Banner Portal
A bagagem do pibid para a formação inicial docente e para a construção da identidade profissional
PDF

Palavras-chave

PIBID
Experiências
Identidade docente.

Como Citar

OLIVEIRA, Hélvio Frank. A bagagem do pibid para a formação inicial docente e para a construção da identidade profissional. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 3, p. 913–934, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8647980. Acesso em: 23 jul. 2024.

Resumo

A partir de uma experiência situada numa universidade pública do interior do Estado de Goiás, durante os dois anos de implantação do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) na área de Letras/Português, o objetivo deste artigo é investigar e discutir as bagagens deixadas pelo referido programa a licenciandos no que tange à sua formação inicial docente e à construção de suas identidades profissionais. Para isso, um estudo de caso de orientação qualitativo-interpretativista foi desenvolvido com o referido grupo de estudantes bolsistas. Formam as bases para a interpretação deste trabalho o olhar narrativo do pesquisador, na condição observador-participante e de coordenador de subprojeto, e ainda os seguintes instrumentos de pesquisa colhidos dos participantes: histórias de vida, entrevista semiestruturada e sessões de reflexão colaborativa promovidas no decorrer de alguns encontros semanais do grupo. Os resultados indicam a potencial relevância do projeto para o fortalecimento da identidade profissional docente – tanto em relação à prática quanto à pesquisa em sala de aula –, ao mesmo tempo que vislumbra a evidente necessidade de acompanhamento de outras políticas e demais atividades pedagógicas voltadas às licenciaturas no que se refere ao empoderamento do futuro professor para a continuação da carreira após o término da graduação.
PDF

Referências

ANDRADE, A. A.; et al. (2015). O jornal escolar e a formação crítica do aluno do ensino médio: desvelando possibilidades através de gêneros textuais. Revista Ao Pé da Letra, v. 17.1, pp. 151-164.

AUDI, L. C. C. (2013). PIBID de língua inglesa na UNEB Câmpus X. Algumas contribuições na formação docente. In: Mateus, E.; El Kadri, M. S.; Silva, K. A. Experiências de formação de professores de línguas e o PIBID: contornos, cores e matizes. São Paulo: Pontes, pp. 79-104.

BERGAMASCHI, M. A.; ALMEIDA, D. B. (2013). Memoriais escolares e processos de iniciação à docência. Educação em Revista, v. 29, n. 2, pp. 15-41.

BRASIL. (2006). Orientações Curriculares para o Ensino Médio: língua portuguesa. Brasília: MEC.

CORDEIRO, A. A.; et al. (2015). Ensino de língua portuguesa: o projeto de letramento “Música na ponta da língua”. Revista Ao Pé da Letra, v. 17.1, pp. 59-76.

DUBAR, C. (1997). A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora.

EL KADRI, M. S. (2013). Retratos do movimento universidade-escola no interior do PIBID como prática social. In: Mateus, E.; El Kadri, M. S.; Silva, K. A. Experiências de formação de professores de línguas e o PIBID: contornos, cores e matizes. São Paulo: Pontes, pp. 105-129.

FAIRCLOUGH, N. (2010). Critical Discourse Analysis: the critical study of language. Harlow: Pearson Education Limited, 2010.

FETZNER, A. R.; SOUZA, M. E. V. (2012). Concepções de conhecimento escolar: potencialidades do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. Educação e Pesquisa, v. 38, n. 3, pp. 683-694.

GOIÁS. (2013). Secretaria de Estado da Educação. Currículo Referência da Rede Estadual de Educação de Goiás. Disponível em: http://portal.seduc.go.gov.br/Documentos%20Importantes/Diversos/CurriculoReferencia.pdf> Acesso em: 29 fev. 2016.

GOMES, B. D. S.; et al. (2015). O projeto PIBID e a formação docente: a construção identitária do professor de língua inglesa no alto sertão da Paraíba. Revista Ao Pé da Letra, v. 17.1, pp. 77-88.

GUEDES, A. R. M.; et al. (2015). O PIBID na elaboração e realização de atividades estratégias: bullying e aula de língua portuguesa. Revista Ao Pé da Letra, v. 17.2, pp. 31-46.

JORDÃO, C. M.; et al. (Org.). (2013). O PIBID-UFPR nas aulas de inglês: divisor de águas e formador de marés. Campinas, SP: Pontes Editores.

LIMA, A. C. A.; et al. (2015). Enunciados de sugestões didáticas: a escrita docente no PIBID Letras Português da UFPE. Revista Ao Pé da Letra, v. 17.1, pp. 41-58.

MAFRA, G. M.; CORRÊA, S. A. (2015). O PIBID como propiciador de capacidades docentes. Revista Ao Pé da Letra, v. 17.1, pp. 89-106.

MARCELO, C. (2009). Identidade docente: constantes e desafios. Formação docente: revista

brasileira de pesquisa sobre formação de professores, vol. 1, n. 1, pp. 109-131.

