Banner Portal
Inventário da Geodiversidade ex situ associada ao patrimônio construído da Cidade de Fortaleza, Ceará
PDF

Palavras-chave

Geoconservação
Monumentos históricos
Rochas ornamentais

Como Citar

DIOGENES, Davi Henrick Veras; MATTOS, Irani Clezar. Inventário da Geodiversidade ex situ associada ao patrimônio construído da Cidade de Fortaleza, Ceará. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 19, n. 00, p. e023024, 2023. DOI: 10.20396/td.v19i00.8672681. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8672681. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

Introdução. A utilização de rochas para construção de patrimônio histórico-cultural é de grande importância e significado. Objetivo. O presente trabalho visa associar o patrimônio edificado da Cidade de Fortaleza, Ceará, à geodiversidade do material utilizado na edificação, visando oferecer aos habitantes daquele espaço urbano a oportunidade de se aproximarem dos elementos geológicos sem grandes deslocamentos. Metodologia e Resultados. Para atingir tal propósito foi realizado um inventário do patrimônio construído presente na cidade; foram feitas descrições de sua forma, história, características do material pétreo e patologias identificadas. O estudo contou com extensa pesquisa bibliográfica e visitas de campo, nas quais o patrimônio foi analisado à luz das metodologias de conservação de monumentos propostas pelo Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS). Conclusão. As descrições foram reunidas para compor um inventário com foco na geoconservação.

https://doi.org/10.20396/td.v19i00.8672681
PDF

Referências

Aires-Barros, L. (1991). Alteração e alterabilidade de rochas. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, Centro de Petrologia e Geoquímica, Universidade Técnica de Lisboa. 348p.

Almeida, A. R. D., & Ulbrich, H. H. G. J. (2001). O papel da mistura de magmas na gênese do magmatismo granítico cálcio-alcalino Quixeramobim, CE. Revista de Geologia, 14, 49-80. URL: http://www.periodicos.ufc.br/geologia/article/view/1423. Acesso 31.08.2023.

Alves, M. A. de A. (2012). Das antigas praças da cidade de Fortaleza a contemporânea Praça de Fátima: Entre usos e (re)apropriações nos espaços sínteses de hibridizações. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará. URL: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6393. Acesso 31.08.2023.

Alves, M. D. C. L. (2022). Sérvulo Esmeraldo: linhas, luzes e sombras no povoamento por esculturas do espaço público de Fortaleza. Universidade de Brasília, Brasília. URL: https://bdm.unb.br/handle/10483/31986. Acesso 31.08.2023.

Arruda, K. E. C., Garcia, M. D. G. M., & Del Lama, E. A. (2017). Inventário geológico do patrimônio construído no litoral norte do estado de São Paulo, Brasil. Boletim Paranaense de Geociências, 73(1). doi: 10.5380/geo.v73i1.50120.

Azevedo, A. E. de. (1945). Subúrbios orientais de São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo. (Tese de Cátedra).

Azevedo, L. R. P., Artur, A. C., & Bonotto, D. M. (2015). Caracterização petrográfica, de índices físicos e da exalação de radônio em rochas ornamentais do Estado do Ceará, Brasil. Geociências, 34(3), 423-440. URL: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/geociencias/article/view/10302. Acesso 01.09.2023.

Azevedo, M. A. D. (1991). Fortaleza, ontem e hoje. Fortaleza: PMF/FUNCET.

Barbosa, L. O. (2023). Que estátua é essa? Os monumentos estatuários e bustos como fontes para a problematização dos objetos de conhecimento nas aulas de história no ensino médio. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará. URL: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/72692. Acesso 30.08.2023.

Brilha, J. (2016). Inventory and quantitative assessment of geosites and geodiversity sites: a review. Geoheritage, 8(2), 119-134. doi: 10.1007/s12371-014-0139-3.

Campello, M. S. (2006). Técnicas de processamento digital de imagens com aplicação no setor das rochas ornamentais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. URL: http://hdl.handle.net/1843/MPBB-6YFLQH. Acesso 31.08.2023.

Congresso Nacional. (1892). Discurso pronunciado na Sessão de 23.6.1892. A República. URL: https://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=801399&pesq=Estatua%20general%20Tib%C3%BArcio&hf=memoria.bn.br&pagfis=328. Acesso 31.08.2023.

