Representações de ambiente e educação ambiental: implicações na práxis educativa de professores de ensino fundamental em Moju, PA, Brasil

  • Manoel Francídio Mendes Pinho Universidade do Estado do Pará
  • Thiago Correia Ferreira Universidade do Estado do Pará
  • Priscyla Crinstinny Santiago da Luz Universidade do Estado do Pará
  • Lucidia Fonseca Santiago Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Representação social. Educação básica. Formação de professor.

Resumo

A Educação Ambiental (EA), afirmada em documentos e polticas educacionais, justifica-se por tratar questões ambien­tais como essenciais no espaço escolar e para a formação da cidadania socioambiental. Neste processo, o professor tem papel preponderante, visto que é ele quem media o processo educativo e possibilita a construção da aprendizagem entre os alunos. Este estudo investigou as Representações de Ambiente e EA de docentes em uma Escola Municipal de Ensino Fundamental do município de Moju-Pará, buscando discutir como estas representações se refletem em seu fazer pedagógico. A pesquisa qualitativa se carac­teriza como um Estudo de Caso, em que foram utilizados entrevista e questionários para coleta de dados. As categorias construídas foram baseadas na Análise de Conteúdo e destacaram as seguintes representações de ambiente: antropocêntrica, naturalista e globalizante, enquanto as representações de EA situaram-se nas perspectivas: preservacionista-conscientizadora, adestradora, instrutiva e transformadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Francídio Mendes Pinho, Universidade do Estado do Pará
Possui graduação em Ciências Naturais pela Universidade do Estado do Pará (2013). Tem experiência na área de Biologia Geral.
Thiago Correia Ferreira, Universidade do Estado do Pará
Professor de Ciências Naturais com habilitação em Biologia/UEPA.
Priscyla Crinstinny Santiago da Luz, Universidade do Estado do Pará
Possui Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Pará (2004) e Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará (2010). Atualmente é professora da Universidade do Estado do Pará. Tem experiência na área de Ensino de Biologia e Educação em Ciências, atuando principalmente nas áreas de Biologia Geral, Educação ambiental, Estágio de docência e metodologias de Ciências e Biologia.
Lucidia Fonseca Santiago, Universidade Federal do Pará
Graduada em Ciências Biológicas (1986) e em Odontologia (1990) pela Universidade Federal do Pará. Possui Especialização em Ensino de Ciências (Ufpa, 1988), Especialização em Morfologia (Ufpa, 1997). Mestrado em Ciências Biológicas, área de concentração: Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários (Ufpa- 1998) e Doutorado em Ciências Morfológicas (UFRJ, 2006). Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Pará. Atua no curso de graduação de Odontologia e Licenciatura em Ciências Naturais. Faz parte do corpo docente do programa de Pos-graduação Ciências e Meio Ambiente.Tem experiência em Morfologia, Formação de professores, Educação em saúde e Educação Ambiental.

Referências

Bardin L. 2009. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, LDA.

Brasil MEC. Secretaria de Educação Fundamental. 1997. Parâmetros curriculares nacionais: meio ambiente saúde./ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC.

Brasil MEC. Secretaria de Educação Fundamental. 1998. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais /Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC.

Brasil MEC. 1997. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação Ambiental: aprendizes de sustentabilidade. Brasília: MEC. URL: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao2.pdf. Acesso 24.abril.2015.

Brasil Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em 10/11/ 2015.

Brasil. 2012. Casa Civil da Presidência da República. Resolução Nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a EA. URL: http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 15 set. 2014

Brügger P. 2004. Educação ou Adestramento Ambiental. 3. Ed.Florianópolis: Letras Contemporâneas.

Carvalho I.C.M. 2012. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6 ed. São Paulo: Cortez.

Guimarães M. 2010. A dimensão ambiental na educação. 10ª ed. SP: Papirus.

Guimarães M. 2004. Educação Ambiental: No consenso um embate? 2 ed. Campinas: Papirus.

Jodelet D. 1994. Les représentations sociales. Trad. google tradutor. Paris : PUF. (p.3657). URL: http://classiques.uqac.ca/collection_methodologie/jodelet_denise/representations_pratiques_individu/representations_texte.html. Acesso 17.08.2015.

Layrargues P.P. 2006. Para que a educação ambiental encontre a educação. In: Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez.

Lakatos E. Maria; M.M. de A. 2003. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Leff E. 2001. Educação Ambiental e desenvolvimento Sustentável. In: REIGOTA, M. (org.). Verde Cotidiano e o meio ambiente em discussão. 2ª ed. Rio de Janeiro: DP&.

Loureiro C.F.B. 2006. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez.

Malheiros B.T. 2011. Metodologia da Pesquisa em Educação. Rio de Janeiro. LTC.

Mendonça P.R. 2007. Políticas de formação continuada de professores (as) em educação ambiental no Ministério da Educação. 2007. In: Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de

Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO.

Moscovici S., Marková I. 2015. Ideias e seu desenvolvimento: um diálogo entre Serge Moscovici e Ivana Marková. In: Moscovici S. 2015. Representações sociais: investigações em psicologia social. Trad. Pedrinho A. Guareschi.11.ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Reigota M. 2001. Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. 2.ed. Rio de Janeiro: DP&A.

Reigota M. 2004. O que é educação ambiental. 4ª reimpr. da 1.ed.de 1994. São Paulo: Brasiliense.

Reigota M. 1991. O meio ambiente e suas representações no ensino em São Paulo, Brasil. Uni ambiente. Brasília.

Sauvé L. 2005. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.31, n. 2, p. 317-322, maio/ago.

Segura D.S.B. 2007. Educação ambiental nos projetos transversais In: Mello S.S.de, Trajber R. 2007. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. 2007. Brasília: Minist. da Educação, Coord. Ger. Educ. Ambietal. Brasília: Min. Meio Ambiente./ Depto. Educ. Ambiental/ UNESCO.

Tozoni-Reis M.F.C. 2005. Compartilhando saberes: pesquisa ação educativa ambiental. In: Ferraro Jr.

L.A. coord. 2005. Encontros e Caminhos: Formação de Coletivos Educadores e Educadoras(es) Ambientais. Brasília: Min. Meio Ambiente./Dir. Educ. Ambiental.

Publicado
2018-01-22
Como Citar
Pinho, M. F. M., Ferreira, T. C., Luz, P. C. S. da, & Santiago, L. F. (2018). Representações de ambiente e educação ambiental: implicações na práxis educativa de professores de ensino fundamental em Moju, PA, Brasil. Terrae Didatica, 13(3), 295-303. https://doi.org/10.20396/td.v13i3.8651224
Seção
Artigos