Espaços e fronteiras da “liberdade de expressão” em blogs na internet

Autores

  • Fabiana Komesu Universidade Estadual Paulista

Palavras-chave:

Escrita. Discurso. Internet

Resumo

Neste artigo, proponho discutir a noção corrente de “liberdade de expressão”, comumente associada a práticas de escrita na internet, a exemplo de blogs. De uma perspectiva dos estudos da Análise do Discurso, interessa-me observar questões de ordem linguística e discursiva que possibilitam a emergência de certos enunciados em rede, em meio à trama da multiplicidade das relações sociais que condicionam o(s) dizer(es) na contemporaneidade. De maneira particular, busco caracterizar as condições de produção da linguagem em rede, na constituição de espaço, entendido segundo problemática social (SANTOS, 1996, 2008), em sua relação com a História, compreendida segundo descontinuidades (FOUCAULT, 1997).

ABSTRACT:

My aim in this paper is to discuss the current notion of “freedom of expression”, usually associated with internet writing practices, as for instance in blogs. From the perspective of Discourse Analysis, I am interested in examining issues of linguistic and discursive order which may favor the emergence of certain utterances online amidst the plot of the multiplicity of social relations which condition the sayings of contemporaneity. In particular, I try to characterize the conditions of production of language online, in the constitution of space, understood as a social issue (Santos, 1996, 2008), in its relation with History, understood as discontinuities (Foucault, 1997).

Keywords: writing; discourse; internet

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Komesu, Universidade Estadual Paulista

rofessora assistente na Universidade Estadual Paulista (Unesp), câmpus de São José do Rio Preto (SP), desde 2006. Atualmente, é vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Unesp/SJRP e líder do grupo de pesquisa Práticas de leitura e escrita em contexto digital (CNPq/Unesp). É pesquisadora vinculada aos grupos Estudos sobre a Linguagem (CNPq/Unesp) e Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologia Educacional - NEHTE (CNPq/UFPE). É membro do grupo de trabalho Linguagem e Tecnologia da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística (ANPOLL).

Referências

BAKHTIN, M. M. (1959-1961). O problema do texto. In: ______. Estética da criação verbal. 2.ed.

Trad. feita a partir do francês: Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p.327-358.

BIROLI, F. (2008). Dizer (n)o tempo: observações sobre história, historicidade e discurso. In: SIGNORINI, I. (org.) [Re]discutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p.157-184.

_______. (2006) História, discurso e poder em Michel Foucault. In: RAGO, M.; VEIGA NETO, A.

(orgs.). Figuras de Foucault. São Paulo: Autêntica Editora. p. 119-127.

BUZATO, M. E. K. (2006). Letramentos Digitais e Formação de Professores. III Congresso IberoAmericano EducaRede. 29 a 30 de maio. São Paulo.

CANUT, C. (2007). Une langue sans qualité. Limoges: Lambert-Lucas. p.49-68.

CATONE, J. (2010). A look back at the last 5 years in blogging. Disponível em: <http://mashable.com/ 2010/08/03/last-5-years-blogging/>. Acesso em: 27 ago. 2010.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL de 1988. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2010.

COURTINE, J.-J. (1981). Analyse du discours politique: le discours communiste adressé aux chrétiens.

Langages, n.62, jun/1981. 128p.

CRYSTAL, D. (2005). A revolução da linguagem. Trad.: Ricardo Quintana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

DEBRAY, R. (1991). Curso de midialogia geral. Trad.: Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis (RJ): Vozes, 1993. 419p.

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS. (2010). Disponível em: <http://www.onu-brasil.org.br/ documentos_direitoshumanos.php>. Acesso em: 30 ago. 2010.

ECO, U. (2002). Auteurs et autorité. Disponível em: <http://www.text-e.org/conf/ index.cfm?fa=texte&ConfText_ID=11>. Acesso em: 01. ago. 2003.

FOUCAULT, M. (1969). A arqueologia do saber. 5.ed. Trad.: Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997. 239p.

_______. (1970). A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad.: Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996. 79p.

_______. (1976). História da sexualidade I: A vontade de saber. 13.ed. Trad.: Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1999b. 152p.

FUSCA, C. J. (2008). VC TC D OND?: a abreviação (de distâncias) na internet. São José do Rio Preto.

Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. previsto para 2011. Orientador: Profa. Dra. Fabiana Komesu; coorientador: Profa. Dra. Luciani Ester Tenani.

KOMESU, F. (2004). Blogs e as práticas de escrita sobre si na internet. In: MARCUSCHI, L. A. & XAVIER, A. C. (orgs.) Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção do sentido. Rio de Janeiro: Lucerna. p.110-119.