MATEUS, E. (2011). Ética como prática social de cuidado com o outro. Implicações para o trabalho colaborativo. In: Magalhães, M. C. C.; Fidalgi, S. (Org.). Questões de método e de linguagem na formação docente. São Paulo: Pontes, pp. 187-209.

MATEUS, E.; EL-KADRI, M.S.; SILVA, K.A. (Org.). (2013). Experiências de formação de professores de língua e o PIBID: contornos, cores e matizes. Campinas, SP: Pontes Editores.

MATEUS, E. F.; OLIVEIRA, V.; SODRÉ, C. C. (2015). “O PIBID me salvou”: a tecnologização de discursos e suas implicações nas práticas de formação de professores/as. Revista X, v. 1, pp. 32-51.

MOITA LOPES, L. P. (2002). Identidades fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas, SP: Mercado das Letras.

NEITZEL, A. A.; PAREJA, C. J. M.; HOCHMANN, S. (2013). Práticas de leitura no ensino médio: o PIBID de Letras. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 94, n. 238, pp. 770-794.

NÓVOA, A. (1992). Para uma análise das instituições escolares. In: Nóvoa, A. (Org.). As

organizações escolares em análise. Lisboa: Publicações Dom Quixote, pp.13-43.

OLIVEIRA, A. A.; et al. (2015). Reflexões sobre o papel do bolsista de iniciação à docência do PIBID para o ensino de língua portuguesa na escola. Revista Ao Pé da Letra, v. 17.2, pp. 87-98.

PASSONI, T. P.; et al. (2013). Subprojeto PIBID de língua inglesa da UNEB/Câmpus X. Expecativas e possibilidades na formação de professores. In: Mateus, E.; El Kadri, M. S.; Silva, K. A. Experiências de formação de professores de línguas e o PIBID: contornos, cores e matizes. São Paulo: Pontes, pp. 131-154.

PENNYCOOK, A. (2001). Critical Applied Linguistics: a critical introduction. Mahwah, NJ: Lawrence Erbaum Associates.

PEREIRA, M. A. L.; ALMEIDA, P. C. A.; AZZI, R. G. (2002). A dimensão teórico-prática da Psicologia Educacional na formação de professores. A metodologia da problematização como desencadeadora da articulação entre teoria e prática. In: Azzi, R. G.; Sadalla, A. M. F. A. (Org.). Psicologia e formação docente: desafios e conversas. São Paulo: Casa do Psicólogo, pp. 181-206.

PICONI, L. B.; MATEUS, E. F. (2011). Ressignificações de identidades de professores. Uma análise do encontro com o outro. In: Reis, S.; Van Veen, K.; Gimenez, T. (Org.). Identidades de professores de línguas. Londrina: EDUEL, pp. 271-294.

PIMENTA, S. G. (2012) Formação de professores. Identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. (Org). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo, Cortez, 2012. pp. 15-38.

ROJO, R. H. R. (2013). Gêneros discursivos do círculo de Bakhtin e multiletramentos. In: Rojo, R. H. R. (Org.). Escola conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, pp. 13-36.

RORRATO, D. C. C. P. (2014). O ensino colaborativo e a prática do PIBID. Revista Intercâmbio, v. XXIX, pp. 169-185.

ROZENFELD, C. C. F.; SALOMÃO, A. C. B. (2014). O trabalho de licenciandos de alemão e inglês no PIBID: a construção da prática docente a partir das crenças do ensino médio sobre língua e cultura estrangeira. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 13, n. 1, pp. 159- 179.

SILVA, T. T. (2009). A produção social da identidade e da diferença. In: Silva, T. T.; Hall, S.; Woodward, K. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 9 ed. São Paulo: Vozes, pp. 73-102.

SILVA, K. A.; GOMES, D. M. (2013). A (trans)formação de formadores e de professores de línguas no âmbito do PIBID (Letras) na UnB: perspectivas e desafios. In: Mateus, E.; El Kadri, M. S.; Silva, K. A. Experiências de formação de professores de línguas e o PIBID: contornos, cores e matizes. São Paulo: Pontes, pp. 49-78.

SMYTH, J. (1991). Critical pedagogy of supervision. In: ______. Teacher as collaborative learners: challenging dominant forms of supervision. Buckingham: Open University Press, pp. 119-137.

STREET, B. (2014). Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola.

TEIXEIRA, I. S.; VASCONCELOS, J. S. (2015). Gêneros textuais e interdisciplinaridade: uma abordagem pertinente para o ensino de LP. Revista Ao Pé da Letra, v. 17.2, pp. 61-74.

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (2012). A formação do professor de línguas de uma perspectiva sociocultural. Signum, n. 15/2, pp. 457-480.

VYGOTSKY, L. S. (1998). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Trabalhos em Linguística Aplicada

Downloads

Não há dados estatísticos.