Meu modo de falar mudou bastante, as pessoas notaram a diferença em mim: quando o letramento é desenvolvido fora do contexto escolar

Palavras-chave: Letramento. Contexto não-escolar. Bíblia. Gênero. Leitura

Resumo

O segmento dos evangélicos tem experimentado um grande crescimento no Brasil, mas a contribuição dos eventos da esfera religiosa para o desenvolvimento do letramento dos fieis não tem sido estudado. Objetiva-se, neste estudo, verificar como leitores de diferentes escolaridades avaliam, em sua formação pessoal, o papel do seu engajamento em práticas de leitura da Bíblia. Os participantes são de dois grupos – leitores habituais da Bíblia com menor escolaridade (até cinco anos de escola) e leitores habituais da Bíblia com maior escolaridade (com mais de oito anos de escola). Os resultados mostram que os eventos de letramento que envolvem a leitura da Bíblia afetam muito o desenvolvimento do letramento, bem como a formação pessoal desses leitores. Podemos arriscar dizer que mesmo as pessoas consideradas, pelo senso comum, pouco letradas se mostram desenvoltas e mais capazes de ler e compreender certos tipos de texto, como os da Bíblia, tanto quanto as de maior escolaridade. Isso mostra que os letramentos têm características próprias, cujo domínio é necessário para interagir nesse meio. O letramento litúrgico e o conhecimento dos gêneros desse contexto são determinantes para a compreensão leitora.

Abstract

The social segment of evangelicals has experienced a great growth in Brazil, but their contribution to the development of the congregations’ literacy has not been studied yet. This research investigates how readers with different formal education levels evaluate the role of their engagement in practices of reading the Bible in their personal development. The research participants were divided in two groups – Bible’s regular readers with less formal education (up to five years of schooling) and Bible’s regular readers with more formal education (more than eight years of schooling). Results show that their participation in literacy events of Bible reading favor their literacy development, as well as their personal formation. We venture to say that even those with low literacy according to common sense, are nimble and able to read and understand certain texts like the Bible, as much as the ones with higher education. This shows that different literacies have their own features, whose mastery is needed to interact properly in each environment. The liturgical literacy and knowledge of genres in the context of this study are crucial to the reading comprehension of the participants.

Keywords: literacy; non-school context; Bible; genre; reading

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dorotea Frank Kersch, UNISINOS
possui graduação em Letras Português e Literaturas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1989), mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1996) e doutorado em Filologia Românica - Christian Albrechts Universität zu Kiel (2006). Atualmente é professora vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da UNISINOS. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Lingüística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino de língua portuguesa, letramento, formação de professores, identidade, atitudes, bilinguismo e variação.

Referências

BARDIN, L. (1995). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BARTON, D.; HAMILTON, M. (2003). Local literacies: reading and writing in one community.

Londres e Nova Iorque: Rotledge.

BOHN, S. R. Evangélicos no Brasil: perfil socioeconômico, afinidades ideológicas e determinantes do comportamento eleitoral. Opin. Pública, Campinas, v. 10, n.

, out. 2004. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0104-62762004000200006&lng=pt&nrm=iso>. acesso em 15 fev.

doi: 10.1590/S0104-62762004000200006.

HALL, S. (2005). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de janeiro: DP&A, HEATH, S. B. (1983). Ways with Words: Language, Life and Work in Communities and Classrooms.

Cambridge: Cambridge University Press.

KERSCH, D. F. e SILVA, M. O. da Letramento fora do ambiente escolar – as contribuições do letramento litúrgico (em preparação) KLEIMAN, A. B. (org.). (1995) Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas/SP: Mercado de Letras. (Coleção Letramento, Educação e Sociedade).

_____. (2001) Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: ______.

(Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita.

Campinas: Mercado de Letras, p. 15-64.

_____. (2005a). Linguagem e letramento e foco. Campinas, SP: Unicamp.

_____. (2005b). Preciso Ensinar” o letramento? Não basta ensinar a ler e a escrever? Campinas, SP: Cefiel/Unicamp, 2005. Disponível em: <http://www.letramento.iel. unicamp.

br.publicacoes/artigos/preciso_ensinar_letramento-Kleiman.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2008.

_____. (2007). Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 32, n. 53, p. 1-25. Disponível em: <http://online.unisc.br/seer/index.

php/signo/article/viewFile/242/196>. Acesso em: 10 nov. 2008.

NEGRINE, A. (2004). Instrumentos de Coleta de informações na pesquisa qualitativa. In: MOLINA NETO, V.; TRIVIÑOS, A. N. S. (Org.). A pesquisa qualitativa na Educação Física. 2. ed. Porto Alegre:UFRGS/SULINA, 2004. p. 61-93.

ROSOWSKY, A. (2008). Heavenly readings: Liturgical literacy in a multilingual context. Reino Unido: Multilingual Matters.

SCARPA, E. M. (2001). Aquisição da linguagem. In: MUSSALIM, F. e BENTES, A. C.

Introdução à linguística. São Paulo: Cortez.

SEMECHECHEM, J. Interação e identidades em eventos de letramento escolares em contexto multilíngue/ multicultural no sudeste do Paraná. Dissertação de Mestrado em Letras. Universidade Estadual de Maringá/PR, Maringá, (em andamento).

SILVA, T. O. da. (2007) Pais e alunos pouco letrados: eventos de letramento em uma comunidade rural. Anais do 16º Cole. Campinas: Unicamp. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2008.

SOARES, M. (2003) Letramento: um tema em três gêneros. 2 ed. Belo Horizonte. Autêntica.

_____. (2004). Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Trabalho apresentado no GT Alfabetização, Leitura e Escrita, durante a 26ª Reunião Anual da ANPEd, realizada em Poços de Caldas, MG , de 5 a 8 de outubro de 2003. Revista Brasileira de Educação, Brasília, n. 25, p. 5-17.

_____. (2008). Alfabetização e letramento. 5ª. ed. São Paulo: Contexto.

STREET, B. (2006). Perspectivas interculturais sobre o letramento. Trad. Marcos Bagno.

Filologia e linguística portuguesa, São Paulo, nº 8, p. 465-488.

TERZI, S. B. (2001) A oralidade e a construção da leitura por crianças de meios iletrados.

In: KLEIMAN, Ângela B (Org). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado de Letras.

TFOUNI, L. V. (1988) Adultos não alfabetizados: o avesso do avesso. Campinas, São Paulo.

Pontes.

TFOUNI, L. V. (1995). Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez.

TINOCO, G. A. (2008). Mundos de letramento de professores em formação no agreste norte-rio-grandense. In OLIVEIRA, M. do S.; KLEIMAN, A. B. Letramentos múltiplos: agentes, práticas, representações. Natal: EDUFRN, p. 63-89.

WOOD, D., BRUNER, J. S. e ROSS, G. (1976). The role of tutoring in problem solving.

Journal of Child Psychology and Psychiatry, 17(2), 89-100.

Publicado
2016-04-28
Como Citar
Kersch, D. F. (2016). Meu modo de falar mudou bastante, as pessoas notaram a diferença em mim: quando o letramento é desenvolvido fora do contexto escolar. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 51(2), 389-408. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645360
Seção
Artigos