Sobre o uso dos termos geocronológicos e cronoestratigráficos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v14i3.8651816

Palavras-chave:

Nomenclatura estratigráfica. Literatura geocientífica. Padronização redacional.

Resumo

Este artigo pretende estabelecer padrões, visando o uso correto de termos cronoestratigráficos e geocronológicos na literatura geocientífica. A distinção entre os dois tipos de termos foi claramente apontada pelo Guia de Nomenclatura Estratigráfica Brasileira de 1986. No entanto, o que vem se observando frequentemente é o uso equivocado desses termos, ou seja, o uso de termos cronoestratigráficos no lugar dos geocronológicos, e vice-versa. No início da década de 1990, o primeiro autor começou uma campanha contra esse mau uso por meio de contatos pessoais e da publicação de pequenas notas sobre a problemática. A decisão de escrever um artigo mais extenso e abrangente decorreu do fato do primeiro autor ter passado a fazer parte dos comitês editoriais dos periódicos Boletim de Geociências da Petrobras (2006–2013) e Revista Brasileira de Paleontologia (desde 2016), o que lhe permitiu ter a noção da gravidade da questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mitsuru Arai, Universidade Estadual Paulista

De 1977 a 2014, trabalhou na Petrobras. Atualmente trabalha no IGCE/UNESPetro (Centro de Geociências Aplicadas ao Petróleo).

Pércio de Moraes Branco, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Geologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1970), e especialização em Economia Mineral pela Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas (RJ), em 1976. Atualmente é professor de Gemologia da Escola Gaúcha de Joalheria, consultor de Gemologia autônomo e do Portal das Joias.

Referências

ABL - Academia Brasileira de Letras 2009. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras. 877 p. (5ª edição).

Arai M. 1991. Teste [sobre termos geocronológicos e cronoestratigráficos]. Boletim da Sociedade Brasileira de Paleontologia - Núcleo RJ/ES, 4 (abril/1991): 9.

Arai M. 1993a. Nomenclatura dos termos geocronológicos informais (Parte 1). Boletim da Sociedade Brasileira de Paleontologia - Núcleo RJ/ES, 23 (agosto/1993): 5.

Arai M. 1993b. Nomenclatura dos termos geocronológicos informais (Parte 2). Boletim da Sociedade Brasileira de Paleontologia - Núcleo RJ/ES, 24 (setembro-novembro/1993): 4.

Arai M. 1994. Nomenclatura dos termos geocronológicos informais (Parte 3). Boletim da Sociedade Brasileira de Paleontologia - Núcleo RJ/ES, 29 (julho-setembro/1994): 4.

Barreda V., Palamarczuk S. 2000. Estudio palinoestratigráfico del Oligoceno tardío-Mioceno em secciones de la costa patagónica y plataforma continental argentina. In: Aceñolaza F.G., Herbst R. eds. El Neógeno de Argentina. Tucumán: INSUGEO. p. 103-138.

Beurlen G., Richter A.J., Cunha A.S., Silva-Telles Jr. A., Martinis E., Pedrão E., Moura J.A., Gomide J., Viviers M.C., Arai M., Uesugui N., Nascimento N.L., Azevedo R.L., Dino R., Antunes R., Shimabukuro S., Abreu W.S. 1992. Bioestratigrafia das bacias mesozóicas-cenozóicas brasileiras: texto explicativo das cartas bioestratigráficas - Versão 01.88. Rio de Janeiro: PETROBRÁS/ CENPES/ DIVEX/ SEBIPE. 616 p. (Relatório interno).

Branco P.M. 1993. Guia de redação para a área de Geociências. Porto Alegre, CPRM/ Sagra-DC Luzzatto. 176 p.

Busca Escolar. 2015. A Pré-História. URL: http://www.buscaescolar.com/historia-geral/a-pre-historia/. Acesso: 12.12.2017.

Di Pasquo M. 2003. Avances sobre palinología, bioestratigrafía y correlación de los Grupos Macharetí y Mandiyutí, Neopaleozoico de la Cuenca Tarija, província de Salta, Argentina. Ameghiniana, 40(1): 3-32.

Elsevier. 2017. Cretaceous Research - Author information pack. URL: https://www.elsevier.com/journals/cretaceous-research/0195-6671/guide-for-authors. Acesso: 05.12.2017.

Ferreira A.B.H. 1986. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1838 p.

