Os novos letramentos digitais como lugares de construção de ativismo político sobre sexualidade e gênero

  • Luiz Paulo da Moita Lopes Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Letramentos digitais. Web 2.0. Multidão. Ativismo político. Gênero. Sexualidade

Resumo

Compreendendo os chamados novos letramentos digitais como práticas socioculturais, argumentase como tais espaços se tornaram, na contemporaneidade, lugares de ativismo político e de construção de significados transgressores sobre a vida pública e privada, por meio dos quais sub-políticas são construídas. A seguir, teoriza-se a vida social em tais letramentos como típica da Web 2.0 no sentido de que envolve modos de ação e de pensar específicos, que questionam a autoria, já que são coloborativos e participativos, ao passo que nos colocam em meio a Multidão e seus discursos inovadores, desestruturadores e inesperados. Tais discursos são cruciais, pois podem colaborar na reinvenção social, ensaiando o futuro. Para finalizar, analisam-se dois espaços de afinidades na Web 2.0, centrados no ativismo político sobre sexualidade e gênero, caracterizando os movimentos interacionais em desenvolvimento em tais práticas sociais de letramentos e o modo como nos expõem a futuros alternativos: uma demanda crucial em nossos tempos.

ABSTRACT:

Theorizing the so-called new digital literacies as socio-cultural practices, it is argued that such sites have contemporarily become spaces for political activism and for the construction of transgressive meanings about public and private life, through which sub-political actions are constructed. Next, social life in such literacies is theorized as typical of Web 2.0 in the sense that it involves specific modes of action and of thinking, which question authorship, since they are collaborative and participative, at the same time that they position us amidst the Multitude and their innovative, de-structured and unexpected discourses. Such discourses are crucial because they may collaborate with the re-invention of social life, rehearsing the future. Finally, two spaces of affinity in Web 2.0, centered on sexuality and gender, are analyzed through the characterization of the interactional moves in such social practices and through the way they expose ourselves to alternative futures: a crucial demand of our times.

Keywords: digital literacies; Web 2.0; Multitude; political activism; gender; sexuality

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Paulo da Moita Lopes, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professor Titular do Programa Interdisciplinar de Lingüística Aplicada da UFRJ e Pesquisador do CNPq. É PhD em Lingüística Aplicada pela Universidade de Londres. Foi presidente da Associação de Lingüística Aplicada do Brasil, atuou como representante da área de Letras e Lingüística no Conselho de Assessores do CNPq e como conselheiro da Associação de Pós-Graduação em Letras e Lingüística (ANPOLL). Já publicou dez livros no Brasil (Oficina de Lingüística Aplicada, Identidades Fragmentadas, Discursos de Identidades, Identidades - Recortes Multi- e Interdisciplinares, Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar, Performances, Para além da identidade: fluxos, movimentos e trânsitos, Estudos de identidade: entre saberes e práticas, Português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico, Linguística Aplicada na Modernidade Recente. Festschrift para Antonieta Celani) e um nos Estados Unidos/Inglaterra (Global Portuguese. Linguistic ideologies in late modernity).

Referências

APPADURAI, A. (2001). Grassroots globalization and the research imagination. In: APPADURAI, A.

(org.) Globalization. Londres: Duke University Press.

BECK, U. (1995). A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: GIDDENS, A.; BECK, U. & LASH, S. Modernização reflexiva. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Editora da UNESP.

BRICE HEATH, S. (1983). Ways with words. Cambridge: Cambridge University Press.

BRICE HEATH, S. & STREET, B. V. (2008). On ethnography. Approaches to language and literacy research. Nova York: Teachers College Press.

BROWN, B, & YULE, G. (1986). Discourse analysis. Cambridge: Cambridge University Press.

BUTLER, J. (1999). Gender trouble: feminism and the subversion of identity. Nova York: Routledge.

CLEMINSON, R. & GORDO, A. (2008). Relaciones tecnosexuales: de los molinos medievales a las páginas de encuentro. In: SÁBADA, I. & GORDO, A. (orgs.) Cultura digital y movimentos sociales.

Madri: Catarata.

COPE, B. & KALANTZIS, M. (orgs.). (2000). Multiliteracies. literacy, learning and the design of social futures. Londres: Routlegde.

DAVIES, J. & MERCHANT, G. (2009). Web 2.0 for schools, learning and social participation. Nova York: Peter Lang.

FABRICIO, B. F. & MOITA LOPES, L. P. (2004). Discursos e vertigens: identidades em xeque em narrativas contemporâneas. Veredas, v. 11, n. 2, p. 11-30.

FABRÍCIO, B. F. & MOITA LOPES, L. P. (2010). A dinâmica dos (re-) posicionamentos de sexualidade em práticas de letramento escolar: entre oscilações e desestabilizações sutis. In: MOITA LOPES, L.

P. & BASTOS, L. C. (orgs.) Para além da identidade: fluxos, movimentos e trânsitos. Belo Horizonte: Editora UFMG.

FRIDMAN, L. C. (2000). Vertigens pós-modernas. Configurações institucionais contemporâneas. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

GEE, J. (1996). Social linguistics and literacies: ideology in discourses. Londres: Falmer.

