Política linguística do Estado brasileiro para a divulgação do português em países de língua oficial espanhola

  • Leandro Rodrigo Alves Diniz Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Português para falantes de outras línguas. Política linguística exterior. Itamaraty

Resumo

Este artigo objetiva traçar um panorama da política linguística exterior do Estado brasileiro em países de língua oficial espanhola. Após analisarmos o funcionamento institucional da Divisão de Promoção da Língua Portuguesa (DPLP), subordinada ao Ministério das Rela- ções Exteriores, reunimos alguns dados relativos à história e distribuição dos Centros Culturais Brasileiros, Institutos Culturais Bilaterais e leitorados brasileiros no chamado “mundo hispânico”. Mostramos, então, que, na esteira de recentes mudanças na política externa brasileira, têm se fortalecido as iniciativas para a promoção do português na América Latina. Ademais, argumentamos que, enquanto instrumento de política linguística, o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras) tem particular potencial nessa região. Concluímos nosso texto destacando alguns pontos essenciais para o planejamento da política para a divulgação internacional do português.

Abstract

This paper aims to provide an overview of the Brazilian State language-spread policy in countries where Spanish is an official language. After analyzing the institutional functioning of the Division of Portuguese Language Promotion (DPLP), subordinated to the Ministry of Foreign Affairs, we gather some data concerning the history and distribution of the Brazilian Cultural Centers, Bilateral Cultural Institutes and lectureships over the so-called “Hispanic world”. We then show that the initiatives to promote Portuguese in Latin America have strengthened in the wake of recent changes in Brazilian foreign policy. In addition to this, we argue that, as an instrument of language policy, the Certificate of Proficiency in Portuguese as a Foreign Language (Celpe-Bras) has particular potential in this region. To conclude, we highlight essential points for the planning of the policy for promoting Portuguese abroad.

Keywords: Portuguese for speakers of other languages; language-spread policy; Brazilian Ministry of Foreign Affairs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUROUX, S. (1992). A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Unicamp.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Gabinete do Ministro. (2006). Portaria Interministerial nº 01, de 20 de março 2006. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 mar.

, Seção 1, p. 28. Disponível em: <http://www.jusbrasil.com.br/diarios/505063/ dou-secao-1-22-03-2006-pg-28>. Acesso em: 22 fev. 2012.

_______. Presidência da República. Casa Civil. (2007). Decreto nº 6.170, de 25 de julho de 2007. Brasília.

Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/ decreto/d6170.htm>. Acesso em: 15 jun. 2012.

_______. Ministério da Educação (2010). Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros: manual do exame. Brasília, DF: MEC/SESu.

_______. Ministério das Relações Exteriores. (2011). Balanço da política externa (2003-2010).

Disponível em: <http://www.itamaraty.gov.br/temas/balanco-de-politica-externa-2003-2010>.

Acesso em: 27 set. 2012.

DINIZ, L. R. A. (2010). Mercado de línguas: a instrumentalização brasileira do português como língua estrangeira. Campinas: RG.

_______. (2012). Política linguística do Estado brasileiro na Contemporaneidade: a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior. Tese de Doutorado em Linguística.

Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

FARACO, C. A. (2009). Lusofonia: utopia ou quimera? Língua, história e política. In: ROSAE – Congresso Internacional de Linguística Histórica, 1., Salvador, mimeo.

GUIMARÃES, E. R. J. (1987). Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. Campinas: Pontes.

_______. (2002). Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas: Pontes.

INSTITUTO INTERNACIONAL DA LÍNGUA PORTUGUESA – IILP (2011). Relatório de Atividades do Instituto Internacional da Língua Portuguesa – ano de 2011. Praia, Cabo Ver- de. Disponível em: <http://www.iilp.org.cv/index.php/o-iilp/relatorios-de-gestao/ finish/4/5>. Acesso em: 28 out. 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍ- SIO TEIXEIRA – INEP (2011). América Latina tem o maior número de participantes no Celpe-Bras. 27 out. 2011. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/visualizar//asset_publisher/6AhJ/content/america-latina-tem-o-maior-numero-de-participantes- -no-celpe-bras>. Acesso em: 02 jul. 2012.

LOPES, E. C. M. R. (2008). “Política cultural dos Centros de Estudos Brasileiros na Amé- rica Hispânica”. In: Bienal Internacional do Livro do Ceará, 8. Disponível em: <http://cebchile.blogspot.com/2009/02/bienal-internacional-do-livro-do-ceara.html>.

