Políticas de promoção internacional da língua portuguesa: ações na américa latina

  • Simone da Costa Carvalho Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Promoção internacional da língua portuguesa. Políticas linguísticas externas. Ensino de português como língua adicional

Resumo

Este trabalho tem como objetivo traçar um panorama de ações na área de políticas linguísticas relacionadas à promoção e ao ensino do português como língua adicional no Brasil e fora do país, bem como refletir sobre alguns de seus impactos. Primeiramente, são apresentados o conceito de política linguística (COOPER, 1989) e as noções de valor e de mercado linguístico a partir da Nova Economia (OLIVEIRA, 2010). A seguir, apresenta-se um panorama de ações políticas de promoção internacional da língua portuguesa, focalizando naquelas desenvolvidas nos âmbitos do Mercosul e da América Latina. Conclui-se fazendo uma reflexão sobre possíveis implicações dessas ações no ensino e aprendizagem de português como língua adicional, bem como na difusão internacional da língua portuguesa.

Abstract

This paper aims at drawing an overview of actions in the field of language policies related to Portuguese promotion and teaching, as an additional language, in Brazil and abroad, as well as reflecting about some of the impacts of that. First of all, the concept of language planning (COOPER, 1989) will be presented, as well as the notion of value and linguistic market based on the New Economy (OLIVEIRA, 2010). Next, an overview of politic actions for promoting Portuguese Language internationally will be presented, specially the ones developed in Mercosul and Latin America contexts. In the end, possible implications of these actions for the teaching and learning and international promotion of Portuguese as an additional language are discussed.

Keywords: Portuguese language international promotion; international language policy; teaching of Portuguese as an additional language.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALDAUF JR, R. (2006). Rearticulating the Case for Micro Language Planning in a Language Ecology Context. Current Issues in Language Planning, v.2, n.7, pp. 147-170.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇAO E CULTURA. Secretaria de Educação Superior (2006). Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros: Manual do Candidato.

Brasília: MEC.

BRASIL. MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES (2011). Balanço de política externa 2003-2010. Brasília: MRE. Disponível em <http://www.itamaraty.gov.br/temas/ balanco-de-politica-externa-2003-2010>. Acesso em 28 set. 2012.

BULLA, G.; GARGIULO, H.; SCHLATTER, M. (2009). Organización general de materiales didácticos para la enseñanza online de las lenguas: el caso del Curso de Español-Portugués para el Intercambio (CEPI). II Jornadas Internacionales de Tecnologías Aplicadas a la Enseñanza de Lenguas. Universidad Nacional de Córdoba, Córdoba, 2009, v. CD. p. 01-12.

CALVET, L. (2007). As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola.

CARVALHO, S.; SCHLATTER, M. (2011). Ações de difusão internacional da língua portuguesa. Cadernos do IL. Porto Alegre, no. 42, pp. 260-284.

COOPER, R. (1989). Language planning and social change. Avon: Cambridge University Press.

COSTA, E. V. Formação em serviço de professores de português como língua adicional. Pesquisa em andamento (Mestrado em Linguística Aplicada). Instituto de Letras, UFRGS, Porto Alegre, RS.

CRISTOFOLI, M. S. (2010). Políticas de línguas estrangeiras na educação básica: Brasil e Argentina entre avanço, percalços. Tese de Doutorado em Educação. Faculdade de Educação, UFRGS, Porto Alegre, RS.

DINIZ, L. A. (2010). Mercado de línguas. A instrumentação brasileira do português como língua estrangeira. São Paulo: RG Editora.

_______. (2012). Política linguística do Estado brasileiro na Contemporaneidade: a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior. Tese Doutorado em Linguística.

Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas FARACO, C. A. (2008). A lusofonia: impasses e perspectivas. Conferência no Simpósio Políticas e ideologías en la legitimación de las lenguas internacionales. 8º Congreso de Lingüística General da Universidad Autónoma de Madrid.

FOREQUE, F. Português é POP. Folha de São Paulo, São Paulo, 16/10/2011. Disponível em <http://acervo.folha.com.br/fsp/2011/10/16/10>. Acesso em 20 de jun. 2012.

GARCÍA, O.; MENKEN, K. (2010). Stirring the onion: educators and the dynamics of language education policies. In:_______ (eds.). Negotiating language policies in schools: educators as policy makers. New York: Routledge, pp. 249-261.