Contreras, D. D., & de la Vega, A. G. (2019). Museo a Cielo Abierto en San Miguel como experiencia de paisaje musealizado. Diferents. Revista de museus, (4), 98-111.

Costa, M. C. L. (2014). Fortaleza, capital do Ceará: Transformações no espaço urbano ao longo do século XIX. Revista do Instituto do Ceará, 128, 81-111.

Costa, S. A. de A. (2010). O artista Zenon Barreto e a arte pública na cidade de Fortaleza. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas. URL: https://repositorio.unicamp.br/acervo/detalhe/783612. Acesso 01.09.2023.

Cunha, M. N. R. da. (1990). Praças de Fortaleza. Impr. Oficial do Ceará.

De Wever, P., Baudin, F., Pereira, D., Cornée, A., Egoroff, G., & Page, K. (2017). The importance of geosites and heritage stones in cities: a review. Geoheritage, 9(4), 561-575. doi: 10.1007/s12371-016-0210-3.

Del Lama, E. A., & Dehira, L. K. (2022). O basalto no patrimônio construído e no patrimônio geológico. Rio de Janeiro: Revista Eletrônica Progr. Pós-Grad. Museologia e Patrimônio (Unirio|MAST), Museologia e Patrimônio, 15(1), 83-97. doi: 10.52192/1984-3917.2022v15n1p83-97.

Del Lama, E. A., Dehira, L. K., & Reys, A. C. D. (2009). Visão geológica dos monumentos da cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Geociências, 39(3), 409-420. doi: 10.25249/0375-7536.2009394409420.

Di Benedetti, V., Custódio, L. A. B., & Gonzatti, C. (2016). Monumento a Anita e Giuseppe Garibaldi: diagnóstico e Tratamento. Geonomos, 24(2), 185-189. doi: 10.18285/geonomos.v24i2.882.

Farias, A. A. C. (2011). Sérvulo Esmeraldo: inventando espaços no espaço da cidade. In Sérvulo Esmeraldo. São Paulo: Pinacoteca do Estado. URL: https://repositorio.usp.br/item/002198462. Acesso 31.08.2023.

Farias, A. de. (2021). História do Ceará. Armazém da Cultura.

Freire, C. de S., & da Silva, A. P. B. R. (2018). O Instituto do Ceará e a intelectualidade cearense: Identidade regional, sociabilidade e escrita da história da abolição na província. Passagens: Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, 10(3), 440-463. doi: 10.15175/1984-2503-201810306.

Goes, G. V. (2015). Um percurso sobre o patrimônio e a morfologia urbana do centro de Fortaleza, CE. Natal, RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 220f. (Dissert. Mestrado). URL: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20015. Acesso 01.09.2023.

International Council on Monuments and Sites (ICOMOS) (2023). ICOMOS International Council on Monuments and Sites. Charenton-le-Pont, France: ICOMOS. URL: https://www.icomos.org/en. Acesso 23.11.2023.

Liccardo, A., Mantesso-Neto, V., & Piekarz, G. (2012). Geoturismo Urbano: Educação e Cultura. Anuário do Instituto de Geociências UFRJ, 35(1), 113-141. DOI: https://doi.org/10.11137/2012_1_133_141.

Lourenço Filho, M. B. (2002). Juazeiro do Padre Cícero. 4 ed. aum. Brasília: MEC/Inep. 178p. URL: https://download.inep.gov.br/publicacoes/diversas/historia_da_educacao/juazeiro_do_padde_cicero.pdf#. Acesso 06.09.2023.

Marques, J., Azevedo, M. R., Neto, J. N., Pereira, A. J. S. C., & Artur, A. C. (2014). Caracterização tecnológica do monzogranito Serra Branca (Ceará, Brasil). Comunicações Geológicas, 101, 799-802.

Mattos, I. C., & Artur, A. C. (2013). Caracterização Petrográfica e tecnológica de granitos ornamentais do Stock Granítico Serra do Barriga, Sobral/CE. Geociências, 32(2), 247-268. URL: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/geociencias/article/view/8332. Acesso 01.09.2023.