_______. (2005). Entre o público e o privado: um jogo enunciativo na constituição do escrevente de blogs da internet. Campinas: 2005. 271f. Tese (Doutorado) em Linguística – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Orientador: Profa. Dra. Maria Bernadete Marques Abaurre.

_______. (2009). Oralidade e letramento: o estudo da escrita no contexto da tecnologia digital. Relatório Científico Final IV apresentado à FAPESP (Programa de Apoio a Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes, processo 04/14887-8, período de vigência: junho de 2005 a maio de 2009).

_______.; TENANI, L. E. (no prelo). A relação fala/escrita em dados produzidos em contexto digital.

Scripta (PUCMG).

_______.; TENANI, L. E. (2009). Considerações sobre o conceito de internetês nos estudos da linguagem.

Linguagem em (Dis)curso, v. 9, p. 621-643.

_______.; TENANI, L. E. (2010). Práticas de letramento/escrita no contexto da tecnologia digital.

Revista Eutomia, v. 1, p. 1-15.

LADJALI, C. (2007). Mauvaise langue. Paris: Seuil.

LEAL, R. (2009). Twitter: o que você ganha com ele? Info Exame, São Paulo, set. p.30-42.

LEONARDI, M. (2005). A liberdade de expressão em blogs tem limites. Disponível em: . Acesso em: 30. ago. 2010.

LUIZ SOBRINHO, V. V. (2010). Ausência de vírgulas em bate-papos virtuais produzidos por crianças: um enfoque prosódico e discursivo. São José do Rio Preto. 161f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Orientador: Profa. Dra. Fabiana Komesu.

MAMBRINI, V. (2009). A liberdade de expressão na era dos blogs. Disponível em: <http://www.istoe.com.br/ reportagens/35527_A+LIBERDADE+DE+EXPRESSAO+NA+ERA+DOS+BLOGS>. Acesso em: 30 ago.2010.

MELO, C. T. V. de. (2004). A análise do discurso em contraposição à noção de acessibilidade ilimitada da Internet. In: MARCUSCHI, L. A. & XAVIER, A. C. (orgs.) Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. Rio de Janeiro: Lucerna. p.135-143.

OLIVEIRA, R. M. C. de. (2002). Diários públicos, mundos privados: diário íntimo como gênero discursivo e suas transformações na contemporaneidade. Bahia: 2002. 214f. Dissertação (Mestrado) em Comunicação e Cultura Contemporâneas – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia. Orientador: Prof. Dr. Marcos Silva Palácios.

PÊCHEUX, M. (1969). Análise automática do discurso (AAD-69). Trad.: Eni Pulcinelli Orlandi. In: GADET, F. & HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad.: Bethânia S. Mariani... [et al.]. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

p.61-161.

PÊCHEUX, M. & FUCHS, C. (1975). A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. Trad.: Péricles Cunha. In: GADET, F. & HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad.: Bethânia S. Mariani... [et al.].

Campinas: Editora da UNICAMP, 1990. p.163-252.

POSSENTI, S. (2000). Notas um pouco céticas sobre hipertexto e construção de sentido. In: ______. Os limites do discurso: ensaios sobre discurso e sujeito. Curitiba (PR): Criar, 2002. p.205-225.

RECUERO, R. (2009). Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina.

_______. (2010) Twitter, influência e passividade: reflexões. Disponível em: . Acesso em: 09. ago.2010.

SANTOS, M. (1977). Sociedade e espaço: a formação social como teoria e método. In: ______. Da totalidade ao lugar. São Paulo: EdUSP, 2008. p.21-41.

_______. (1994). Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. 2.ed.

São Paulo: Hucitec, 1996. 190p.

SENNETT, R. (1976). O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. Trad.: Lygia Araújo Watanabe. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCHITTINE, D. (2004). Blog: comunicação e escrita íntima na internet. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 235p.

SIBILIA, P. (2003). Os diários íntimos na Internet e a crise da interioridade psicológica. In: LEMOS, A.

& CUNHA, P. (orgs.) Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre (RS): Sulinas. p.139-152.

TECHONORATI. (2010). Disponível em: <http://technorati.com/blogging/feature/state-of-theblogosphere-2009/page-2/#ixzz0xoeYWAtS>.

Acesso em: 27 ago.2010.

Downloads

Publicado

2016-04-25

Como Citar

KOMESU, F. Espaços e fronteiras da “liberdade de expressão” em blogs na internet. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 49, n. 2, p. 343–358, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645274. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos