Banner Portal
Percepção ambiental da paisagem antropizada na praia do Cabo Branco, João Pessoa, PB, Brasil
PDF

Palavras-chave

Erosão costeira
Geomorfologia costeira
Planejamento ambiental
Susceptibilidade ambiental

Como Citar

SOUZA, Alexandre dos Santos. Percepção ambiental da paisagem antropizada na praia do Cabo Branco, João Pessoa, PB, Brasil. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 18, n. 00, p. e022032, 2022. DOI: 10.20396/td.v18i00.8670499. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8670499. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

O litoral da Paraíba possui 153,47 km de extensão compartilhada por 10 municípios, entre eles, João Pessoa, a capital, cuja orla abrange 23,89 km de praias arenosas. O presente trabalho visa apresentar uma percepção ambiental da paisagem resultante de obras de contenção da erosão costeira na praia do Cabo Branco, no município de João Pessoa. Para tanto, realizaram-se observações de campo, de imagens de satélite e de textos acadêmicos e jornalísticos que abordam os problemas ambientais comuns às zonas costeiras. A análise da área permitiu a elaboração de modelos esquemáticos de caracterização da paisagem e identificação de impactos ambientais de ordem antropogênica, que têm modificado negativamente a área, entre eles: erosão costeira e descaracterização da paisagem com instalação de estruturas que comprometem o equilíbrio dinâmico da praia. Trabalhos desta natureza são importantes para subsidiar o planejamento de obras público-privadas e pesquisas de campo para discentes da Educação Superior e Básica.

https://doi.org/10.20396/td.v18i00.8670499
PDF

Referências

Abreu, J. G. N. de, Pezzuto, P. R., Resgalla, C., Jr., Menezes, J. T. de, & Vintem, G. (2003). Impacto ambiental e modificações texturais do sedimento provocadas pela alimentação artificial da praia de Balneário Camboriú (SC). In: IX Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, Recife, 2003. Anais... Recife: URL: http://abequa.org.br/trabalhos/gerenciamento_256.pdf. Acesso 17.07.2022.

Brooks, S. M., Spencer, T., & Boreham, S. (2012). Deriving mechanisms and thresholds for cliff retreat in soft-rock cliffs under changing climates: rapidly retreating cliffs of the Suffolk coast, UK. Geomorphology, 153-154, 48-60. doi: https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2012.02.007.

Caldas, F. (2022, 16 de abril). Pesquisador alerta que intervenções mal planejadas agravam problemas na Falésia do Cabo Branco, em João Pessoa. G1 PB. URL: https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2022/04/16/pesquisador-alerta-que-intervencoes-mal-planejadas-agravam-problemas-na-falesia-do-cabo-branco-em-joao-pessoa.ghtml. Acesso 17.07.2022.

Caminha, P. V. de. (1500). A Carta de Pero Vaz de Caminha. Brasília: Fundação Biblioteca Nacional. URL: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/carta.pdf. Acesso 17.07.2022.

Cardoso, F. (2019, 10 de junho). Ministro do Turismo visita barreira do Cabo Branco, garante R$ 6 mi e diz que prefeitura e Governo precisam agir. Turismo em Foco. URL: https://turismoemfoco.com.br/v1/2019/06/10/ministro-do-turismo-visita-barreira-do-cabo-branco-garante-r-6-mi-e-diz-que-prefeitura-e-governo-precisam-agir/. Acesso 17.07.2022.

Coelho, A. L. N. (2008). Geomorfologia fluvial de rios impactados por barragens. Caminhos de Geografia, 9(6), 16-32. URL: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/15721. Acesso 17.07.2022.

Correa, I. C. S., Weschenfelder, J., Calliari, L. J., Tolto, E., Nunes, J. C., & Baitelli, R. (2019). Plataforma continental do Rio Grande do Sul. In: M. S. Dias, A. C. Bastos, & H. Vital (Orgs.). Plataforma continental brasileira. Rio de Janeiro: P2GM. p. 73-158. URL: https://www.researchgate.net/publication/337800477. Acesso 17.07.2022.

Cunha, S. B. (1995). Impactos das obras de engenharia sobre o ambiente biofísico da bacia do Rio São João (Rio de Janeiro – Brasil). Rio de Janeiro: UFRJ.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2011, 5 de dezembro). IBGE em parceria com a Marinha do Brasil lança o Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas. URL: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo.html?busca=1&id=1&idnoticia=2036&t=ibge-parceria-marinha-brasil-lanca-atlas-geografico-zonas-costeiras-oceanicas&view=noticia. Acesso 17.07.2022.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2021). Anuário estatístico do Brasil (Vol. 81) Rio de Janeiro: IBGE. URL: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/20/aeb_2021.pdf. Acesso 17.07.2022.

Prefeitura Municipal de João Pessoa. Secretaria de Turismo. (2022). Um pouco da sua história. https://turismo.joaopessoa.pb.gov.br/um-pouco-da-sua-historia/. Acesso 17.07.2022.

Jácome, I. (2021, 16 de novembro). Turista de 19 anos cai de falésia da praia de Pipa durante passeio de quadriciclo. G1 RN. URL: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2021/11/16/turista-de-19-anos-cai-de-falesia-da-praia-de-pipa-durante-passeio-de-quadriciclo.ghtml. Acesso 17.07.2022.