GEE, J. (2004). Situated language and learning. A critique of traditional schooling. Nova York: Routlegde.

GINZBURG, C. (1976/1987). O queijo e os vermes. Trad. Maria Betânia Amoroso. São Paulo: Companhia das Letras.

GIDDENS, A. (2000). Mundo em descontrole. Trad. Maria Luiza Borges. Rio de Janeiro: Record.

GÓMEZ CRUZ, E. (2008). Web 2.0: consumidores consumidos, productores preproducidos. In: ARRIAZÚ, R.; BLANCO, R.; CARO, G.; ESTALELLA, A. & CRUZ, E. G. Intalados en la cresta de la web 2.0.? Cinco autores em busca de la ‘big two dot zero. In: SÁBADA, I. & GORDO, A. (orgs.) Cultura digital y movimentos sociales. Madri: Catarata.

GUIMARÃES, T. F. (2009). A construção performativa do gênero e da sexualidade nas práticas discursivas de uma Lanhouse. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa Interdisciplinar de Pósgraduação em Linguística Aplicada, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

HARDT, M. & NEGRI, A. (2005). Multidão. Guerra e democracia na era do Império. Trad. Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record.

KLEIMAN, A. (1995). Os significados do letramento. Campinas: Mercado de Letras.

KRESS, G. & van LEEUWEN, T. (2001). Multimodal discourse. Londres: Arnold.

KRESS, G. (2003). Literacy in the new media age. Londres: Routledge.

LANKSHEAR, .C. & KNOBEL, M. (orgs.). (2008). Digital literacies. Concepts, policies and practices.

Nova York: Peter Lang.

LANKSHEAR, C. & KNOBEL, M. (2007). Sampling the new in new literacies. In: KNOBEL, M. & LANKSHEAR, C. (orgs.) A new literacies sampler. Nova York: Peter Lang.

LEWIS, C.; ENCISO, P. & MOJE, E. B. (2007). Reframing sociocultural reserach on literacy. Identity, agency and power. Londres: Lawrence Erlbaum.

LINELL, P. (1990). The power of dialogue dynamics. In: MARKOVÀ, I. & FOPPA, K. (orgs.) The dynamics of dialogue. Nova York: Harvester Wheatsheaf, 1990.

MAYANS i PLANNELS, J. (2008). En la cibersociedad. Dimensiones analíticas, políticas y sociales del concepto de ciberespacio. In: SÁBADA, I. & GORDO, A. (orgs.) Cultura digital y movimentos sociales. Madri: Catarata.

MAYBIN, J. & MOSS, G. (1993). Talk about texts: reading as a social event. Journal of Research on Reading, v. 16, n. 2, p. 138-147.

MOITA LOPES, L. P. (no prelo). O novo ethos dos letramentos digitais: modos de construir sentido, revolução das relações e performances identitárias fluidas. Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, UFRJ, mimeo, no prelo.

_______. (org.) (2006/2008). Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola.

_______. (2002). Identidades fragmentadas. Campinas: Mercado de Letras.

_______. (2005). A construção do gênero e do letramento na escola: como um tipo de conhecimento gera outro. Investigações Literárias e Linguísticas, v. 17, n. 2, p. 47-68.

_______. (2008). Sexualidades em sala de aula: discurso, desejo e teoria queer. In: MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. (orgs.). Multiculturalismo. Diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes.

MOITA LOPES, L. P. & FABRICIO, B. F. (2007). “’Se eu fosse mulher...’: performances de gênero e sexualidade em Como Gostais”. In: MOITA LOPES, L. P.; DURÃO, F. A.; ROCHA, R. F. (orgs.).

Performances. Rio de Janeiro: Contra Capa.

O’REILLY, T. (2005). What is web 2.0?: design patterns and business models for the next generation of software (http://oreilly.com/web2/archive/what-is-web-20.html) acessado em 4/10/2010).

SÁDABA, I. & GORDO, A. (2008). Introducción. La tecnologia es política por outros médios. In: SÁBADA, I. & GORDO, A. (orgs.) Cultura digital y movimentos sociales. Madri: Catarata.

SANTOS, M. (2000). Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2000.

STREET, B. (1984). Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press.

SANTOS, B. de S. (2008). Do pós-moderno ao pós-colonial. E para além de um e de outro. Travessias.

Centro de Estudos Sociais. Universidade de Coimbra, nos. 6/7, p. 15-36.

SANTOS, B de S. (2006). Renovar la teoria crítica y reinventar la emancipación social. Buenos Aires: Glacso Libros.

SCHRAGE, M. (2009). The relationship revolution. (www.manyworlds.com/ exploreco.aspx?coid=co7300224361756, acessado em 28/1/2009.

VENN, C. (2000). Occidentalism. Modernity and subjectivity. Londres: Sage.

WENGER, E. (1998). Communities of practices. Cambridge: Cambridge University Press.

Publicado
2016-04-25
Como Citar
Lopes, L. P. da M. (2016). Os novos letramentos digitais como lugares de construção de ativismo político sobre sexualidade e gênero. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 49(2), 393-417. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645268
Seção
Artigos