Mendes, V. D. A. (2002). Os jazimentos de rochas ornamentais e sua relação com os eventos tectônicos atuantes no território brasileiro. Rio de Janeiro: CETEM/MCT. URL: http://mineralis.cetem.gov.br:8080/bitstream/cetem/1440/1/15%20(2).pdf. Acesso 31.09.2023.

Menezes, A. B. de. (1992). Descrição da cidade de Fortaleza. Casa de José de Alencar, Programa Editorial. Universidade Federal do Ceará.

Menezes, R. de. (2000). Coisas que o tempo levou: Crônicas históricas da Fortaleza antiga. Ediçôes Demócrito Rocha.

Montenegro, J. A. S. (1995). Bárbara de Alencar. Revista do Instituto do Ceará, 109, 139-52. URL: https://www.institutodoceara.org.br/revista/Rev-apresentacao/RevPorAno/1995/1995-BarbaradeAlencar.pdf. Acesso 31.08.2023.

Neumann, R. (1993). Contribuição à petrologia das rochas charnockíticas de Ubatuba, leste do Estado de São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo. (Tese Dout.). doi: 10.11606/D.44.1993.tde-22062015-144506.

Nogueira, J. F. (2004). Estrutura, geocronologia e alojamento dos batólitos de Quixadá, Quixeramobim e Senador Pompeu, Ceará central. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas. (Tese, Doutorado). 123f. URL: http://hdl.handle.net/11449/103013. Acesso 01.09.2023.

Olímpio, J. L. S., Monteiro, F. A. D., Freitas, L. C. B., Almeida, L. D., Alcântara, A. D., Loureiro, C. V., & Maia, R. P. (2021). O que sabemos sobre os inselbergues de Quixadá e Quixeramobim, Nordeste do Brasil. William Morris Davis-Revista de Geomorfologia [online], 2(1), 1-24. URL: https://williammorrisdavis.uvanet.br/index.php/revistageomorfologia/article/view/107. Acesso 31.08.2023.

Oliveira, G. A. R. D. (2015). Rochas ornamentais do Espírito Santo e do Nordeste: avaliação da aplicabilidade através da caracterização tecnológica. Recife, PE: Universidade Federal de Pernambuco. (Dissert. Mestrado). URL: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/16079. Acesso 01.09.2023.

Oliveira, J. L. V. C. de. (2016). As moradas eternas do brigadeiro Sampaio. Revista do Exército Brasileiro, 152(3), 58-63. URL: http://ebrevistas.eb.mil.br/REB/article/view/2839. Acesso 01.09.2023.

Ordóñez, S., García del Cura, M. A., Fort González, R., & Pina, J. A. (1996). El “Crema Marfil” (Pinoso, Alicante). I. Características petrofísicas y parámetros de durabilidad. Geogaceta, 20(3), 727-730. URL: http://rabida.uhu.es/dspace/handle/10272/12265. Acesso 31.08.2023.

Parente, T. C., & Lima, M. R. de. (2015). Quando as estátuas pensam a cidade: Iracema Guardiã. In: Anais do 38° Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro, RJ.

Perlingeiro, Max. (2021). A arte pública está posta. O Povo. Caderno Vida e Arte. Fortaleza, Ceará. URL: https://mais.opovo.com.br/jornal/vidaearte/2021/09/13/max-perlingeiro-a-arte-publica-esta-posta.html. Acesso 01.09.2023.

Pinto, A. R. A. P. (2018). O papel do fator humano nos acidentes aéreos ocorridos no nordeste brasileiro no período de 2006 a 2016. Salvador, Bahia: Universidade Federal da Bahia. URL: https://repositoriohml.ufba.br//jspui/handle/ri/27082. Acesso 01.09.2023.

Price, M. (2007). Decorative stone: the complete sourcebook. Thames & Hudson.

Queiroz, D. S., Del Lama, E. A., & Garcia, M. G. M. (2019). Proposta de roteiro geoturístico pelos prédios históricos do centro de Santos, SP. Terrae Didatica, 15, 1-7, e019002. doi: 10.20396/td.v15i0.8654686.

