O papel do quadro comum europeu de referência para idiomas: aprendizagem, ensino e avaliação (QCER) na internacionalização das IES: uma análise sob a perspectiva do Letramento Crítico e dos Multiletramentos

Autores

Palavras-chave:

QCER. Multiletramentos. Letramento Crítico.

Resumo

Este trabalho objetiva investigar de que forma os descritores do Quadro Comum Europeu de Referência para Idiomas: Aprendizagem, Ensino e Avaliação (QCER) se comportam diante das demandas de uma sociedade cuja comunicação é cada vez mais, multimodal, digital e global. Para alcançar tal objetivo, o artigo aborda estudos sobre Multiletramentos e Letramento Crítico, no intuito de embasar a discussão sobre os descritores referentes aos níveis C1 e C2, pois, para interações eficientes em uma sociedade cada vez mais digital e globalizada, é necessário que utilizadores proficientes possuam, e saibam usar, uma gama considerável de recursos semióticos. A metodologia qualitativa, abrangendo aspectos da concepção do QCER, sua abordagem comunicativa e os descritores de produção e compreensão oral e escrita, foi utilizada. A análise permitiu concluir que a da aplicabilidade do QCER no programa de internacionalização do Ensino Superior requer algumas ações específicas que permitiriam atualizar seus descritores, de forma a atender às práticas dos multiletramentos, do letramento crítico e das tecnologias digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josiane Brunetti Cani, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Linguística Aplicada pela UFMG, Mestre em Educação, possui graduação em Letras pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Colatina, com pós-graduação em Planejamento Educacional e em Gestão Integradora: Supervisão Escolar, Orientação Escolar e Inspeção Escolar. Atualmente, exerce a função de Técnico em Assuntos Educacionais do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, atuando na área de Comunicação e Eventos, professora do curso de Letras, da Faculdade "Castelo Branco". É membro do grupo de Estudos e de Pesquisa do Ifes: “Língua, Literatura e Educação”, com interesse acadêmico em questões atinentes ao diálogo entre os três eixos articulados, oferecendo perspectiva de pesquisa com desdobramentos pragmáticos, sobretudo na área educacional e do grupo de pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais “Texto Livre: Semiótica e Tecnologia” com destaques para linguagem e tecnologia.

Referências

BEELEN, J; JONES, E. (2015). Redefining internationalisation at home. In: CURAJ, A.; MATEI, L.; PRICOPIE, R.; SALMI, J.; SCOTT, P. (Eds.). The European higher education area: Between critical reflections and future policies. Dordrecht: Springer.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Ministério da Educação (MEC), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), & Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Programa Ciência sem Fronteiras . Decreto Nº 7.642 de 13 de dezembro de 2011 . Brasília, DF. Disponível em: http://isf.mec.gov.br. Acesso em: 27/05/2017.

BRASIL. Ministério da Educação. PNLD 2017: língua estrangeira moderna: espanhol e inglês. Secretaria de Educação Básica-SEB. Brasília, DF. 2016. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/guias-do-pnld/item/8813-guia-pnld-2017. Acesso em: 09/06/2017.

BRASIL. Quadro europeu comum de referência para as línguas. 2017. Disponível em: http://www.coe.int/en/web/common-european-framework-reference-languages/. Acesso em: 09 de julho de 2017.

CASTELL, S; LUKE, A.; MACLENNAN, A. (1986). On defining literacy. In: CASTELL, S. LUKE, A. & EGAN, K. (eds.). Literacy, Society and Schooling: A reader. Cambridge: Cambridge University Press.

CLIFFORD, Valerie A. (2017). Exploring internationalization of the curriculum through the lens of global citizenship. In: LUNA, José Marcelo Freitas (org.). Internacionalização do currículo: educação- interculturalidade – cidadania global. Campinas: Pontes.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro comum europeu de referência para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Edição portuguesa. Porto: Edições Asa, 2001. Disponível em: http://area.dge.mec.pt/gramatica/Quadro_Europeu_total.pdf. Acesso em: 01/02/2017.