HAUGEN, E. Linguistics and Language Planning (1966). In: BRIGHT, W. (Org.).

Sociolinguistics. La Haye: Mouton.

HORNBERGER, N. (2006). Frameworks and Models in Language Policy and Planning.

In: Ricento, T. (ed.). An introduction to language policy: Theory and method. Oxford, Blackwell Publishing, pp. 10-23.

KAPLAN, R.; BALDAUF, R. (1997). Language Planning from Practice to Theory. Reino Unido: Multilingual Matters.

LEWIS, M. P. (ed.) (2009). Ethnologue: Languages of the World, Sixteenth edition. Dallas, Tex.: SIL International. Disponível em <http://www.ethnologue.com/ethno_docs/ distribution.asp?by=size>. Acesso 10 jun. 2012.

LI, Ye. (2009). Pressupostos teóricos e culturais para um curso de preparação para o exame Celpe-Bras para alunos chineses. Dissertação de Mestrado em Letras. Instituto de Letras, UFRGS, Porto Alegre.

Martín, M.; BEDINELI, T. Brasil de oportunidades faz curso de português “bombar”.

Folha de São Paulo, São Paulo, 05/08/2012. Disponível em <http://www1.folha.uol.

com.br/cotidiano/1131953-brasil-de-oportunidades-faz-curso-de-portuguesbombar.shtml>.

Acesso 20 ago. 2012.

OLIVEIRA, G. M. (2004). Política Linguística, Política Historiográfica: Epistemologia e escrita da História da(s) Língua(s) a propósito da língua portuguesa no Brasil Meridional (1754-1830). Tese de Doutorado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

_______. (2010). O lugar das línguas: A América do Sul e os mercados linguísticos na Nova Economia. Synergies Brésil, n° spécial 1, pp. 21-30. Disponível em <http://ressourcescla.univ-fcomte.fr/gerflint/BresilSPECIAL1/gilvan.pdf>.

Acesso 25 ago. 2012.

RICENTO, T. (2000). Historical and theoretical perspectives in language policy and planning. Journal of Sociolinguistics, vol. 4, n. 2, pp. 196-213.

_______. (2006). Theoretical perspectives in language policy: an overview. In:_______ (ed.). An introduction to language policy: Theory and method. Oxford: Blackwell Publishing, pp. 3-9.

SCARAMUCCI, M.V.R. (2006). O exame Celpe-Bras: impactos nas percepções de professores e candidatos em contextos de PLE. In: Congresso Internacional de Política Linguística na América do Sul. Língua(s) e povos: unidade e diversidade. João Pessoa: Ideia, pp. 270-276.

SCHLATTER, M. (2006). O sistema de avaliação Celpe-Bras: características, implementação e perspectivas. In: Congresso Internacional de Política Linguística na América do Sul. Língua(s) e povos: unidade e diversidade. João Pessoa: Ideia, pp. 171-175.

SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. M. (2009). Línguas adicionais (Espanhol e Inglês).

In: Rio Grande do Sul, Secretaria de Estado da Educação, Departamento Pedagógico. Referenciais curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: linguagens, códigos e suas tecnologias. Porto Alegre: SE/DP, pp. 127-172.

SCHLATTER, M.; SCARAMUCCI, M.; PRATI, S.; ACUÑA, L. (2009). Celpe-Bras e CELU: Impactos da construção de parâmetros comuns de avaliação de proficiência em português e espanhol. In: ZOPPI FONTANA, M. (org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas, SP: Editora RG, pp. 95-122.

Schlatter, M.; Bulla, G.; Gargiulo, H.; Juric, V. (2009b). La Formación del profesor CEPI para interactuar en una comunidad colaborativa de aprendizaje a distancia. II Jornadas de Tecnologías aplicadas a la Enseñanza de las Lenguas. Universidad Nacional de Córdoba, Córdoba, v. CD. p. 18.

SHOHAMY, E. (2006). Language policy: hidden agendas and new approaches. Reino Unido: Routledge.

ZOPPI FONTANA, M. (2009). O português do Brasil como língua transnacional.

In:_______ (org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: Editora RG, pp. 13-41.

Publicado
2016-04-28
Como Citar
Carvalho, S. da C. (2016). Políticas de promoção internacional da língua portuguesa: ações na américa latina. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 51(2), 459-484. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645363
Seção
Dossier Research practices in literacies across languages and social domains