Folha de S. Paulo. 1992. Novo Manual da Redação. São Paulo: Folha de S. Paulo. 332 p.

Head M.J., Gibbard P., Salvador A. 2008. The Tertiary: a proposal for its formal definition. Episodes, 31(2): 248-250.

Head M.J., Aubry M.-P., Walker M., Miller K.G., Pratt B.R. 2017. A case for formalizing subseries (subepochs) of the Cenozoic Era. Episodes, 40(1): 22-27.

Hedberg H.D. 1979. Guide stratigraphique international: classification, terminologie et règles de procédures. Paris: Doin Éditeurs. 233 p. (edição francesa traduzida por Burollet P. et al.)

Hedberg H.D. 1980. Guía estratigráfica internacional. Guia para la clasificación, terminología y procedimentos estratigráficos. Barcelona: Editorial Reverté S/A. 205 p. (edição espanhola traduzida por Petzall C. et al.).

ICS - International Commission on Stratigraphy. 2017. International Chronostratigraphic Chart v. 2017/02. URL: http://www.stratigraphy.org/ICSchart/ChronostratChart2017-02.pdf. Acesso: 07/12/2017.

Knoploch F. 1987. Orientações ortográficas. PETROBRÁS/ CENPES. 2 p. (documento interno).

Kumpulainen R.A. 2017. Guide for geological nomenclature in Sweden. GFF, 139(1): 3-20. URL: http://resource.sgu.se/dokument/om-geologi/guide-for-geological-nomenclature-in-sweden.pdf. ou http://dx.doi.org/10.1080/11035897.2016.1178666. Acesso: 05.12.2017.

Loon A.J.(Tom) van. 2013. Stratigraphic Nomenclature. In: Smart P., Maisonneuve H., Polderman A. eds. Science Editors’ Handbook. European Association of Science Editors. URL: http://www.ease.org.uk/wp-content/uploads/2-11.pdf. Acesso: 08/12/2017.

Owen D.E. 1987. Commentary: usage of stratigraphic terminology in papers, illustrations, and talks. Journal of Sedimentary Petrology, 57(2): 363 - 372.

Owen D.E. 2009. How to use stratigraphic terminology in papers, illustrations, and talks. Stratigraphy, 6(2): 106 - 116.

Petri S., Coimbra A.M., Amaral G., Ponçano W.L. 1986. Guia de nomenclatura estratigráfica. Revista Brasileira de Geociências, 16(4): 376-415.

Quattrocchio M.E., Martínez M.A., García V.M., Zavala C.A. 2003. Palinoestratigrafía del Tithoniano-Hauteriviano del centro-oeste de la Cuenca Neuquina, Argentina. Revista Española de Micropaleontología, 35(1): 51-74.

Rios-Netto A.M., Koutsoukos E.A.M. 1994a. Usage of prefixes Eo, Meso and Neo in stratigraphic nomenclature. Anais Acad. Bras. Ciências, 66(2): 256.

Rios-Netto A.M., Koutsoukos E.A.M. 1994b. Utilização dos prefixos Eo, Meso e Neo, em nomenclatura estratigráfica. Anais Acad. Bras. Ciências (minuta com 3 páginas).

Silva J.P. 2017. Manual de Ortografia da Língua Portuguesa. URL: www.gpesd.com.br/baixar.php?file=4. Acesso: 05.12.2017.

Tufano D. 2008. Guia Prático da Nova Ortografia. São Paulo: Editora Melhoramentos Ltda. 32p. URL: https://www.escrevendoofuturo.org.br/EscrevendoFuturo/arquivos/188/Guia_Reforma_Ortografica_CP.pdf. Acesso: 07.12.2017.

Wikipedia. 2017. Paleolítico. URL: https://pt.wikipedia.org/wiki/Paleol%C3%ADtico. Acesso: 12.12.2017.

Zalasiewicz J., Cita M.B., Hilgen F., Pratt B.R., Strasser A., Thierry J., Weissert H. Chronostratigraphy and geochronology: a proposed realignment. GSA Today, 23(3): 4-8.

Downloads

Publicado

2018-09-28

Como Citar

ARAI, M.; BRANCO, P. de M. Sobre o uso dos termos geocronológicos e cronoestratigráficos. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 14, n. 3, p. 217–224, 2018. DOI: 10.20396/td.v14i3.8651816. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8651816. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)