Ratts, A. (2016). A diferença negra e indígena no território: Observações acerca de Fortaleza e do Ceará. Geosaberes: Revista de Estudos Geoeducacionais, 7(12), 3-16. URL: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5548163. Acesso 31.08.2023.

Rodrigues, K. C. (2013). General Tibúrcio: a construção da memória de um herói para e do Ceará [1887-1937]. Fortaleza, CE: ANPUH. URL: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/42620. Acesso 01.09.2023.

Sá, M. J. R. de. (2019). Uma fonte para a história do cangaço: os relatórios dos governadores nordestinos (1910-1930). Aracaju, Sergipe. Universidade Federal de Sergipe. URL: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/12030. Acesso 01.09.2023.

Sales, F. A. C. B. (2003). Marmorarias do Ceará: dificuldades e limitações do setor. CETEM/SGB. URL: http://mineralis.cetem.gov.br/bitstream/cetem/1499/1/36-IV_simposio_de_rochas_ornamentais_do_nordeste.pdf. Acesso 01.09.2023.

Salvador, D., & Baptista, M. M. (2011). Turismo cultural e origens de um povo: uma rota turístico-literária para a cidade de Fortaleza, baseada na obra “Iracema”, de José de Alencar. In: Congresso Internacional “A Europa das Nacionalidades–Mitos de Origem: Discursos Modernos e Pós-modernos. Aveiro. Centro de Línguas e Cultura da Universidade de Aveiro. (pp. 188-189).

Santos, J. S. (2003). Círculos oerários no Ceará: uma ausência historiográfica. Fortaleza, CE. Universidade Federal do Ceará. URL: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19958. Acesso 01.09.2023.

Sardou Filho, R., Matos, G. M. M. D., Mendes, V. A., & Iza, E. R. H. D. F. (2013). Atlas de rochas ornamentais do estado do Espírito Santo. CPRM. Brasília . URL: https://www.sindirochas.com/arquivos/atlas-rochas.pdf. Acesso 31.08.2023.

Silva Filho, A. L. M. e. (2001). Fortaleza: Imagens da cidade. 2 ed. Fortaleza: Museu do Ceará, Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará.

Silva, A. T. da. (2015). “A Fisionomia Da Pedra”: Um Olhar Sobre A Escultura De Agostinho Balmes Odísio. Revista Espacialidades [online], 8(1), 1984-817X. URL: https://cchla.ufrn.br/espacialidades/v8n1/4%207588.pdf. Acesso 01.01.2023.

Silva, E. A. da. (2022). Memória em instituições históricas: Um estudo de caso sobre o Memorial Edson Queiroz. Ceará, Fortaleza. Universidade Federal do Ceará. URL: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/72348. Acesso 31.08.2023.

Siqueira, D. S., & Pereira, C. R. (2019). General Tibúrcio: perpetuação da memória em viçosa do ceará. Revista Ciencias de la Documentación, 5(2), 42–51.

Siqueira, V. O. (2011). De Dom Bosco a Padre Cícero: a saga do escultor Agostinho Balmes Odísio discípulo de Rodin. Fortaleza: Ed. IMEPH.

Sousa, Eusébio de. (2006) Os monumentos do estado do Ceará: referência históricodescritiva. Fortaleza: Secretaria da Cultura do Estado do Ceará: Museu do Ceará.

Stern, A. G., Riccomini, C., Fambrini, G. L., & Chamani, M. A. C. (2006). Roteiro geológico pelos edifícios e monumentos históricos do centro da cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Geociências, 36(4), 704-711. URL: https://bityli.com/R3aEW. Acesso 01.09.2023.

Torquato, M. D. F. B., Torquato, J. R. F., Figueiredo, C., & Neto, J. D. A. N. (2008). Estudo dos granitos cearenses “vermelho Filomena, meruoca clássico e verde ceará” por análise digital de imagem em câmara com atmosfera saturada em SO2. Geonomos, 16(2), 51-62. doi: 10.18285/geonomos.v16i2.83.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (1972). Convenção para a proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural. Paris, França: UNESCO. 16p. URL: http://whc.unesco.org/archive/convention-pt.pdf. Acesso 31.08.2023.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Davi Henrick Veras Diogenes, Irani Clezar Mattos

Downloads

Não há dados estatísticos.