Banner Portal
A dicotomia tradutor/autor na leitura de “a tarefa do tradutor”, de Benjamin, por derrida
Remoto

Palavras-chave

Tradução literária. Desconstrução. Pós-colonialismo

Como Citar

SANTANA, V. D. A dicotomia tradutor/autor na leitura de “a tarefa do tradutor”, de Benjamin, por derrida. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 47, n. 1, p. 251–262, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645207. Acesso em: 21 fev. 2024.

Resumo

O presente artigo analisa a dicotomia entre tradutor/tradução (texto de chegada) e autor/ original (texto de partida), considerando a postura da crítica tradicional, representada aqui pela apreciação de Maurício Santana Dias à tradução de A Divina Comédia, de Dante Alighieri, empreendida por Italo Eugênio Mauro e de Carlos Heitor Cony e Ivo Barroso a traduções do poema O Corvo, de Edgar Allan Poe; alguns casos exemplares em que tradução e original se confundem, como a tradução que Charles Baudelaire fez dos contos de Edgard Allan Poe e a obra de Daniel Gagnon, Une fille a marie e The daughter to marriage, uma mesma história escrita pelo mesmo autor em duas línguas diferentes; a questão dos direitos autorais e a discussão de Jacques Derrida sobre tradução e original e a tarefa do tradutor, contida em “Des Tours de Babel”, texto em que retoma o clássico “A tarefa do tradutor” (Die Aufgabe des Übersetzers), de Walter Benjamin. Partindo da análise de discurso, da desconstrução e dos conceitos pós-coloniais de tradução, nosso objetivo foi demonstrar que as obras traduzidas não se encontram, necessariamente, em patamar inferior, em termos de qualidade literária, em relação à obra de partida, ressaltando que, em muitos casos, quando não se dispõe do que chamamos “elementos formais de distinção”, não é possível distinguir original de tradução. Logo, concluímos, partir do pressuposto de que inferioridade literária seria característica de tradução – premissa em que a crítica tradicional tem se apoiado para justificar suas avaliações negativas das traduções – não faz sentido algum 

ABSTRACT:

The article analyzes the dichotomy between translator/translation and author/”original”, considering the stance of the traditional critique, represented here by the Mauricio Santana Dias´ appreciation to the translation of Dante Alighieri´s Divina Comedia, done by Italo Eugenio Mauro; Carlos Heitor Cony´s appreciation to the translation of Edgar Allan Poe´s “The raven”, done by Milton Amado; some exemplary cases where the translation and “original” get confused, like the translations did by Charles Baudelaire for Poe´s stories, highlighting “Morella”, and Daniel Gagnon´s works Une fille a marie and The daughter to marriage; the question of copyrights and Jacques Derrida´s argument about translation and “original” contained in “Des Tours de Babel”, text that retakes the classic “Die Aufgabe des Übersetzers”, by Walter Benjamin. Based on the discourse analysis, the deconstruction and postcolonial concepts of translation, our objective was to show that the translated works can not be found, necessarily, on a lower level in terms of literary quality in relation to the “original” – in many cases, when what we call “formal elements of distinction” are not present, it is not possible to distinguish “original” and translation. Therefore we conclude from the presumption that literary inferiority would be a characteristic of translation – premise that the traditional critique has been supported to justify its negative evaluations of the translation – does not make any sense.

Keywords: literary translation; deconstruction; post-colonialism.

Remoto

Referências

ASSELINEAU, R. (1964). “Introduction”. In: Histoires Extraordinaires. Paris: Garnier-Flammarion, p.

-24.

BARROSO, I. (Org.) (1998). “Introdução”. In: “O Corvo” e suas Traduções. São Paulo: Lacerda Ed., p.

-24.

BASSNET, S. e TRIVEDI, H. (1999). “Of colonies, cannibals and vernaculars”. In: BASSNETT, Susan e TRIVERDI, Harish (Eds). Post-colonial translation. London e New York: Routledge, p. I-XVIII CABAU, J. (1941). Edgard Poe par lui-même. Paris: Édition du Seuil.

CATFORD, J. C. (1980). Uma teoria lingüística da tradução (Trad.: Centro de especialização de Tradutores da PUC). São Paulo: Cultrix.

CHARTIER, R. (1994). A ordem dos livros (Trad. Mary Del Priore). Brasília: Editora Universidade de Brasília.

CONY, C. H. (1998). “O Corvo” e seus leitores. In: BARROSO, Ivo (Org.). “O Corvo” e suas Traduções.

São Paulo: Lacerda Ed., p. 9-11.

DERRIDA, J. (1985). “Des Tours de Babel”. In: Difference in Translation (ed. Joseph F. Grahan). Nova Iorque: Cornell University, p. 209-248.

DIAS, M. S. (1999). O desafio da “Comédia”. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 jul. Mais!, p. 9.

SANTANA, V. D. (2002). “Da tradução total à tradução impossível”. In: O tradutor como autor: transformação e sobre-vida do “original”. Dissertação de mestrado, UNICAMP, Campinas, 2002, p. 68-91.

SIMON, S. (1999). “Border writing in Quebec”. In: BASSNETT, Susan e TRIVERDI, Harish (Eds). Postcolonial translation. London e New York: Routledge, p 58-74.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.