Earth history and evolution of life in curriculum the high school of the State of São Paulo

  • Cristiane Prado Scott dos Santos Universidade Estadual de Campinas
  • Joseli Maria Piranha Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Earth sciences teaching. Geological time. Geoscience. High school. Interdisciplinarity.

Resumo

Among the main obstacles to the literacy of the Earth System Sciences, the content organization in official curricula stands out. The knowledge of this science has been shown as fundamental for the formation of citizens who know how to use natural resources regarding environmental questions and life itself. Faced with such issues, the present study has done a documentary analysis of the Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM in Portuguese, or National Curriculum Parameters of Secondary Education) and of the Currículo do Estado de São Paulo (CESP in Portuguese, or School Curriculum of the State of São Paulo), with aim at suggesting effective teaching alternatives for citizens formation. Both the PCNEM and the CESP present contents in a fragmented way through traditional disciplines, such as has been the educational structure in Brazil for decades. The PCNEM suggest an interdisciplinary approach of these contents, while the CESP do not mention this type of approach, but relates skills to be developed to each type of content, and so presents interdisciplinary teaching as valuable. As an alternative to this pedagogical structure, it is proposed that the contents encompassed in the Earth System Science should be treated in an interdisciplinary context, allowing the integrated development of contents and contributing to the teacher’s work.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Prado Scott dos Santos, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998) e mestrado em Zoologia pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (2008). Atualmente é doutoranda do programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
Joseli Maria Piranha, Universidade de São Paulo
Graduação em Geologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, mestrado em Geologia Regional pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. É credenciada junto ao Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas. É docente colaboradora junto ao Programa de Pós-Graduação em Geociências (Mineralogia e Petrologia) do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo.

Referências

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, Brasil. URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ leis/L9394.htm. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologia. 2018. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/Semtec. 109p. URL: http:// portal.mec.gov.br/programa-saude-da-escola/195- secretarias-112877938/seb-educacao-basica-2007048997/12598-publicacoes-sp-265002211. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologia. 2018. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/Semtec. 109p. URL: http:// portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologia. 2000a. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Parte I – Bases Legais. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/ Semtec. 109p. URL: http://portal.mec.gov.br/seb/ arquivos/pdf/blegais.pdf. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologia. 2000b. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Parte II – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/Semtec. 71p. URL: http:// portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologia. 2000c. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Parte III – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/Semtec. 58p. URL: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologia. 2000d. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Parte IV – Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/Semtec. 75p. URL: http://portal. mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/cienciah.pdf. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologica. 2002a. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/ Semtec. 144p. URL: http://portal.mec.gov.br/ seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologica. 2002b. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/Semtec. 104p. URL: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ CienciasHumanas.pdf. Accessed 04.07.2018.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnologica. 2002c. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: Min. Educação. Brasília: MEC/Semtec. 144p. URL: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ linguagens02.pdf. Accessed 04.07.2018.

Bonito, J. 2014. Reorganização das metas curriculares no ensino básico Português: o caso das Geosciências. Terræ Didática 10(3): 227-239

Carneiro C.D.R., Gonçalves P.W. 2010. Earth System Science for undergraduate Geology and Geography courses, Campinas, Brazil. Terrae, 7(1-2): 29- 40.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M.de, Almeida F.F.M. 2004. Dez motivos para a inclusão de temas de geologia na educação básica. Rev. Bras. Geoc. 34(4):553-560. URL: http://ppegeo.igc.usp.br/ index.php/rbg/article/view/9787/9135. Accessed 04.07.2018.

Castro M.H.G. 2016. Entrevista: Maria Helena Guimarães: “Há um tédio generalizado entre os alunos do ensino médio”. Texto de Beatriz Morrone e edição de Flávia Yuri Oshima. Época. URL: http://epoca.globo.com/ideias/noticia/2016/08/maria-helena-guimaraes-ha-um-tedio-generalizado-entre-os-alunos-do-ensino-medio.html. Accessed 04.07.2018.

Cherif A., Adams G., Loehr J. 2001. What on “Earth” Is Evolution? The Geological Perspective of Teaching Evolutionary Biology Effectively. The Am. Biol. Teach., 63(8):569-574 + 576-591

Dodick J.T., Orion N. 2003. Introducing evolution to non-biology majors via the fóssil record: a case study from the Israeli high school system. The Am. Biol. Teach., 65:185-190.

Elliott J. 2015. Lesson y learning Study y la idea del docente como investigador. Rev Interuniversitaria de Formación de Profesorado, 84(29.3):29-46.

Esteves P.C.C., Gonçalves P. W. 2015. As representações de natureza presentes nos Parametros curriculares nacionais: Uma colaboração para a análise d conteúdos de Ciências Naturais. Perspectiva em Diálogo: Rev. de Educ. e Soc., 2(4):36-54.

