Resenha

  • William Alfred Pickering

Resumo

Os artigos desta coletânea, escritos por estudiosos brasileiros, examinam tópicos relacionados à língua(gem) com base na teoria da complexidade. Originalmente publicado em 2009 pela Faculdade de Letras da UFMG, o livro foi reeditado em 2011, pela Pontes, em um formato atraente. Oito dos onze artigos se inserem na área dos estudos de linguística aplicada e abrangem vários temas; os outros três tratam de questões teóricas sobre complexidade, linguagem e a relação entre os dois. Os organizadores estudam a abordagem da complexidade aplicada à linguística há mais de dez anos. O que há em comum entre os vários autores desta coletânea é a aplicação da perspectiva da complexidade ao estudo da linguagem, aprendizagem e ensino; mas cada autor a aplica a partir de distintos conceitos teóricos e metodológicos provenientes dos campos da linguística aplicada e da educação

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APPLIED LINGUISTICS (2006). Oxford: Oxford University, v. 27, no 4.

BECKNER, C.; BLYTHE, R.; BYBEE, J.; CHRISTIANSEN, M. H.; CROFT, W.; ELLIS, N. C.; HOLLAND, J.; KE, J.; LARSEN-FREEMAN, D.; SCHOENEMANN, T.

(2009). Language is a complex adaptive system: position paper. Language Learning, v.

, supplement 1, pp.1-26.

DAVIS, B.; SIMMT, E. (2003). Understanding learning systems: mathematics education and complexity science. Journal of Research in Mathematics Education, v. 34, no 2, pp. 137- 167.

GARRISON, D.R.; ANDERSON, T.; ARCHER, W. (2000). Critical inquiry in a textbased environment: computer conferencing in higher education. The Internet and Higher Education, v. 2, no 2/3, pp. 87-105.

GARRISON, D.R.; ANDERSON, T.; ARCHER, W. (2001). Critical thinking, cognitive presence, and computer conferencing in distance education. American Journal of Distance Education, v. 15, no 1, pp. 7-23.

HOLLAND, J.H. (1995). Hidden order: how adaptation builds complexity. Reading, MA: AddisonWesley.

JAKOBSON, R. (1990). On language. Cambridge, MA: Harvard.

KE, J. (2004). Self-organization and language evolution: system, population and individual. Tese de Doutorado. Departamento de Engenharia Elétrica, City University of Hong Kong.

LANGUAGE LEARNING (2009). New York: Wiley-Blackwell, v. 59, supplement 1.

LARSEN-FREEMAN, D.; CAMERON, L. (2008). Complex systems and applied linguistics.

Oxford: Oxford University.

LIGHTFOOT, D. (1999). The development of language: acquisition, change, and evolution. Oxford: Blackwell.

MARTINS, A.C.; BRAGA, J.C.F. (2007). Caos, complexidade e linguística aplicada: diálogos transdisciplinares. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 7, no 2, pp. 215- 235.

MORIN, E.; LE MOIGNE, J-L. (2000). A inteligência da complexidade. 2a ed. São Paulo: Petrópolis.

SWALES, J.M. (1998). Other floors, other voices: a textography of a small university building. London: Lawrence Erlbaum Associates THE MODERN LANGUAGE JOURNAL (2008). New York: Wiley-Blackwell, v. 92, no 2.

WENGER, E. (1998). Communities of practice: learning, meaning, and identity. Cambridge: Cambridge University

Publicado
2016-04-28
Como Citar
Pickering, W. A. (2016). Resenha. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 51(2), 517-526. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645365
Seção
Resenhas