LINGUAGEM DIGITAL E INTERPRETAÇÃO: PERSPECTIVAS EPISTEMOLÓGICAS

Autores

  • Walkyria Monte Mor

Resumo

Os estudos sobre novos letramentos e multiletramentos (Lankshear & Knobel, 2003; Cope & Kalantzis, 2000), os quais se voltam para a compreensão sobre a relação entre linguagem digital e educação (Luke & Freebody, 1997; Gee, 2003; Snyder, 2000) apontam mudanças no modo de construção do conhecimento e da apreensão da linguagem social. Este artigo apresenta a análise dos resultados de uma investigação exploratória realizada com alunos universitários usuários da Internet que visava observar a habilidade interpretativa dos pesquisados na interação com variadas modalidades de comunicação, sendo escolhidas para tal as construções interpretativas de salas de bate-papo e as de um filme. A análise da pesquisa respalda-se nos estudos sobre imagem e cinema (Manovich, 2001; Carriére, 1995), epistemologias digitais (Lankshear & Knobel, 2003), de conhecimento em rede (Castells, 1999) e outros, na busca de compreender a conectividade da linguagem como prática social numa sociedade que se caracteriza pela lógica póstipográfica (Castells, 1999; Gee, 2003) de leitura e interpretação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-10-19

Como Citar

MONTE MOR, W. LINGUAGEM DIGITAL E INTERPRETAÇÃO: PERSPECTIVAS EPISTEMOLÓGICAS. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 46, n. 1, 2011. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639441. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos