thiara.pdf. Acesso 05.11.2017.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M.de, Almeida F.F.M.de. 2004. Dez motivos para a inclusão de

temas de Geologia na Educação Básica. In: Rev. Bras. Geoc, 34(4):553-560. URL: http://ppegeo.

igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/9787/9135. Acesso 30.10.2017.

Carneiro C.D.R., Lopes O.R. 2009. O jogo “Ciclo das Rochas” para ensino de Geociências. Rev. Bras. Geoc., 39(1):30-41. URL: http://ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/7627/7054. Acesso 21.11.2017.

Ferreira L.H.; Hartwig D.R.; Oliveira R.C. 2010. Ensino Experimental de Química: Uma abordagem investigativa contextualizada. In: Química Nova na Escola, 32:101-1016.

Fourez G. Crise no ensino de ciências? 2003. In: Revista Invest. Ens. Ciênc., 8(2):109-123.

Frodeman R. 1995. Geological reasoning: Geology as an interpretive and historical science. Geol. Soc. Am. Bull., 107:960-968.

Frodeman R. 2010. O raciocínio geológico: a geologia como uma ciência interpretativa e histórica. Terræ Didatica, 6(2):85-99. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v6_2/v6_2_A4.html. Acesso 21.11.2017.

Guimarães C.C. 2009. Experimentação no Ensino de Química: caminhos e descaminhos rumo à

aprendizagem significativa. In: Química Nova na Escola, 31(3):198-202.

Kishimoto T.M. 2007. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez Ed. 183p.

Lahm R.A, Henriques A., Santos Jr., D. N., Borges R. M. R., 2010. Proposta Metodológica para Aprendizagem de Geociências na Educação Básica. In: Exper. Ens. Ciências, 5(2):7-16.

Luckesi C.C. 1982. Independência e inovação em tecnologia educacional.: Tecnologia Educacional, 15(71-72):55-64.

Oliveira N. 2009. Atividades de experimentação investigativas lúdicas no ensino de química: um estudo de caso. Goiania: UFG. 147p. (Tese Dout.).

Potapova M.S. 1968. Geology as an historical science of nature. In: Interaction of science in the study of the earth. Moscow: Progress. 1:117-126. Potapova

M.S. 2008. Geologia como uma ciência históriaulas ca da natureza. Terræ Didatica, 3(1):86-90. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v3/v3_a7.html. Acesso 22.11.2017.

Rau M.C.T.D. 2011. A Ludicidade na Educação: Uma atitude pedagógica. Curitiba: Ibpex. 284p.

Siqueira L.G., Franco M.A.M., Moreira L.M. 2016. Trilha da Vida em Salinas: uma Ferramenta Lúdica no Ensino de Ciências e na Construção de Conceitos Científicos ligados à Produção Agrícola Local. Exper. Ens. Ciênc., 11(1):88-100. URL: http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID302/v11_n1_a2016.pdf. Acesso em 30.10.2017.

Soares M.F.B. 2013. Jogos e atividades lúdicas para o Ensino de Química: Teoria, Métodos e Aplicações. In: Enc. Nac. Ens. Química, 14, 2013 (XIV ENEQ). Anais... SBQ. V. 1, p. 1-12. Taxini

C.L., Puga C.C.I., Silva C.S.F., Oliveira R.R. 2012. Proposta de uma Sequência Didática para o Ensino do Tema “Estações do Ano” no Ensino Fundamental. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc.14(1):81-97. URL: http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172012140106. Acesso 30.10.2017.

Teixeira D.M. 2016. Contribuições dos jogos didáticos na formação inicial de professores de química da Universidade Estadual de Santa Cruz. Univ. Est. Santa Cruz. 143p. (Dissert. Mestr.).

Veiga I.P.A. 2006. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, SP: Papirus. 26p.

Villardi R., Oliveira E.S.G. 2005. Tecnologia na educação: uma perspectiva sócio-interacionista. Rio de Janeiro: Dunya. 127p.

Downloads

Publicado

2018-01-22

Como Citar

TEIXEIRA, D. M.; MACHADO, F. B.; SILVA, J. S. da. O lúdico e o ensino de Geociências no Brasil: principais tendências das publicações na área de Ciências da Natureza. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 13, n. 3, p. 286–294, 2018. DOI: 10.20396/td.v13i3.8651223. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8651223. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)