Gatti B. 2014. Entrevista com Bernadete Gatti: “O que se percebe é que a questão da docência é sempre relegada como se fosse algo menor”. Cadernos Cenpec – Nova série, 4(2):248-275.

Kato D.S., Kawasaki C.S. 2011. As concepções de contextualização do ensino em documentos curriculares oficiais e de professores de ciências. Ciências & Educação, 17(1):35-50. URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_artt ext&pid=S1516-73132011000100003. Accessed 04.07.2018.

LaDue N.D., Clark S.K. 2012. Educator perspectives on Earth System Science Literacy: Challenges and Priorities. J. of Geosc. Educ., 60:372-383. URL: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.5408/11- 253.1. Accessed 04.07.2018.

Lück H. 2009. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teóricos-metodológicos. 16. Petrópolis: Vozes. p. 71.

Martins J.R.S., Carneiro C.D.R. 2014. Contribuições do ensino de Geociências à formação de uma massa crítica de professores e investigadores. Terræ Didatica, 10(3):368-377. URL: https://www.ige. unicamp.br/terraedidatica/V10_3/PDF/TDv10-3- 130.pdf. Accessed 04.07.2018.

May T. 2004. Pesquisa documental: escavações e evidências. In: May, T. Pesquisa social: questões, métodos e processos. 3. Ed. Porto Algere: Artmed. p. 205- 230.

Mayer J.M. 1995. Using the Earth System for Integrating the Science Curriculum. Southampton, Sci. Edu., 79(4):375-391.URL: http://onlinelibrary. wiley.com/doi/10.1002/sce.3730790403/pdf. Accessed 04.07.2018.

McShane K. 2007. Anthropocentrism vs. Nonanthropocentrism: Why Should We Care?” Envirom. Values, 16(2):169-186.

Morin E. 2015. Introdução ao pensamento complexo. 5. Ed. Porto Alegre: Sulina. 120p.

OECD. Organisation for Economic Co-operation and Development. 2016. PISA 2015 Results in Focus.V. 5 URL: http://www.oecd.org/pisa/pisa-2015-resultsin-focus.pdf. Accessed 8.08.2017.

Pedrinaci E., Alcalde S., Alfaro P. et al. 2013. Alfabetización em Ciencias de La Tierra. Earth Science Literacy. Enseñanza de las Ciências de La Tierra, 21(2):117-129.

Pinheiro N.A.M, Silveira R.M.C.F, Bazzo W.A. 2007. Ciências, tecnologia e sociedade: a relevância do enfoque CTS para o contexto do Ensino Médio. Ciências & Educação, 13(1):71-84.

Qinn F, Castéra J, Clément P. 2016. Teachers’ conceptions of the environment: anthropocentrism, non-anthropocentrism, antropomorphism and the place of nature. Environ. Educ. Res., 22 (6): 893- 917.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. 2012a. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas tecnologias. 1. ed. São Paulo: SE. 152 p. URL: http://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/780.pdf. Accessed 04.07.2018.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. 2012b. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências Humanas e suas Tecnologias. 1. ed. São Paulo: SE. 152 p. URL: http://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/781.pdf. Accessed 04.07.2018.

Sicca N.A.L., Goncalves P.W., Fernandes M.C.S.G. et al. 2014. Interfaces currículo do ensino médio e Geociências: 10 anos de reflexões de grupo de pesquisa colaborativa. Terræ Didatica, 10:357-367. URL: https://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/V10_3/ PDF/TDv10-3-128.pdf. Accessed 04.07.2018.

Souza E.R. de. 2015. O Potencial das Ilustrações Geoscientífica textos didáticos: representação da dinâmica interna da Terra. Campinas. Inst. Geoc. UNICAMP. 469 p (PhD Thesis).

Toledo M.C.M. de. 2005. Geociências no Ensino Médio Brasileiro. Análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Geol. USP, 3:31-44. URL: http:// www.revistas.usp.br/gusppe/article/view/45368. Accessed 04.07.2018.

Wysession M., Taber J., Budd D. A., Campbell K., Conklin M., LaDue N., Lewis G., Raynolds R., Ridky R., Ross R., Tewksbury B.,Tuddenham P. (org.). 2010. Earth Science Literacy: The big Ideas and Supporting Concepts of Earth Science. National Science Foundation. URL: http://www.earthscienceliteracy.org/es_literacy_6may10_.pdf. Accessed 8.02.2017.

Zen, E. 2001. What is deep time and Why should anyone care? J. of Geosc. Educ., 49(1):5-9. URL: https://serc.carleton.edu/files/nagt/jge/abstracts/zenv49p5.pdf. Accessed 10.03.2017.

Publicado
2018-09-28
Como Citar
Santos, C. P. S. dos, & Piranha, J. M. (2018). Earth history and evolution of life in curriculum the high school of the State of São Paulo. Terrae Didatica, 14(3), 296-303. https://doi.org/10.20396/td.v14i3.8653529
Seção
Artigos