Acesso em 5 jun. 2012.

MENDES, E.; OLIVEIRA, G. M. de.; MENDONÇA, M.; SCARAMUCCI, M.; FURTOSO, V. B. (2012). O Portal da Língua Portuguesa: materiais e recursos didáticos de PLE / PL2 para o professor do séc. XXI. In: MENDES, E. et al. (orgs.). Materiais e recursos didáticos para o ensino de PLE/PL2 no século XXI: cadernos de resumos e programação do Simpósio da Sociedade Internacional de Português Língua Estrangeira. Belo Horizonte: p. 13.

Disponível em: <http://siple.org.br/images/2012/simposio2012/caderno_resumos.

pdf>. Acesso em: 28 out. 2012.

MENEZES, O. M. A. (1993). A política do idioma no Brasil: a perspectiva internacional. Brasília: Dissertação Dissertação de Mestrado em Linguística. Departamento de Linguística, Línguas Clássicas e Vernáculas, Universidade de Brasília, Brasília.

NAFALSKI, G. N. (2011). Unasul: uma perspectiva de integração política sul-americana.

São Paulo: Alfa-Ômega.

OLIVEIRA, G. M. de; DORNELLES, C. (2007). Políticas internacionales del portugués. Real Instituto Elcano, v. 01, p. 137. Disponível em: <http://www.realinstitutoelcano.org/ wps/portal/rielcano/contenido?WCM_GLOBAL_CONTEXT=/Elcano_es/Zonas_es/Lengua+y+Cultura/ARI135-2007>.

Acesso em 07 maio 2012.

ORLANDI, E. P. (1998). Ética e política lingüística. Línguas e instrumentos lingüísticos, Campinas, n. 1, p. 7-22.

PACHECO, D. G. L. da C. (2006). Português para estrangeiros e os materiais didáticos: um olhar discursivo.

Tese de Doutorado em Letras. Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

PINTO, T. de O. (2008). O desafio de divulgar o Brasil: sobre o Instituto Cultural Brasileiro na Alemanha.

Disponível em: <http://www.mre.gov.br/dc/textos/revista7-mat18.pdf>. Acesso em: 15 abril 2012.

SCARAMUCCI, M. V. R. (2006). O exame Celpe-Bras: impactos nas percepções de professores e candidatos em contextos de PLE. In: Anais do Congresso Internacional de Política Lingüística na América do Sul - Língua(s) e povos: unidade e diversidade. João Pessoa: Idéia, p. 270-276 SCARAMUCCI, M. V. R. (2008). O exame Celpe-Bras em contexto hispanofalante: percepções de professores e candidatos. In: WIEDEMANN, L.; SCARAMUCCI, M.

V. R. (orgs). Português para falantes de espanhol – ensino e aquisição. Campinas: Pontes.

SCHLATTER, M.; SCARAMUCCI, M. V. R.; PRATI, S.; ACUÑA, L. (2009). Celpe-Bras e CELU: impactos da construção de parâmetros comuns de avaliação de proficiência em português e espanhol. In: ZOPPI-FONTANA, M. G. (org.) O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG. p. 95-122.

SERRAVALLE DE SÁ, D. (2009). O leitorado brasileiro em Manchester: política linguística e o ensino de português como língua estrangeira. Cadernos de Letras da UFF, v. 39, p.

-40. Acesso em: 13 maio 2012.

SILVA, J. F.; GUNNEWIEK, L. K. (1992). Portuguese and Brazilian efforts to spread Portuguese.

International Journal of the sociology of language, v. 95, p. 5-9.

SOUZA NETO, D. M. de. (2011). A política externa brasileira nos oito anos do governo lula: legados e lições para a inserção do Brasil no mundo. In: PAULA, M. de (org).

« Nunca antes na história desse país »...? Um balanço das políticas do governo Lula. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll. Disponível em: <http://www.boell- -latinoamerica.org/web/11-1051.html>. Acesso em: 24 fev. 2012.

ZOPPI-FONTANA, M. G. (2009). O português do Brasil como língua transnacional. In: _______. (org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG. p. 13-41.

Publicado
2016-04-28
Como Citar
Diniz, L. R. A. (2016). Política linguística do Estado brasileiro para a divulgação do português em países de língua oficial espanhola. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 51(2), 435-458. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645362
Seção
Dossier Research practices in literacies across languages and social domains