Banner Portal
As representações do “erro” na aprendizagem da escrita numa classe de alfabetização de jovens e adultos
Remoto

Palavras-chave

Erro. Letramento. Norma lingüística

Como Citar

PEREIRA, J. D. S. As representações do “erro” na aprendizagem da escrita numa classe de alfabetização de jovens e adultos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 47, n. 1, p. 151–168, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645188. Acesso em: 21 fev. 2024.

Resumo

Este trabalho, fruto de pesquisa de cunho etnográfico e colaborativo na área da Lingüística Aplicada, descreve algumas representações sobre o “erro” no processo de aprendizagem da escrita numa classe de alfabetização de jovens e adultos em uma escola da rede municipal de Vitória da Conquista, Bahia. Tais representações, como se percebeu na análise, simbolizam, para os atores sociais envolvidos (alfabetizadora e alfabetizandos), a (re) produção de uma imagem de “escrita correta”, sob a qual se forma uma rede de sentidos em torno de uma “língua escrita correta” nos eventos de letramento escolar.

ABSTRACT:

This paper is based on an ethnographic and collaborative research conducted in the area of Applied Linguistics. It describes some representations of “error” in the writing learning process of the young and adult literacy students at a school in Vitória da Conquista, Bahia. Data results show that the representations for both the teacher and the young and adult learners are reproductions of a “correct writing” image produced in the literacy events of the classroom.

Keywords: error; literacy; linguistic norm.

Remoto

Referências

ALÉONG, S. (2001). Normas lingüísticas, normas sociais: uma perspectiva antropológica. In: Bagno, Marcos (org.). Norma Lingüística. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Edições Loyola, p.145- 174.

BAKHTIN, M. (VOLOCHINOV). (2004). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira.

ed. São Paulo: Editora Hucitec.

BARTON, D. (1994). Literacy: na introduction to the ecology of written language. Oxford: Blackwell.

BORTONI-RICARDO, S. M. (1984). Problemas de comunicação interdialetal. Revista Tempo Brasileiro, n.78/79, p.9-32.

CAMERON, D. et al. (1992). Introduction. In: CAMERON, D. et al. Researching Language: issues of power and method. London: Rotledge.

CASTILHO, A. T. de. (2002). Variação dialetal e ensino institucionalizado de língua portuguesa. In: BAGNO, Marcos (org.). Lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, p. 27-36.

CASTORIADIS, C. (2000). A instituição imaginária da sociedade. 5.ed. Trad. Guy Reynaud. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CLARK, R; IVANIC, R. (1997). The politics of writing. London and NewYork: Routhledge.

COSERIU, E. (1967). Teoría del lenguaje y lingúistica general: cinco estúdios. Madrid, Espana: Editorial Gredos, S.A.

DE CERTEAU, M. (1994). A invenção do cotidiano: artes de fazer. 10.ed. Trad. Ephraim Ferreira alves.

Petropólis, RJ: Vozes.

ERICKSON, F. (1984). What makes school ethnography ethnographic? Antropology and Education Quartely. [s.l.], n. 15.

_______. (1986). Qualitative Methods in Research on Teaching. In: WITTROCK, Merlin C. (org.) Handbook of research on teaching: a project of the american educational research association.

ed. London, Macmillan Publishing Company, p. 119-161.

FARACO, C. A. (2002). Norma-padrão brasileira: desembaraçando alguns nós. In: BAGNO, Marcos (org.). Lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, p. 37-61.

GNERRE, M. (1987). Linguagem, escrita e poder. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes.

GUMPERZ, John J. (2002). Convenções de contextualização. In: RIBEIRO, B; GARCEZ, P. (org.).

Sociolingüística Interacional: Antropologia, Lingüística, Sociologia em Análise do Discurso. São Paulo: Edições Loyola, p.149-182.

KLEIMAN, Â. B. (1993). Interação e produção de texto: elementos para uma análise interpretativista crítica do discurso do professor. DELTA. V. 9, n. Especial, p. 417-435.

_______. Programas de educação de jovens e adultos e pesquisa acadêmica: a contribuição dos estudos do letramento. Educ. Pesq: [on line]. Jul/dec 2001, v.27, nº 2 [citado 21 de setembro de 2004], p. 267- 281. Disponível na world wibe web: http://www.scielo.br/scielo.phd?script=scri_arttext&pid=s1517- 97022001000200006&Ing=pt&nrm=iso.ISSN1517-9702.

MATTOS E SILVA, R. V. (2001). Contradições no ensino de português: a língua que se fala X a língua que se ensina. 4.ed. São Paulo: Contexto.

OLSON, D. R. (1995). Cultura e escrita e objetividade: o surgimento da ciência moderna. In: OLSON, D. R.; TORRANCE, N. Cultura escrita e oralidade. Trad. Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Ática.

PHILIPS, S. U. (2002). Algumas fontes de variabilidade cultural na ordenação da fala. RIBEIRO, B; GARCEZ, P. (org.). Sociolingüística Interacional: Antropologia, Lingüística, Sociologia em Análise do Discurso. São Paulo: Edições Loyola, p. 21-44.

POSSENTI, S. (1996). Por que (não) ensinar gramática na escola. 2.ed. Campinas, SP: Mercado de Letras.

REY, A. (2001). Usos, julgamentos e prescrições lingüísticas. In: Bagno, Marcos (org.). Norma Lingüística.

Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Edições Loyola, p. 115-144.

RIBEIRO, B; GARCEZ, P. (org.). (2002). Sociolingüística Interacional: Antropologia, Lingüística, Sociologia em Análise do Discurso. São Paulo: Edições Loyola.

SIGNORINI, I. (2001). Construindo com a escrita “outras cenas de fala”. In: SIGNORINI, I. (org.).

Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de letras, p. 97- 134.

SOARES, M. (2001). Letramento: um tema em três gêneros. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica.

STREET, B. (1984). Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press.

TFOUNI, L. V. (2004). Letramento e alfabetização. 6 ed. São Paulo: Cortez. _______. (1998). Adultos não-alfabetizados: o avesso do avesso. Campinas, SP: Pontes. VIGOTSKY, L. S. (1998). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Trad. José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.