COPE, Bill; KALANTZIS, Mary. (2009). A grammar of multimodality. International Journal of Learning, v. 16, n. 2, pp. 361-425.

COPE, Bill; KALANTZIS, Mary. (2000). Multiliteracies: the beginnings of an idea. In: COPE, Bill; KALANTZIS, Mary. (Eds.). Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge.

EDUCATIONAL TESTING SERVICE. TOEFL. c2015. Disponível em: <https://www.ets.org/toefl>. Acesso em: 10/05/2017.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. (1986). Psicogênese da língua escrita. Tradução de Diana Myriam Lichtenstein et al. Porto Alegre: Artes Médicas.

FREIRE, Paulo. (1974). Pedagogia do oprimido. 1.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

JORDÃO, Clarissa. (2013). Abordagem comunicativa, pedagogia crítica e letramento crítico – farinhas do mesmo saco¿ In: ROCHA, Cláudia Hilsdorf; MACIEL, Ruberval Franco. Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. Campinas: Pontes.

JORGE, Míriam Lúcia dos Santos. (2016). Línguas estrangeiras em evidência: formação de professores, justiça social e letramentos. In: FERREIRA, Maria Cristina Faria Dalacorte; REICHMANN, Carla Lynn; ROMERO, Tania Regina de Souza (Orgs.). Construções Identitárias de Professores de Línguas. Campinas: Pontes.

KALANTZIS, Mary; COPE, Bill. (2012). Multiliteracies in Education. In: The Encyclopedia of Applied Linguistics: Wiley.

KRESS, Gunther. (2003). Literacy in the New Media Age. London and New York: Routledge.

LANKSHEAR, Colin; SNYDER, Ilana; GREEN, Bill. (2000). Teachers and techno literacy: managing literacy, technology and learning in schools. Sydney: Allen & Unwin.

LANKSHEAR, Colin; KNOBEL, Michele. (2003). New literacies: changing knowledge and classroom learning. Buckingham: Open University Press.

LÉVY, Pierre. (2011). O que é o virtual? Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Editora 34.

MATTOS, Andréa Machado de Almeida; VALÉRIO, Kátia Modesto. (2010). Letramento crítico e ensino comunicativo: lacunas e interseções. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 10, n. 1, pp. 135-158. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1984-63982010000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en. Acesso em: 16/02/2017.

MATTOS, Andréa Machado de Almeida; VALÉRIO, Kátia Modesto. Novos letramentos, globalização e ensino de inglês como língua estrangeira. (2014). In: ZACCHI, Vanderlei; STELLA, Paulo Rogério (Orgs.). Novos letramentos, formação de professores e ensino de língua inglesa. Maceió: Edufal.

MCLAUGHLIN, Maureen; DeVOOGD, Glenn Lawrence. (2004). Critical literacy: enhancing students’ comprehension of text. New York: Scholastic.

THE NEW LONDON GROUP. A Pedagogy of Multiliteracies: designing social futures. Harvard Educational Review, v. 66, n. 1, p. 60-92, 1996. Disponível em: http://vassarliteracy.pbworks.com/f/Pedagogy+of+Multiliteracies_New+London+Group.pdf. Acesso em: 09/06/2017.

ROSCHEL NUNES, Elaine C.; LORKE, Franzisca. (2011). O problema da adequação dos parâmetros do Quadro Europeu Comum de Referência e “a necessidade de emergir como os outros de nós mesmos”. Revista X, v.2, pp. 40-60. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/revistax/article/view/22892. Acesso em: 02/07/2015.

SOARES, Magda. (2009). Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

STREET, Brian Vincent. (1984). Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

CANI, J. B.; SANTIAGO, M. E. V. O papel do quadro comum europeu de referência para idiomas: aprendizagem, ensino e avaliação (QCER) na internacionalização das IES: uma análise sob a perspectiva do Letramento Crítico e dos Multiletramentos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 1164–1188, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650002. Acesso em: 3 dez. 2022.