Jornal de Brasília. (2020, 23 de novembro). Obra do enrocamento do sopé da Barreira do Cabo Branco é concluída. Jornal de Brasília. URL: https://jornaldebrasilia.com.br/noticias/brasil/

obra-do-enrocamento-do-sope-da-barreira-do-cabo-branco-e-concluida/. Acesso 17.07.2022.

Lavor, L. F. de (2016). Geodiversidade e sítios históricos na porção terminal do baixo curso do rio Paraíba do Norte. João Pessoa: Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba. P. (Dissert. Mestrado). URL: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/9804. Acesso 17.07.2022.

Libault, A. (1971). Os quatro níveis da pesquisa geográfica (Vol. 1, Métodos em Questão). São Paulo: Edusp.

Maia, D. S., & Sá, N. L. A. R. de. (2012). Luzes, postes e trilhos: equipamentos modernos que transformam a morfologia e a vida cotidiana da cidade da Parahyba (Brasil) nos primórdios do século XX. In: Simposio Internacional. Globalización, innovación y construcción de redes técnicas urbanas en América y Europa, 1890-1930. Brazilian Traction, Barcelona Traction y otros conglomerados financieros y técnicos. Barcelona, 2021. Actas... Barcelona. URL: http://www.ub.edu/geocrit/Simposio/cMaia_ Luzes.pdf. Acesso 17.07.2022.

Marinha do Brasil. Centro de Hidrografia da Marinha. (2022). Tábuas de Maré: Porto de Cabedelo (Estado da Paraíba) – 2022. URL: https://www.marinha.mil.br/chm/sites/

www.marinha.mil.br.chm/files/dados_de_mare/23-porto_de_cabedelo.pdf. Acesso 17.07.2022.

Moreno, T. R., & Rocha, R. M. da. (2012). Ecologia de costões rochosos. Estud. Biol., Ambiente Divers, 34(83), 191-201. doi: 10.7213/estud.biol.7332.

Muehe, D. (2006). Erosão e progradação no litoral brasileiro. Brasília: MMA. URL: https://gaigerco.furg.br/images/Arquivos-PDF/Livro_ersao_Dieter___RS.pdf. Acesso 17.07.2022.

Paladino, G. (2022, 14 de janeiro). Geólogos explicam desabamento de cânion em Capitólio e veem Brasil atrasado em avaliações de segurança de áreas turísticas. Jornal da Unesp. URL: https://jornal.unesp.br/2022/01/14/geologos-explicam-desabamento-de-canion-em-capitolio-e-veem-brasil-atrasado-no-monitoramento-de-seguranca-de-areas-turisticas/. Acesso 17.07.2022.

Pereira, H. (2021). Farol do Cabo Branco visto em vários ângulos. Instagram. URL: https://www.instagram.com/p/CRy-gRGNZgP/. Acesso 17.07.2022.

Portal Correio. (2019, 1 de julho). Projeto prevê oito quebra-mares para conter erosão na barreira, em João Pessoa. Portal Correio. URL: https://portalcorreio.com.br/projeto-preve-oito-quebra-mares-para-conter-erosao-na-barreira-em-joao-pessoa/. Acesso 17.07.2022.

Santos, E. J. dos, Ferreira, C. A., & Silva, J. M. F. da, Jr. (Orgs.). (2002). Geologia e recursos minerais do estado da Paraíba: texto explicativo dos mapas geológico e de recursos minerais do Estado da Paraíba. Recife: CPRM. URL: http://dspace.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/5034?show=full. Acesso 17.07.2022.

Santos, J. M. (2022, 7 de junho). Pernambuco tem novos deslizamentos, e mortos pelas chuvas sobem para 129. Folha de São Paulo. URL: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2022/06/

pernambuco-tem-novos-deslizamentos-e-mortos-pelas-chuvas-sobem-para-129.shtml. Acesso 17.07.2022.

Soares, S. B., & Chacaltana, J. T. A. (2003). Refração e difração de ondas em regiões costeiras. Anais do Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário, Recife, PE, Brasil, 9. URL: https://www.abequa.org.br/trabalhos/dinamica_costeira_322.pdf. Acesso 17.07.2022.

Sobreira, V. (2022, 26 de maio). Temporais no Grande Recife deixam mortos, desaparecidos e mais de 80 quedas de barreiras. Brasil de Fato. URL: https://www.brasildefato.com.br/2022/05/26/

temporais-no-grande-recife-deixam-mortos-desaparecidos-e-mais-de-80-quedas-de-barreiras. Acesso 17.07.2022.

Souza, A. dos S., & Furrier, M. F. (2015). Caracterização geomorfológica e ocupação antrópica de zonas costeiras: o caso da Ponta do Seixas, Litoral da Paraíba – Brasil. Revista do Departamento de Geografia, 30, 166-178, 2015. doi: 10.11606/rdg.v30i0.98321.

Suguio, K. (1998). Dicionário de geologia sedimentar e áreas afins. Rio de Janeiro: Bertand Brasil.

Sunamura, T. (2015). Rocky coast processes: with special reference to the recession of soft rock cliffs. Proceedings of the Japan Academy. Series B, Physical and Biological Sciences, 91(9), 481-500. doi: 10.2183/pjab.91.481. Acesso 17.07.2022.

Virgílio, E. (2020, 22 de novembro). Tragédia que matou família em Pipa expõe risco de acidentes com falésias. G1 RN. URL: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2020/11/22/

tragedia-que-matou-familia-em-pipa-expoe-risco-de-acidentes-com-falesias.ghtml. Acesso 17.07.2022.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.